Direto aqui do meu apt em NY

AUTORTURADO


New York - David Mamet publicou, há algumas semanas, um artigo num jornal sem nenhuma importância. Refiro-me ao Village Voice. E digo isso com pesar. Hoje, falido, cheio de anúncios, ele é dado de graça nas banquetinhas de plástico nas esquinas e as pessoas não se dão mais ao trabalho de pegá-lo. Virou um jornal de "personal ads". Nas delis mais remotas do Queens ou em Riverdale, o Voice ainda é "vendido". Deve custar 1 dólar, se tanto.

Comento essa coluna porque ela repercutiu no Brasil, deformada como "el gusto" exige, em conjunto com uma má traduçãozinha e um toque de bom oportunismo de quem não conhece bem as bandas daqui. Mas antes de começar a escrever esta coluna, fiz questao de me informar: perguntei a meus amigos da "crasse" artística daqui e "sete" fontes na imprensa, entre elas algumas no New York Times, onde trabalhei como ilustrador na decada de 80. Pasmem. A OpEd page (página de opinião) do Times recusou o artigo da mesma forma que Spike Lee recusou o "tratamento" que Mamet havia feito para um filme sobre Malcolm X.

Verdade. Mamet gostaria de ser britânico, assim como a primeira pessoa que ele cita no tal artigo, o revolucionário economista James Maynard Keynes. O artigo de Mamet "I am no longer a brain-dead liberal" me chamou mais atenção porque menciona Samuel Beckett. Mamet deve sentir uma enorme frustração por não ter podido sentar face a face com o mestre. Tem muita citação beckettiana nesse artigo, mas só os iniciados entenderiam.

Mas não quero desmerecer Mamet. De forma alguma. Quando se está numa "crise criativa", qualquer artista apela. Isso é comum. Atenção, porque falo de artista e não de jornalista. Mamet é artista, mas está longe de ser o "maior" ou "melhor" autor americano. Essas categorias são fajutas, pré-fabricadas, não colam. "Melhor e maior" é o oportunista que tem o melhor agente em Los Angeles. Faz uns dois anos, mais ou menos, morri de rir quando se fez um "fuss" sobre o melhor ator de todos os tempos: era o Russsell Crowe. Surge um "melhor" a cada dia. Deve-se rir.

"Living the moment baby, living the moment", dizia Andy Warhol debaixo daquela peruca platinada, sem mover uma ruga, num cinismo único! Maravilhoso!

O grande da vez.....deixa me ver..não, não vou abrir essa gaveta. Sairão muitos defuntos defumados. A fauna da fama é uma indústria calhorda e quem quer lucrar com ela é ainda mais calhorda ou um tremendo frustrado.

Mamet está em crise! E nessa crise, sei lá, tenta chamar atenção pra si mesmo, seja lá como for. E em plena campanha eleitoral ferrenha em que estamos, Mamet encontrou o Voice, veículo com pouca repercussão, a não ser por ..ah sei lá. Tem gente que busca tanto uma razão que até o Cairo News (se é que existe) seria um bom veículo.

Então, vamos lá: ele cita Norman Mailer, recém-morto. E eu disse logo após a morte dele "ainda bem que morreu" por ter apoiado um criminoso, Jack Abbott (um duplo assassino que, por acaso escrevia “In the Belly of the Beast”). Esse autor e psicopata, assim que saiu da prisao (por pressao de Mailer), matou um ator e garçom do La Mama, aqui no Binny Bun, na Segunda Avenida.

Bem, ao Mamet então. Ele cita Mailer quando esse se colocou na posição de crítico de drama durante a premiére de Esperando Godot, do nosso mestre Beckett. Sem sequer ir a estréia, Mailer - assim como uma espécie de Ivan Lessa - chamou a peça de "uma porcaria". Diferente do critico Walter Kerr, do N Y Times, que odiou a peça na época mas se retratou 25 anos depois, reconhecendo a genialidade do autor. Kerr escreveu sua carta de demissão dizendo que, "nao tendo reconhecido o talento de Beckett naquela década, quantos outros talentos não teria arruinado?" Gosto de jornalistas humildes, capazes de reconhecer erros históricos e histriônicos.

Mamet também reconhece que Godot é a melhor e maior peça do seculo XX. Mailer mais tarde, ao ver a peça (e quando conversei com o próprio numa convenção num dos hotéis na rua 59, na beira sul do Central Park, em 85, acompanhado de Heiner Mueller), reconheceu que - de fato - Esperando Godot era um masterpiece. Teve que comprar uma página no Voice pra dizer isso. Naquela época o Voice ainda tinha enorme importância. Mamet comenta isso.

Mas olhem quem era Mailer. Olhem quem era Beckett. Olhem quem é esse pobre coitado que teve que colocar a Madona em Speed the Plough para conseguir audiência: falo de Mamet. Seus filmes Wag the Dog e Glengarry Glen Ross são, de fato, geniais. Geniais!!! E o que ele denuncia ali? Manipulação e corrupção de imagens, de vendas, da exploração corporativa, da guerra como indústria, etc. Mudou de idéia? Tudo bem. Todos mudamos de idéia. Todos temos esse direito.

Mamet liga demais para a crítica. Parece ter medo dela, talvez por não ter tido sucessos recentes (no Old Vic em Londres tem poltrona vazia pacas!) Mamet escreve num inglês de gente que conhece latim ou está latindo. Latindo alto, pedindo socorro pra alguem. Aos 61 anos de idade, o cara está um pouco a ver Oleanas, digo, navios. Suas peças políticas são tão desinteressantes quanto as de David Rabe, ou Hare, seja o animalzinho de estima ou o prato do dia.

O coitado do Mamet, a essa altura de sua vida, sem ser consultado, escreve um artigo e explica porque o escreveu. E explica, explica, se justifica....êta! Descreve sua motivação e seus "leitmotifs", parece um mea culpa culpado. Algo ali me soa mais atonal do que a dodecafonia de Schoenberg e é aí que os oportunistas abroad (hey broad) o fisgam como "o exemplo da esquerda que defectou pra direita". Quanto barulho por nada! Ah não, isso é outro dramaturgo! Me desculpem.

"A disputation between reason and faith"...Wow...Hmm , sei, que novidade, Mr. Mamet. Não é a toa que não emplacas! Considerando Howard Brenton (com sua nova peça em Londres, no National - outro fracasso -, sobre o ex-primeiro ministro britânico Harold Macmillan) ou Alan Bennett, Joe Osborne, Tom Stoppard (esse sim! Stoppard é o maximo!) ou David Hare ou David Rabe ou mesmo Edward Bond (not James, sorry), com seu brilhante King Lear, ou mesmo Steven Berkoff ou Pinter e seus silêncios insuportáveis do "unsaid" da aristocracia de Hampstead ou Belgravia, Mamet não está pegando o ‘olho do furacão’. Se é pra falar de politica numa peça, é melhor que esteja anos luz na frente e tenha algo Brechtiano a dizer ou então, fique no “não dito” de Beckett, nas palavras omissas e cortadas do mestre Sam e tente o caminho da … sei lá! Quieto Gerald!

Free market economy, Mamet? Mas alguma vez foi diferente? O que te pôs no mundo, se não a free market economy? Você nunca recebeu subvenção estatal, já que os Estados Unidos não têm um Ministério da Cultura. "Como cria dos anos 60, eu aceitei como um ato de fé que governo é algo corrupto, que o mundo dos negócios é explorador e que as pessoas têm, geralmente, um bom coração", diz Mamet.

Mas Mamet e sua mulher sentiram um enrijecimento de músculos (estranho isso, não?) ao ficarem ouvindo a National Public Radio (geralmente contra a admistração Bush aqui e mantida com doações e impostos do contribuinte, olha só a democracia funcionando!) e perceberam, depois de calar a “porra da boca” por muito tempo, que National Public Radio poderia também ser chamada de National Palestinian Radio. Hummm... Mamet, Mamet..... Acho que vou procurar você!

Mamet esta passando por uma pura crise. Não sou eu a julgá-lo. Muito menos eu a oportunizá-lo. Acho nojento, simplesmente nojento, gente que tem sua agenda agulhada e não acha argumentos próprios pra fazê-lo. Precisa se calcar num nome "dito" internacional, exageram sua importância e daí chamam atenção para a sua (assim chamada) "dissidência", como se vivêssemos na ex-União Soviética na época de Soljenitzin. Nojento.

Dizer que Bush mentiiu sobre o serviço militar numa equação, não tem o mesmo peso da mentira numa nacão militarizada como somos... dizer que JFK mentiu ao aceitar o premio Pulitzer por um livro escrito por Ted Sorenson... Esse argumento diminui sua tese, assim como dizer que Bush dormia com os Saudis e Kennedy com a Máfia. Olha só que erro de proporção na escala de segurança nacional!!!!!

Como disse, Mamet é mais inteligente que isso, seja lá o que esteja passando, ele cita novamente JFK e as merdas que fez, cita várias outras administrações e as merdas que fizeram. Mas se JFK fosse de esquerda, como alguns querem ridiculamente fazer crer, por que impôs o embargo a Cuba e provocou uma das maiores tensões da guerra fria, a crise dos mísseis? Por que não ficou amigo de Castro? Essa gente tem cada idéia...

Mamet montou "Catastrophe" de Beckett, e, bem, foi uma catástrofe. Usou Pinter como ator e Guilgud, o maior de todos, mas mesmo assim não deu certo. Beckett escreveu essa peça como um curto fragmento em homenagem a Vlacav Havel, ex-presidente da República Tcheca, ex- preso político e parte do Chapter 77, torturado autor teatral ele próprio. Percebi que trechos inteiros do texto de Mamet, que li em português, sobre a figura do “diretor teatral", estavam completa e erroneamente traduzidos ou propositalmente traduzidos para se encaixar na agenda de alguém. Afinal, Mamet é ele próprio diretor e jamais poderia julgar erradamente a categoria de diretor. Já eu, GT, acho que o diretor é realmente desnecessário, autor que sou das minhas próprias peças, e vejo um trânsito de luzes e fogueiras de vaidades por ai que me doem a vista, ego puro! E eu sou simpático à causa de Mamet, mesmo sem parecer a olho nu (sua interpretação da Constituição é brilhante e dos militares também, o que dizer?)

Só escrevi isso tudo porque sinto Mamet, ele proprio, torturado, assim como Havel, e "compro" sua dor nesse momento político delicado. Escreve Mamet: "Falo como um membro da classe privilegiada? Se querem - mas as classes nos Estados Unidos são móveis, não estáticas, como na versão marxista. Emigrantes vem e continuam a vir aqui sem um tostão e conseguem ficar ricos: o nerd faz trilhões de dólares, a mãe solteira, sem um puto e ignorante na língua inglesa, consegue mandar seus dois filhos para a universidade" (Mamet fala de sua avó).Trechos desse depoimento são, de fato, emocionantes.

Outras passagens, como diria Mailer mesmo sem tê-lo lido, são trash. Sem tê-lo lido, friso. O que vem a ser típico de jornalistas e colunistas. Vivemos momentos tensos e sujos, como em todas as prévias. Se o artigo sobre ser um "brain-dead liberal" foi aproveitado por alguns "brain-dead conservatives", acho uma pena. Não conseguiram enxergar a honestidade no depoimento de um artista em crise, a dor de uma orelha cortada. Mas, mais sujo ainda, é tentar se aproveitar dessa fragilidade artística e fazer disso uma plataforma política para poder manifestar frustrações ou lançar uma faísca numa direção que deixaria o próprio Mamet horrorizado: a faísca do oportunismo político. Seria como dizer que Godot chegou e chegou com o uniforme de papai Noel, cheio de presentinhos, dentro dessa maior crise econômica em que vivemos.

Caricatura mal feita, igual a que Mamet tanto reclama. "Brain-dead liberal" ainda é melhor do que "Active Savage Opportunist Columnists".

 

Gerald Thomas

 


EXCEPTIONALMENTE POR CAUSA DOS INSISTENTES ERROS TECNICOS publico aqui um coment que veio por email do Vampiro
Sandra, é justamente por isso que o Gerald está fora da disputa. Senão, toda semana seria escolhida uma frase dele... Pessoal, só deixa eu explicar um coisa: Eu vou escolher a frase entre os comentários, certo? Portanto, não venham forçar a barra. Tem de ser uma frase espontânea, dentro do contexto discutido. Como sou bonzinho, aceito sugestões tipo: "Vamp, acho que aquela frase de fulano mereceria vencer, tal, ..." Mas não me venham com "democracia", com "direitos iguais", etc... Isso é coisa de povão. Se rebelar é coisa de quem tem moral de escravo. A virtude da moral nobre é a obediência. Vou escolher tendo como critérios a originalidade, oportunidade e inteligência. Pode, por exemplo, não ser nada tão genial, mas, dentro de um determinado contexto, ser uma ótima sacada. Não vou mais escolher "pérolas", no sentido vulgar mesmo. Até porque, se assim fosse, só o Fábio venceria. Vamos lá? Não me poupem!
Vampiro de Curitiba

ENORME comentario do Contrera!
conheço apenas um filme baseado em algo do mamet que vale a pena: tem o dustin hoffman como protagonista e é bem lá pra baixo, à la bukowski, hoje diversão de presepantes. os outros, ora. tem até um, com um urso, de quem o meu sogro viu erro de continuação! ahahah aqui qualquer um que ande pelas quintas, sextas, quinquagésimas avenidas daí parece, a muitos, saído do palácio de versailles (escrevi correto? ahaha). cá entre nós, a avenida que segue o nome de hollywood perde feio até para a são joão, para o minhocão. mas deixa. tão interessante saber que o mamet diz-se isso ou aquilo é perceber que o mailer jamais deixou de ser animal de circo da mídia e que passou mais a ser lembrado pelas bobagens que disse ou fez do que pelo que escreveu. péssimo destino, esse. mas sei lá, cada um escolhe a vida que quer. mas tudo bem. hoje, em que qualquer um com pistolão à altura consegue escrever garatujas que convencem o idiota que comprou o jornal de que tentar pensar com reserva é piada. cont.
mas para não fugir da raia: o mamet, bem ou mal, vende-se dia a dia ao sistema que tanto critica, e não por isso pode colocar-se acima dele. diferente é ser como um bukovski, sempre ao relento - e quando não, cagando e andando para os que se valem da fama fácil. alguém imagina o feioso comedor de belas e feias dispondo-se a defender o que seja? ou wagner, sim o desafeto do coitado do nietzsche, disposto a meter-se em peleja alheia sem ganhar com isso algo para sua arte? o artista é um mercenário, bem ou mal, como qualquer outro. disposto a tudo em seu nome, ou em nome de sua arte. não me venham com que haja algo mais nobre a ser defendido nessas idas e vindas de opiniões, doxas, que mal influenciam quem quer que seja? busca-se espaço em jornal, revistas, tv (ah, que maravilha), rádio (será?), internet, etc. claro que sempre há algo que possa ser melhor ou pior discutido. claro que sempre haverá os que se metem em enrascadas, fingindo ser o que suas mulheres não engolem mais (ops). ingênuos.
o wahrol era mais esperto. sabia que o que contava era o jogo dos bastidores. saber o que acontecia, para ver o pau comer. e curtir com isso. o wahrol não encanava com discussões fúteis para enganar a patuléia (olhem, eu leio o elio gáspari ahahah). simplesmente via o mundo por detrás de suas lentes de garrafa, curtindo o joguinho pesado de quem sabe-se predador. somos predadores, ou o quê? ou alguém quer ir lá à áfrica defender os que morrem sem parar, sei lá por que tantos motivos? alguém quer meter-se a ser da onu, para ser explodido por israelenses ou palestinos? existem esses. mas não estão aqui, meus queridos. escrevo para gente muito bem disposta atrás de seus micros de última geração, com empregos ou ocupações de gente grande. claro que a gente tem formação e precisamos debater, sem dúvida. e por isso debatemos. por que fazemos parte da sociedade, não é? alguém quer algo mais? responsabilidades? ora, esses têm mais o que fazer (realmente).
o mamet, em suma, apenas tenta um espacinho. o village voice? nunca vi. só conhecia o village people. ahahah e eu acho que prefiro o segundo. ahahah alguém tem aí um cd do village people, macho man? pago bem. ahahah bom, mas enquanto eu aqui passo o tempo, sem ter passado minhas roupas para amanhã, hoje, afinal entrevistarei um fudido paquistanês, chefe sei lá de quem, penso então se é para isto tudo que me formei - ou se para isso e algo mais fui realmente deformado. admito. embarquei nessa leva de mamets e mailers muito a contragosto. nunca achei muito deles. prefiro ler suetônio, que aliás mal consigo entender. ahaha e por quê isso, afinal? talvez porque nunca me senti realmente imiscuído pelas questões desses sujeitos - raras exceções. algo errado? nada. simplesmente não me afetam ou não deixo que me afetam. podem me chamar de alienado. ok. até concordo.
só pergunto: algo poderia esse tipo de discussão ter contribuído para me formar melhor nas posições de que este país em que vivo necessita? não creio. assim como não creio que melhor entender a semana de 22, de 23, de 24, de 25 (viu, gerald, fiz o dever de casa) possa realmente ajudar a entender melhor a inserção desta patuléia em qualquer questão mundial. reparem (se quiserem) no que digo: sou filho de geração que não completou educação superior. minha mãe chegou ao começo do secundário, no chile. meu pai só terminou o ensino médio. e assim, do jeito como eles foram, e do jeito que conseguiram o que conseguiram - e ai se foi bastante -, entendiam o mundo de outra forma - alienada, dirão vocês, nada. simplesmente do jeito que vivenciaram. algo do mundo de um mamet? nada. este iria classificá-los ou entendê-los apenas como classe média baixa empobrecida. e fazer suas peças, seus filmezinhos. é nossa função assistir a esse jogo pelo lado de fora?
ou na verdade devemos, nós que podemos, tentar entender essa nossa inserção? quiçá por isso me meta hoje a refletir e gastar esforços sem conta para recuperar tantas vivências desperdiçadas por ideais alheios que não contribuem a fazer com que consiga entender a mim mesmo e aos dilemas dos meus queridos, e dos que me afetam. claro que essa é a função da arte. conhece-te a ti mesmo. não, meus caros, as peças gregas não serviam para divertir, não. eram apenas a forma pela qual a sociedade entendia a si mesma, sem a intromissão do oráculo. e nós, por que insistimos em esquecer e desprezar essa nossa posição privilegiada? porque não embarcamos em nossa maioridade? ou porque preferimos esquecer, desprezar-nos para evitar interferir, afinal podemos com isso realmente nos machucar? sim, podemos nos machucar. sim, meus caros, os artistas somos - ou podemos ser - todos nós. mas se embarcarmos numas desse mamet ou de outros - tantos - tão coitadinhos, estaremos perdidos. com amor, contrera



  Escrito por Gerald Thomas às 19h50 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


A arte é um estado de flutuação migratória. - Gerald Thomas em 1988

Excelente entrevista concedida pelo dono desse blog ao repórter Sidney Rezende no programa "Encontro com a Imprensa", pela rádio Jornal do Brasil.

Entre outras coisas, Gerald fala da identidade cultural do Brasil nos anos 80, de polêmica, de seu teatro, de sua amizade com Samuel Beckett (ou Mr. Beckett), de honestidade, de tempo, falta dele, do massacre que ele promove na cabeça do artista, e atesta: "A arte é um estado de flutuação migratória". Segundo o dramaturgo o artista emigra para um estado qualquer, fora do tempo.

Enfim, vale conferir!

Para isso, clique nos ícones abaixo, ou vá diretamente ao link:
http://www.sidneyrezende.com/sec_entrevistas_view.php?id=16

sr
sr
Gerald Thomas
  Listagem das Entrevistas  
sr sr sr
sr sr sr sr
sr sr Gerald Thomas
1988 - Encontro com a Imprensa

Veja esta entrevista clicando nos ícones abaixo.
ico_tv  ico_tv  ico_tv  ico_tv 
sr
sr sr sr sr sr

Puxa, e por falar na atualidade dos assuntos da entrevista, há alguns dias discutíamos aqui sobre honestidade e mentira no teatro, e sobre polêmica. E aquela história do acidente na Dutra, por que poderia acontecer... é de arrepiar.
Sandra



  Escrito por Ana às 19h29 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Warhol / maconha / tacabo e os clones imediatistas

Amsterdam anunciou que estaria banindo fumantes de seus coffee shops. Como assim? Ouvi direito? Sim, banindo fumantes que misturassem tabaco em seus "joints".

Teatro do absurdo ou do ridiculo não chegam perto. Afinal, Amsterdam eh conhecida pela sua industria turistica da droga leve (e pesada). Mas parece que o tabaco - tadinho - pagou o pato. Quem mistura tabaco em seu baseado tera que fumar do lado de fora, na rua!!!

"A maconha ter que ser PURA, fumada pura", disse um deputado, o Klink. Caramba, dito assim parece ate praga. Afinal, pergunto eu, qual eh o verdadeiro significado de pureza de qualquer coisa hoje em dia, nesses dias tumultuados de subornos, de adulteração transgenica, de guerra entre religioes, entre deuses, da industria das amputações, da industria do terrorismo e do transexualismo? Tentar implantar (sem trocadilhos) o conceito de PUREZA justamente ligado a maconha eh tanto quanto risivel. Particularmente odeio esse negocio: retarda a mente, retarda a memoria do ator, diretor e de quem protesta. Mas o que fazer, fui criado no meio de maconheiros.

Alias, por falar em drogas, existiu um ser exotico e sobrio que se fez passar por drogado (appearence is (not are) - "is" everything, darling): Andy Warhol.

Nos ultimos anos de sua vida, os anos 80, Andy Warhol comecou a fazer litos e silk screens de "judeus do seculo XX", pode? Parece que sim.

O cara que transformou uma lata de sopa num icone (a Campbells) e trivializou um icone (a Marylin) numa lata de sopa de prateleira (fez a mesma coisa com a cara de Mao Tse Tung Tung Tung, terminou a vida voltando as origens, fazendo retratos de judeus assim como Einstein, o juiz Martin Buber, Gertrude Stein, Freud, Kafka, e os irmos Marx (Groucho, etc). Warhol era inteligentissimo, ao contrario do que um artigo no N Y Times tenta dizer e, por isso mesmo, se associou aos drogados sem ser um, aos intelectuais, sem ser um, etc. Era um voyeur e visionario. E um artista não precisa ser muito mais que isso. Ter a genialidade de WAR-HOLE, e suficiente. Saber dar o tiro certo no momento exato e não responder nunca as perguntas de jornalistas, apesar de ter fundado a revista Interwiew, eh um coup de theatre.

Genios nao morem. Sobrevivem as intrigas, ou ressurgem nas clinicas de loucos daqueles que, ate hoje, não conseguiram se refazer do ponto de interrogacao colocado por ele. Esse bando de mediocres que andam por ai e escrevem artiguinhos se dizendo "brain dead liberals" e nao conseguem midiua, a nao ser pra ser ridicularizado (no primeiro mundo) --- usado e abusado no terceiro, onde todos tentam pegar uma lasquinha... e transformar o significado de tudo. Oh ceus! Como me cansa a mediocridade! Como me inspira a genialidade de um Warhol.

Mas pra realmente transformar o significado de tudo, tem que ser, antes de mais nada, ser AR-TIS-TA. Isso eh para poucos. Minto. Não eh pra ninguem nao, bando de clones falantes/fumantes!!!

Gerald Thomas.
 


[O Vampiro de Curitiba]
Quer dizer que não pode misturar tabaco à maconha? Bom, tomara que a moda pegue por aqui. É muita folha de chuchu e bosta de vaca. Aquele perfuminho de "patchuli" não engana mais ninguém.

Vamp: respondendo a uma ooutra pergunta que vc me faz: Nostalgico? Nao, Pelo menos acho que nao. Tentei me divertir um pouco dentro da......(you know what) escrevendo sempre dos PARA! PARA!-metros da cultura e assuntos sociopaticos!

[Gilda Aché Taveira]
OLa pessoal, Hi Gerald, I MISS U all! Estou com problemas de tempo e no micro, mas estarei postando aqui ASAP! Primeiro quero me interar do que anda acontecendo. O que ha´com Ana? ESpero que fique bem, muito bem e Logo! beijos Gilda

[O Vampiro de Curitiba]
Pessoal, vocês esqueceram, eu não. Hoje tem a "Frase da Semana". Na verdade, a frase da semana seria do Gerald: "...onde o amor encontra a morte e a morte encontra o amor". Mas como o Gerald está fora da disputa, por motivos óbvios, a escolhida esta semana é da SANDRA. Ela deixou-nos um pensamento lindo que tem tudo a ver com as nossas relações e e interações aqui no blog: "A quântica diz que é impossível conhecer algo ou alguém sem interagir. Só que, dessa interação, ambos saem modificados."

[Sandra]
Gerald, há algum tempo usar maconha era ir contra o sistema. Só que isso virou uma grife, uma obrigação. Acho que, hoje, ir contra o sistema é ser careta. Numa entrevista para a Revista do Rock, Rita Lee disse que estava tentando se livrar do alcoolismo, mas tinha sérias dificuldades, porque ninguém aceitava que uma roqueira não bebesse. A contestação do NÃO POSSO fazer isso virou o TENHO que fazer isso.

[Ana]
Essa de não poder misturar tabaco à maconha, doeu. Agora deu tilt de limpeza no primeiro mundo. Claro que cigarro faz mal. Mais mal que a maconha, por sinal, guardadas das devidas proporções. Em todo caso, só um nerd pra misturar tabaco com cannabis pura. Polêmicas à parte, eu acho que o ser humano tá com a cabeça pelas tabelas. Alguém aqui no Brasil, desconhecedor do fato que a maconha é usada livremente na Hollanda, poderia achar que o tal Klink pirou. E ainda poderia perguntar "É o Amir Klink, aquele dos barcos?".


CONTRERA FINALMENTE!!!!! (UFA!) *que bom, Love GT)
à miséria dos fumantes passivos, agora a dos fumantes envergonhados (pelas autoridades). o ser humano sabe se destruir como nenhum outro ser do universo, mas não sabe viver junto. cito o lemmy: a única coisa que o ser humano realmente sabe fazer é destruir o outro. origem de orgasmatron.
Contrera
 



  Escrito por Gerald Thomas às 05h24 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Nowhere Man, nos em nenhum lugar: adeus!

Fico estranhamente incomodado quando chamam alguem de estrangeiro. Tipo…..Samuel Beckett eh um dramaturgo “irlandes”. Mesmo? Wow. Pois bem, com esse eu convivi, dirigi suas coisas, adaptei. Sim. Ele, de fato, falava com um forte sotaque de Foxrock, e seu “distanciamento quase cruelmente brechhhhtiano ou artaudiano” a respeito do "outro" lado da ilha britanica fazia com que ele, assim como seu mentor, o Joyce, brincassem e bordassem com a lingua (os dentes tambem). Alias, Yeats ne? Bem, deixa isso pra la.

Tanto Joyce quanto Beckett “escolheram”, esquecerem de onde vieram. “Exiles” eh um texto de Joyce pra teatro, se nao me engano. Nao consulto o Google quando escrevo. Simplesmente vou ate onde minha poor memoria me trai. Esse texto eh sobre a terra e aqueles que escolhem seu proprio destino e sua propria diaspora. Ambos sairam correndo de la (os irlandeses tem uma certa queda por sairem de la) e se “plantaram” em .., bem Beckett acabou em Paris, no Boulevard St Jacques. Se escondeu ate atras da lingua francesa pra escrever !!!(mentirinha que eu acabei desvendando com o tempo, ja que Hamm – com dois “m” e tudo significaria canastrao - ou presuntao que o Clov (derivado de clown ou cravo , coisa que se enfia no presunto quando se assa ele no forno), ou Lucky e Winnie e Willie e assim por diante nao sao exatamente nomes franceses.

E odeio quando se referem aos Beatles , ate hoje , como os quatro “ingleses” , quando Lennon deixou claro que sua residencia seria Nova York. Lennon e Yoko eram New Yorkers assim como Saul Steinberg era a capa daquilo que ele desenhava: um New Yorker! E, against all odds, Lennon fez do Dakota, sua moradia ate o fim de seus dias.

Tem que se chamar o genio do cinema, Ingmar Bergman de “o cineasta sueco Ingmar Bergman”? E Tem que se chamar Picasso de espanhol? Caramba, o Picasso eh, incontestavelmente e unicamente, o Pablo Picasso (com seus 23 nomes)! Sem patria, como o artista plastico Christo, aquele que embrulha tudo, ou Jesus Cristo, aquele que escolheu o Rio de Janeiro pra abrir seus bracos e – depois de uma via dolorosa, decidir que, diaspora atras de diaspora, somos atormentados por nossas nacionalidades ou por nossos nomes, por nossos sobrenomes. Que perseguicao!!! Sera que um dia teremos a liberdade de escolhermos “um lugar” Galileonico, ou Kepler-onico que nos deixem em paz, olhando o ceu aberto, ou com misseis passando sobre nossas cabecas – repleto (claro , como sempre) com campanhas e mentiras politicas a manipular toda e qualquer informacao), digo, repleto de “tempo pra pensar”….

Marcel Duchamp , um frances? Como assim? Tao frances quanto o De Kooning? Ambos New Yorkers ou ambos do mundo, ambos de lugar nenhum como Nam Jun Paik, ou como....sei la, como somos narcisisticos em relacao a possuir, eu disse POSSUIR um lugar, algum lugar, algum nome, UM NOME, nome do meio e o passado que ele tras. Olhar para tras eh RETROSPECTIVA e retrospectiva eh coisa muito triste, muito depravadamente triste!

Tempo pra se repensar o que significa tudo isso!
Sim, porque perdemos as estribeiras. Digo, enxergamos somente aquilo que quermos enxergar. Aquilo que nosso nariz aponta, aquilo que nossa bussola da sorte ou da oportunidade aponta. Mas sabemos que isso dura pouco e que o jogo muda rapido.

O tempo passa rapido. Muito rapido. E, de repente, ja foi. E aquele “tcheco que morreu em Berlim” o Kafka, tadinho, um dos maiores genios da literatura, me vem a cabeca, pois teve um tempinho entre uma campanha contra o seu proprio pai e o sistema; e ecreveu Metamorfose em que o homem vira um inseto.

Esse blog precisa de diversificacoes, se transformar em outra coisa,se transformar no inseto de Kafka ou sofrer uma gigantesca diaspora:HOMERICA (olha,mais uma metamorfose), e eh por isso publiquei, recentenemente aqui Felipe Fortuna, John Hemingway , neto do proprio, o Ernest, um auto exilado himself. Acho que o tumulto dos ultimos tempos tomou conta da minha cabeca.

Talvez seja a hora de dizer um breve e tristissimo ADEUS. Triste, mas, verdadeiro. Vou sentir saudades. Ja disse isso muitas vezes. O teatro fecha suas cortinas todas as noites e morremos em nossos camarins todas as noites. Sera que realmente existe um outro dia, um outro lugar, terra de ninguem? Vou procura-la por ai....
LOVE
Gerald Thomas, um Nowhere Man.
New York - 26 de Marco de 2008



--------------------------------------------------- death ---------------------------------------------------

 

da Valeria (por email porque COMENTARIOS AINDA ESTAO COM PROBLEMAS)
Eu me espanto com os outros, mas comigo também.
Receba meu olhar e sorriso.
Inté,
Valéria

Numa entrevista Nancy Huston- nasceu na parte anglofônica do Canadá, mora em Paris, escreve tb em francês- diz:"estou persuadida de q os seres humanos estão invadidos pela ficção sem saber. Tudo o q nos contam sobre nação, religião, família, é para q construamos um personagem. São ficções pobres e q podem ser nefastas e perigosas.Qdo um país se sente em perigo ou humilhado, reativa-se algo do tipo 'nós somos bons, eles são maus'.Isso é ficção de base da espécie humana. Já a ficção literária tem algo de formidável: ñ se apresenta como uma verdade eterna, mas sim como ficção. E com isso deixa o lugar para a ambigüidade, contradição, complexidade e situações c + nuances do q 'eu e nós'. A ficção nos encoraja a nos identificar com pessoas q ñ se parecem conosco (...) isso nos dá uma distância preciosa em relação às ficções q recebemos e pode contribuir a melhor compreender os outros". Saiu tradução de "Marcas de nascença"
(Déborah Berlinck - Prosa&Verso)


---depois de uma busca na caixa do UOL.....encontrei isso: de dias atras
[Valéria] [RJ]
é incrível como a posse no mundo está relacionada a tudo tudo tudo: ao amor, ao prazer, as coisas úteis, à amizade, à terra, à mente etc. E é horrível ver que as tentativas de independência são asinhas de borboleta mantidas pelos sérvios em sua coleção. Que o SIM dos kosovares para a independência seja finalmente um NÃO ao NÃO dos sérvios, que esta violência entre etnias, inacreditável e dolorosa, tenha um fim; fico torcendo daqui, sentada na beirada da cadeira, assistindo à minha incompreensão para tantas lutas sem fim.

Contrera]
os incêndios irão continuar. 50 anos? 100? sei lá. não estaremos aqui para vê-los ou ver o seu fim. contrera

E lá se foi nosso ultimo NEO-BEAT Gerald... Pq é que todo irlandês não gosta da Irlanda...? síndrome de província ?
Lílian |

Concordo com tudo. Pego aqui uma fala de uma peça que fizemos em homenagem (após sua morte) ao gênio MUNDIAL Bergman. Na verdade é o final do Fanny e Alexander. Nem é de Bergman. É de stridberg. Enfim... Mentira e realidade são uma coisa só. Tudo pode acontecer, tudo é sonho e verdade. Tempo e espaço não existem. Sobre a frágil base da realidade, a imaginação tece sua teia e desenha novas formas, novos destinos. - STRINDBERG Volta logo. Bj
Marcelo F. |

Admirável Gerald, você é realmente um grande artista!! Só alguém com a alma elevada sobre a massa cinzenta da humanidade é capaz de ser um nowhere tão atento e zeloso a tudo! bjs
ana carolina |

Daqui de Marte tbm perdi minha certidão de nascimento, o "Mau" não sabe se vai ou fica, ou some, ou renasce. Ou padece.
Mau | | http://maulsoleu.blogspot.com | 26/03/2008 23:39

Carlos (US) por email POR QUE O SISTEMA AINDA ESTA FALHANDO PRA ALGUNS
Eu não conhecia esse documentário Ilha das Flores. Minha pergunta é: após 20 anos, o que aconteceu com a Ilha das Flores? A tragédia que é aquilo acabou ou as pessoas continuam indo lá comer o resto do resto??? Hoje saí de um seminário onde falava-se sobre arte contemporânea. Aquele famoso papo, um pessoal mais analítico, os "filósofos" da turma e seus narizinhos empinados, a discussão sobre complexidade...ou seja essa coisa sobre a tal da arte. Agora vejo esse vídeo com pessoas fazendo fila pra ir comer lixo. Não dá pra não se sentir culpado. E se eu abrir as notícias agora, vou certamente ver uma matéria sobre cirurgia plástica no Brasil, país com mais cirurgias plásticas no mundo. Não dá pra não se sentir parte de uma época onde estamos totalmente perdidos e totalmente
culpados. Então a gente vem e escreve, ou a gente vai e cria e discute, nós os privilegiados. Não há sentido algum. É vaidade.
(Carlos US)

de Marina Salomon
Nessa interessantíssima entrevista da Nancy Huston ela sugere que os filósofos deveriam ao menos passar seis meses numa creche, cuidando de crianças. Quem sabe se fízessemos esse 'estágio' saberíamos o que fazer quando o telefone tocasse as três da manhã... talvez matássemos menos. talvez conseguíssemos entender o que de fato importa. quem sabe?
Marina S

[Sandra]
Será que há como não levar na alma a nossa história? De onde viemos, o que comíamos, bebíamos, vestíamos, a sonoridade da lingua que falávamos na nossa infância, o que representava para a nossa cultura perseverança, amizade, perdão, liberdade, mesmo que discordássemos de tudo que era considerado correto por todos a nossa volta? Mas viver em outros lugares, conhecer outras culturas, não nos torna ainda mais diferentes e únicos? Não dá para rotularmos alguém por sua origem, nem negar o que isso lhe acrescentou.

[Gustavo] [Gainesville. FL]
Não sou brasileiro, não sou estrangeiro, não sou de nenhum lugar, sou de lugar nenhum...

Sandra...
Vamp, espero que você esteja mais calmo, pois você é sempre muito intigente e brilhante. Mas vai aí um puxão de orelha: para que se estabeleça um debate, é necessário respeitar o adversário. Dizer: "O fato de se ver a questão daqui da Banânia, me possibilita ter uma visão MAIS IMPARCIAL do que vocês que vivem aí. Você, principalmente, Gerald, sendo artista, faz a análise utilizando-se de EMOÇÕES, DE PAIXÕES." não é argumento, é falta deles. É dizer: meus argumentos são melhores que os seus.
Sandra |

FINALMENTE o "MEU" (e somente MEU) Vamp reaparece
Com licença? Oi! Tudo bem? Sim, sou eu: Vamp. Pensaram que eu não viria? Nada, era só charminho... Aposto que nem sentiram minha falta, né seus reaças?! O Gerald não gosta mais de mim. A Sandra me deu um puxão de orelha. Carlos, o homen-bomba, sentiu-se culpado. Fábio, o plebeu sanguinário do buzão do Tietê, já estava comemorando. A Ana quase me conquistou. A Veléria finge que me ignora. E a vida segue... Posso seguir com vocês?
Vampiro de Curitiba

Do Gerald pro Vamp
So eu e vc sabemos, mas estou dancando um tango aqui sozinho em NY porque vc voltou!

As boas vindas da maravilhosa (a apoiadora) (aqui fora do BloG)
Oi Vamp! Que saudades!
Sandra

e mais
[Sandra]
"Creio no mundo como num malmequer,/ Porque o vejo. Mas não penso nele/ Porque pensar é não compreender.../ O Mundo não se fez para pensarmos nele/ (Pensar é estar doente dos olhos)/ Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo.../ Eu não tenho filosofia: tenho sentidos.../ Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,/ Mas porque a amo, e amo-a por isso,/ Porque quem ama nunca sabe o que ama/ Nem sabe por que ama, nem o que é amar.../ Amar é a eterna inocência,/ E a única inocência não pensar..." De Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa.

da Val pro Vamp
Bom, Vamp, já q vc pediu, lá vai: eu não te ignoro, eu morro de rir de suas não tão sutis ironias e esculachos! É bom te rever por aqui; ficava te imaginando lendo e rindo da presença da sua ausência he he Vc e a sua Polaca tão no meu imaginário, se bem q pensando bem no já já, sabe q não tinha feito imagem de vc? Sem essa de imagem vampiresca, nem de louro alto etc. Caraca! vc tá sem imagem, mas tem um olhar muito do danado, um olhar de ponteiro, sei lá. É isso aí, agora vamos brincar de roda. O engraçado é q fiquei pensando nisso agora: como a gente se imagina? Só sei como é o Gerald. O resto é fabulação pura, só q em pedaços, não vem ninguém inteiro! É muito louco como vejo vcs he he he bjim de aipim
Valéria

do Carlos pro Vamp
Vampiro: finalmente entendi como o Bush consegue te influenciar tanto. Aproveito esse clima de influências e te pergunto rapidamente: o "Homen(sic)-Bomba" vai se casar com a "Quenn"(sic) Elizabeth?? Dá-lhe Bush!!!!! Fazendo cordeirinhos e aluninhos mundo afora. À propósito, ele já deve estar de olhos em terras brasileiras, fique esperto! Já disse que quer ficar na mesma região onde Josef Mengele foi tão bem recebido. É que brasileiro é tão "bãozinho".
Carlos

poemas mandados pela Sandra (by request)
Gerald, um presente para você. Um presente que É você: DESENCANTO/ Eu faço versos como quem chora/ De desalento...de desencanto/ Fecha o meu livro, se por agora/ Não tens motivo nenhum de pranto./ Meu verso é sangue. Volúpia ardente.../ Tristeza esparsa... remorso vão.../ Dói-me nas veias. Amargo e quente,/ Cai, gota a gota, do coração./ E nestes versos de angústia rouca/ Assim dos lábios a vida corre,/ Deixando um acre sabor na boca. / -Eu faço versos como quem morre. (Manuel Bandeira)
Sandra

A Polaca vai morrer de ciumes
VALÉRIA, seja sincera, meu anjo. Eu estou no seu imaginário ou no seu coração? CARLOS, você não perdoa nada, né? JORGE, usar nomes próprios? E o que eu faço com o "Vampiro"? Ahh, deixa como tá, tá bom! SANDRA, dá próxima vez, no lugar de um puxão na minha orelha, experimente dar uma mordida, bem devagarzinho, tá? Todos os leitores, principalmente os do sexo feminino: Beijo na nuca! E aí, arrepiou?
O Vampiro de Curitiba

Carlos (US) frustrado
Poxa Vampiro, de fato fiz o que pude pra te provocar. Mas você parece estar numa fase mais zen. Dessa maneira você é de fato menos o temível Nosferatu do Murnau e mais o conde Von Krolock do maravilhoso "A Dança dos Vampiros" do Polanski...meu deus como eu AINDA me divirto com esse filme, depois de tantos anos...
Carlos

Valeria, aquela que...
Vamp Vamp, já vi q vc gosta de provocar... a Polaca... Bom, talvez meu imaginário fique no coração! Nem sei se a minha consciência fica dentro ou fora forinha de mim; vc escolhe, ok?
Carlos, tô sentindo falta dum parceiro blogueador, o Contrera. Gostava de ver vcs dois juntos mas ñ me entenda mal...E vc e o Vamp sei ñ, tô aki atrás do arbushto só vendo.
Jorge, o meu nome de família era tão forte q ele era + do q eu, então mudei, e aos poucos começaram a me chamar pelo 1º nome de novo, ufa! Mas confesso q estranhei a tal valeridade, hoje já gosto; então a gente é q tem q gostar do nome, quem ouve é q recebe. Acho q tem a ver com sonoridade, sentir-se bem, identificar-se, curtir, zoar sei lá. Se entraram aki deste jeito, por que não continuar? Deixa o Mau ser mau, o Vamp não ser Peter Funk! É bão, e a gente somos muitos, com apelidos ou não! em 1890 o meu nome era Olga. Mais pra trás não me lembro mais rsss
inté da Valéria

VampZen
Pois é, Carlos! Eu sempre fico zen quando estou apaixonado... O pior é que eu fico muito brega. Todo mundo fica. Estava ouvindo "One", do U2, na voz de Johnny Cash. Fiquei emocionado de verdade... Ai, ai...
O Vampiro de Curitiba

do Carlos pra Valeria (ENVIO DE MENSAGEM AINDA COM PROBLEMAS PESSOAL DO UOL)
Parte 1:
Caramba VAMPIRO, essa coisa de apaixonado, zen, etc, isso aqui tá ficando tão quadrado quanto aquele programa "almoço com as
estrelas" que minha avó fazia questão de assistir enquanto a panela de pressão estava no fogo. Se tem um som que eu não suporto é panela de pressão cozinhando. Isso junto com a TV do "almoço nas estrelas" é um trauma insuperável. Enfim, curta o seu affair, claro. Pelo jeito nem Nosferatu nem o a Dança dos Vampiros você conhece! Só te cobro um pouco mais de conhecimento Vampírico, só isso. Claro que o Draculinha do Coppola você viu, né? Tem umas boas imagens, sem dúvida, entre elas o Tom Waits sendo atirado contra a parede várias vezes dentro da cela, mas no geral Hollywood é essa merda, estraga todos os seres de verdade, até os vampiros acabam virando apenas "mitinhos" com leite e sucrilhos.

Parte 2:
Pois é VALÉRIA, não sei do Contrera. Teria ele enlouquecido?? Puxo o tópico da loucura porque vi agora (e o Gerald deve saber) sobre essa peça sobre a Camille Claudel na famosa Curitiba. Coincidência que há algumas semanas eu falava da Isabelle Adjani aqui no blog. Falava porque ela fez a versão do Herzog do Nosferatu e fez a Camille Claudel depois. Que belo filme. Talvez o final mais triste de filme que existe...Pois então, vi que essa trupe está fazendo a trilogia da loucura: foi Van Gogh, agora é Camille Claudel e terá mais um. Talvez seja um tópico pro blog: a loucura. Tem muito "romantismo" em volta da coisa de loucura, mas ninguém fala muito do grave sofrimento pelo qual essas pessoas passam. A loucura da Camille era diferente de Van Gogh, com certeza. Mas enfim, como só tem maluco no blog, eis um tópico pertinente. Carlos (US)

[Valéria] [RJ]
É Peter Punk, né? E o q a gente faz vendo monge chorando? Não dever ser fácil morar na China ou ter os olhos dos ditadores sempre vigiando violentamente. Mas hoje tô olhando pra esta eterna temporada de caça em todos os setores. Salvem as focas bebês q terão suas peles... Isso é um horror, mas o pior é que o consumo se consumará. Bjim daquela que...

Mais Contrera (que bom!)
não temos lugar, gerald. nunca teremos. não me refiro a vc, eu, joyce, beckett, kafka. refiro-me a todos. por insegurança, teimamos em nos localizar. não temos lugar. simplesmente. carinhos contrera finalmente volto à web.
Contrera



  Escrito por Gerald Thomas às 21h31 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


quando o telefone tocar as 3 da manha...

NINGUEM TEM A EXPERIENCIA. EH JUSTAMENTE POR ISSO QUE AS GUERRAS ACONTECEM, BOMBAS EXPLODEM, CRIANCAS MORREM, INOCENTES VIRAM PRESUNTOS E TERRORISTAS CONTINUAM SOLTOS COMO no caso inexplicavel de Osama Bin Laden!
Gerald


da Valeria (no rio via EMAIL pois os comments estao com problemas)
Mas quando isto acontece, quando toca o telefone às 3 da manhã... ah qtas muitas experiências/previsões não foram ouvidas tb, nem experienciadas, qtas outras centenas ainda ñ foram pensadas, muitas milhares descartadas...o ponto anterior pode trazer um vislumbre ao posterior. É, tudo já tá em ação desde desde desde Dresden... e aquele si(g)no telefônico vai gerar conseqüências e seqüências q vão gerar muitas outras para muitos outros. E aqui estaremos nós entre cansaços, nervosismos, ruídos de esperanças, com ouvido tapado (ou inflamado) ou não, buscando pensar como e quem vai atender este telefonema e quando e pra quê. Sempre saltos e (im)possibilidades a nossa frente mas
Salve (sem querer escrevi slave antes!) o dia do teatro - 27 de março, dia de encontro de idéias, de pensar o mundo de outra maneira, com tensões e tesões.
Q ñ sejamos gansos.
A sua resposta foi um salve ao argumentar, Gerald, um salve ao encontro, gostei muito.
bjim

ATENCAO: SE VC MANDOU UM COMENTARIO, ASSIM COMO A VALERIA, E NAO CONSEGUIU, SORRY, O PROBLEMA NAO EH MEU: ESTOU NESSA DISCUSSAO O DIA INTEIRO COM O PESSOAL DO UOL QUE DIZ QUE ESTA OK MAS EU SEI QUE NAO ESTA!!! MIL DESCULPAS
GERALD


  Escrito por Gerald Thomas às 18h14 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Apesar de tudo, o Brasil precisa de teatro

São Paulo, quarta-feira, 26 de março de 2008



Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

CURITIBANAS

DESFALQUE 1
Gerald Thomas não vem. Pôs ponto final no imbróglio da passagem aérea que o traria de Nova York. A organização havia assumido problemas de "logística", que teriam impedido a apresentação de uma das duas peças do programa. Transferida para hoje, sua palestra também foi cancelada. A gota d'água, segundo o diretor: o festival queria que sua produtora arcasse com parte dos custos.

DESFALQUE 2
O diretor-geral do evento, Leandro Knopfholz, disse à Folha que não comenta mais o caso. Pediu que falasse com a produtora de Thomas, Fernanda Signorini. A reportagem deixou recado em seu celular, mas não conseguiu contato. Do prometido "Mundo de Gerald Thomas", Curitiba viu apenas "Terra em Trânsito".

agora meu desejo particular, por GT

E, mesmo com problemas, eu desejo TUDO DE BOM e DE MELHOR, ao pessoal que continua no Festival de Curitiba. Afinal, quantos festivais o Brasil tem? Que seja um sucesso, afinal, teatro - ou melhor, FAZER TEATRO hoje no Brasil eh um luxo.
Sucesso a todos. M.E.R.D.A. (que tudo corra bem, com toda sinceridade)

E mais - guardar rancor nao esta escrito em nenhum TESTAmento, em nenhum predio de Buckminster Fuller, ou de Norman Foster, que construiu a nova CUPULA do Reichstag em Berlin, sim aquele mesmo Parlamento em cujas escadas onde em.......(......) "Better said is the unsaid" - Foster constroi tambem o Samuel Beckett Theater.

Existe muita coisa no mundo com que se preocupar: o numero de VITIMAS desde que Bush invadiu o Iraque nesses 5 anos. OU A ECONOMIA!!! ESTAMOS NO PIOR BURACO DESDE DESDE DESDE DRESDEN !!! DESDE DRESDEN!!!!!

E como isso vai acabar. E colunistas brasileiros, cujos sobrenomes JUDEUS, ou JUDAICOS querem implicar com o middle name de Barack HUSSEIN Obama. Que triste piada. E se esses colunistas se transferissem no tunel do tempo e fossem la pro Reichstag em plena decada de 30 quando Hitler perseguia os seus .......E ai? Como seria essa coisa de pegar um nome ou um sobrenome? Sera que o sobrenome desses colunistas os levaria prum gas chamber? Ou - decadas depois, os CUbriria com um "sobretudo" e os colocaria em Checkpoint Charlie...ali perto ...onde tantos spies da Stasi, KGB, CIA e MI5 foram trocados......anos depois na Guerra Fria (nada Fria) (bem quente alias) (melhor que agora!!!)

VIVA O TEATRO! Um lugar de livre associacoes! David Mamet falou em brain dead liberals-e que ironia...o cara EH TAO FAMOSO MAS TAO TAO TAO FAMOSO QUE SOMENTE UM JORNAL GRATUITO AQUI PELAS RUAS (o Voice) o publicou (entrevistei o cara pra Folha em mil novecentos e bolinha...porque o cara nao publicou uma OpEd piece no Times? E agora? Quem esta Wagging the Dog, I mean, the tail? Ah esqueci. mamet eh excelente playwright, pessimo diretor. Parece Lynch mas esta longe de ser Lynch. Seu Speed the Plough precisa mesmo de direcao la em Londres no Old Vic porque o Kevin Spacey esta mesmo spaced out!

- "LIBERAL" aqui nos USA tem outro significado, assim como....como...como....(nada tem a ver com ESQUERDA) (tem a ver com the very principles of the Democratic Party and its Founder Members-Fathers-Mothers of Invention-Fuckers!) como alguem que nao mora aqui nao sabe E NAO SABERA JAMAIS!!! o que Barack Obama significa e nao sabe o que McCain significa E NAO SABERA JAMAIS PORQUE NAO CONVERSA COM O CARA DA ESQUINA PORQUE NAO CONVERSA COM O ATENDENTE DO BAR, O GREGO DO DINER GREGO, (nem sabem o que eh um diner grego!) NAO CONVERSA COM O MOTORISTA DE TAXI NEGRO DE NEW JERSEY QUE EH TENOR DE OPERA, NAO CONVERSA COM O CARA QUE TENTA A VIDA E CHEGOU DE NORTH CAROLINA FAZ DEZ ANOS E EH BRANCO MAS VOTA em OBAMA, e esse McCain, quando jura outros 100 anos de presenca no Iraque esta apelando para FATOS MANIPULADOS QUE A INDUSTRIA BELICA QUER OUVIR COM SEU DISCURSO ETERNO DE POW, OU SEJA DE VETERANO TORTURADO, OU SEJA, DE "Prisoner Of War" AND DISTINGUISHED MEMBER OF THE MILITARY SERVING THE LOCKHEED CORPORATION AND SO ON!!!!!

VIVA qualquer festival, seja onde for, porque celebra a ARTE e nao essa MERDA (sem pontilhacao) de POLITICA. Essa sim MATA seres humanos. MATA, MANIPULA, manipula informacao. Politica eh uma grande merda. Nao quero transformar meu teatro em politica. Nao quero transformar um caso de amadorismo em uma falha politica.
LOVE
Gerald Thomas

parabéns meus queridos:

[O Vampiro de Curitiba]
É isso aí, Gerald! Disse tudo. Apesar de todos os "percalços", valeu a pena, sim! Se formos ser bem racionais, só a Arte justifica a vida. O festival tá rolando e, mesmo com os problemas, ainda têm muitas peças legais para assistirmos. Viva o Teatro! O público curitibano (que também é vítima do descaso e da desorganização) agradece imensamente. Achei louvável sua atitude de não transformar em questão política o que é apenas incompetência de alguns (des)organizadores do festival. Papel de vítima não fica bem pra ninguém. Beijo e obrigado por tudo!

[Sandra]
Puxa, que texto... Quase choro, e nem sei porquê...Não sou a mesma desde que comecei a ler seu blog, Gerald. Não vejo filmes, não leio livros nem olho as coisas da mesma maneira.

do Vamp
Gerald, o Obama, pelo fato de ter o sobrenome que tem e também por sua cor, foi poupado por toda a imprensa mundial. É politicamente incorreto criticar os defensores de minorias. Enquanto ninguém o observava, ele ia muito bem, obrigado! Mas começou a crescer e a imprensa foi obrigada a prestar mais atenção em seus discursos. Descobriu-se aquilo que já sabíamos: É um político vazio e não muito preparado. É igual aos demais, isso sendo generoso com ele. O fato de se ver a questão daqui da Banânia, me possibilita ter uma visão mais imparcial do que vocês que vivem aí. Você, principalmente, Gerald, sendo artista, faz a análise utilizando-se de emoções, de paixões. E não deveria ser de outra forma. Eu, sendo um incorrigível racional, vejo que McCain já é o novo presidente dos EUA. Melhor assim. (Carlos, tente usar de argumentos dessa vez, sim?)
O Vampiro de Curitiba

Concordo que ninguém deveria ser marcado por um nome.
Sandra

Vamp: te convido a passar uma temporada aqui e conversar com as pessoas, os parentes (nao so dos mortos) mas das vitimas que nao encontram camas em hospitais dos Veteranos e essa administracao nao tem mais DINHEIRO pra traze-los em avioes militares. Muitos tem que PAGAR sua prorpia passagem de volta em voos normais, da Alemanha, por exemplo. Que vc me diz disso? Estou exausto de debater esse tema e quem decide somos nos os eleitores e mais, o Carlos nao se manifestou e isso esta ficando longo e politico (coisa que nao queria): mas 4 mil mortos militares, centenas de civis!
--"Quando o telefone tocar as 3 da manha na Casa Branca, o fato eh que NINGUEM estara preparado" e por isso sempre da MERDA e as guerras ESTOURAM!!!. Sera que ninguem entende isso? Nao ha bom nem ruim!!!! Nem Mal nem Bem, nem Terra nem Ceu nem Branco nem preto nem GT ou TGV e ta tarde. tchau! o trem se foi - Gerald

Marcelo Frankel
. Mas o que eu quero dizer na realidade é exatamente que quem faz arte, quem está exposto publicamente, sempre terá um papel político. Arte é política, também. Marcia X fazia política. Já Marisa Monte faz entretenimento. Fassbinder fazia politica. Já Charles Manson talvez seja um entretenimento, ou não. Não sei. Talvez uma doença. Talvez um anarquista. Político ou mero entretenimento. Depende da ótica que vemos charles manson. Nem sei porque citei charles Manson. Enfim... Relaciono arte ao amor. Walt Whitman é amor. E também relaciono Politica ao amor.
Marcelo F.
(Rio)

reposta do Carlos pro Vampiro
12:25 aqui...não consegui comentar antes, mas agora que entro vejo essa mensagem do Gerald e mais abaixo...o Vampiro de Curitiba dizendo que McCain já é o novo presidente. Eu também disse que o McCain seria o novo presidente. Mas disse isso diante de um grande pessimismo com o que via. Ao contrário do Vampiro, eu não disse que ele seria o presidente porque eu achava ele o melhor, mas sim por ser o pior. E dessa forma seguiria nessa NOJENTA tradição iniciada em 2000 aqui nos EUA:votar no mais putrefato, no mais retardado, no mais criminoso e imbecil. Agora o Vampiro me pede argumentos. Os argumentos, meu caro, apesar de você já ter demonstrado inúmeras vezes que pouco se importa com a guerra do Iraque, é que o número de inocentes mortos passa da casa das centenas de milhares. E o número de soldados americanos mortos chegou essa semana nos 4 mil. Não vou entrar no mérito econômico dessa guerra covarde. Ou as gerações futuras de americanos vão pagar a
conta, ou algum outro país vai.
Carlos (US)

problemas com envio de mensagens
Eu escrevi ontem a segunda réplica pro SÉRGIO.... E NÃO ENTROU DE NOVO!!!Está acontecendo alguma coisa no envio de MENSAGENS???ALGUÉM TEVE ESTE PROBLEMA TAMBÉM???
fabio |
Fabio: recebi nao sei quantos emails aqui dizendo a mesma coisa; so passa um ou outro: Problemas de mecanica ou algo assim. Nao sei. Ja passei pro pesoal do UOL.

da Gloriosa:
Gerald, Estou emocionada pelo texto-desabafo que acabo de ler.Vc conseguiu resgatar a importância da arte, sonhos e ideais num mundo empobrecido por preconceitos e sentimentos menores que limitam a liberdade de expressão.
Maria Fernanda Sanchez |

do Vamp
[O Vampiro de Curitiba] 
Tá bom... tá bom... Não existe Bem nem Mal, direita nem esquerda, não existem lunáticos terroristas querendo explodir o mundo em nome de Alah, não existem ditaduras na África, na América Latina, e muito menos no Oriente. É tudo fantasia de Bush e de alguns "neocons" "putrefatos" e "retardados". Vamos retirar todos os soldados americanos do Iraque e glorificar o congraçamento de curdos, xiítas, sunitas, palestinos e israelenses. A realidade não existe! Só existe o mundo perfeito e encantado de Gerald Thomas e seus amiguinhos "mais antigos". Tchau


do Gerald pro Vamp (segunda tebtativa, a primeira nao entrou)
Querido, vamos com calma! Ditaduras na Africa com Darfur, Congo, Zimbabwe de Mugabe ou em Cuba - OBVIO que existem. Existem ditaduras disfarcadas de nao ditaduras onde a lei de sharia exige que a mulher se cubra toda e sirva o homem, e existem os hassidicos judeus que vivem como pinguins na terra ocupada e prometida mas vendem diamantes na Antwerpia e aqui na rua 47 mas nao se misturam, vivendo seu isolamento em Williamsburg, Brooklyn..... Terrorismo eh a forma MAIS ABOMINAVEL e eu a REPUDIO em Terra em Transito: ou vc viu ou nao viu quando a Fabi fala "onde estamos? em 11 de setembro? Na estacao de King's Cross em Londres? Na estacao de trem em Madrid? Ou em naquele hotel em Aman na Jordania ou no no dia a dia de Baghdad?"
O que estamos discutindo aqui? Meu "mundo encantado, Vamp?" pelo amor de deus! O Tchau de ontem veio depois de um dia frustrante a angustiado com tanto telefonema, tanta confusao! Nao era dirigido a vc. Mas voltando ao assunto, ninguem coloca palavras na minha boca: ninguem aqui nos USA eh retardado, putrafato. Nunca escrevi isso. Aqui a politica eh inteligentissima. Mas como expicar a PIOR CRISE economica, Vamp? Como explicar que a CHINA esta comprando parte de nosso foreign debt? Se formos falar em corrupcao (e eh sempre um bom tema) isso eh assunto pras colonias ou ex-colonias (Brasil eh um bom exemplo onde ninguem eh punido nessa bandalheira!) Mas e o Paquistao? Quem matou a Benazir? E o pai dela? Onde comeca essa discussao? Com Churchill? Com Truman? Com Delano Roosevelt? Ou com Marco Polo e as expeditions> Bom o livro do Boorman, os Descobridores, simples mas um bloco sucinto. Tem Os Navegadores, os Remadores, os Nadadores, os Tudadores (da era Tudor) os SeiLaDores!!!, Nao importa/ ramificacoes da British Commonwealth e seus problemas!!!. Vai ter terrorista pra todo lado e isso eh horrivel SIM. Mundo encantado o meu? NUNCA AFIRMEI QUE NOSSOS PROBLEMAS AQUI COMECAM OU TERMINAM COM BUSH Pelo amor de Santo Cristo da Prefeitura de Santa Catarina! Bush eh MINUSCULO dentro de tudo isso! Minusculo!!!! Tudo isso comecou na gurra Civil, pode ser? ou quando os FOUNDING FATHERS ecrevera, a CONSTITUTION? Ou quando o Juiz da Suprema Corte Clarence Thomas (nao, nao somos parentes) passou a mao na bunda daquela menina....esqueci o nome! Vc nao viu terra em transito, onde a cantora,Fabi, trancada num camarim, enfiava goela abaixo de um Swann in Love (Proust) (ou o cisne de Loengrin de Wagner) esperando a sua hora de entrar no palco e cantar a sua aria em Tristan und Isolde, o "Liebestod", onde o "amor encontra a morte e a morte encontra o amor".
LOVE
Gerald

 



  Escrito por Gerald Thomas às 23h07 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


da Folha Online

24/03/2008 - 20h07

Revoltado, Gerald Thomas diz que não vai mais a Curitiba e critica organização do evento

MIGUEL ARCANJO PRADO
enviado especial da Folha Online a Curitiba

O diretor Gerald Thomas criticou o Festival de Curitiba em seu blog, no começo da noite desta segunda-feira (24). Ele reclamou da demora da organização do evento para informá-lo da compra das passagens de avião, que iriam levá-lo de Nova York à capital paranaense. Segundo ele, a compra dos bilhetes não foi feita.

Os organizadores do festival, depois de dias e dias e dias prometendo passagem finalmente me disseram --às 5h (6h no horário de Brasília) a passagem esta emitida!!!'. Pronto. Relaxei", publicou. De acordo com Thomas, momentos depois, teve uma triste surpresa.

O diretor contou em detalhes como foi a confusão com a organização do evento: "Antes tivesse sido o caso. Ligaram pra minha produtora. A saga ainda continuava. Nenhuma emissão de bilhete/passagem, já que eu entrava nos e-mails o tempo todo, gastava ligação internacional e skype o tempo todo. Nada. Não há passagem alguma. Não há palestra alguma. Pena. Depois da promessa, existe a tristeza. Muita. Gostaria de ter ido. Visto e ter falado com a platéia. Sensação de deixa pra lá", finalizou.

A Folha Online procurou a assessoria do evento, mas não havia assessores na sala de imprensa. Estamos tentando falar com a organização do festival sobre o caso.

O repórter viajou a convite do Festival de Curitiba.

PS DO GERALD: Mandei uma mensagem de BOA SORTE (ou M.E.R.D.A. pro pessoal do SATYROS (Ivam, Alberto, Rodolfo e Norma, etc) pro espetaculo de hoje: deixei mensagem no Terras de Cabral e no Cacilda no Nelson de Sa. Espero que o projetor tenha funcionado. Apesar de tudo fiquei nervoso e estou na torcida, esperando realmente que tudo tenha dado certo: LOVE Gerald



  Escrito por Gerald Thomas às 22h07 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


PALESTRA EM CURITIBA DEFINITIVAMENTE CANCELADA

os organizadores do Festival, depois de dias e dias e dias prometendo passagem finalmente me disseram - as 5pm horário de NY 6pm do Brasil "a passagem esta emitida!!!". Pronto. Relaxei.

Antes tivesse sido o caso. Ligaram pra minha produtora. A saga ainda continuava. Nenhuma emissão de bilhete/passagem, já que eu entrava nos emails o tempo todo, gastava ligação internacional e skype o tempo todo. Nada. Não há passagem alguma. Não há palestra alguma. Pena. Depois da promessa existe a tristeza. Muita. Gostaria de ter ido. Visto e ter falado com a platéia.
Sensação de.....
deixa pra lá.
Gerald
THE END


  Escrito por Gerald Thomas às 18h22 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Detalhe: o repórter do JB não sabe que Rainha Mentira e Queen Liar são a mesma Peça!

CURITIBA - Um dos nomes mais incensados - e polêmicos - do teatro brasileiro, o diretor e dramaturgo Gerald Thomas apresentaria três espetáculos na edição de 2008 do Festival de Curitiba. A utilização do verbo no passado já mostra que, no meio do caminho, houveram alguns percalços - Gerald não chegaria de Nova Yorque a tempo de se apresentar com as peças "Rainha Mentira e Queen Liar", de sua Cia. Ópera Seca - restando apenas o espetáculo "Terra em Trânsito" como representante de sua obra.

Estrelado por Fabiana Gugli e Pancho Capelleti, que na peça interpreta um cisne que será transformado em foie gras, a história narra o drama vivido por uma cantora de ópera que, trancada em seu camarim pouco antes da apresentação, ouve no rádio o jornalista Paulo Francis, que faz um discurso racista, chegando até mesmo a elogiar os nazistas pelo extermínio dos judeus. À partir daí, a personagem de Fabiana vai, aos poucos, enlouquecendo.

O texto de "Terra em Trânsito", que faz parte da tetralogia "Asfaltaram a Terra" é atual, já que a personagem de Fabiana, que contracena com um cisne durante os 45 minutos do espetáculo, discorre sobre diversos temas, como guerras, desastres naturais, acontecimentos históricos, tudo com uma carga dramática recheada de passagens bem humoradas.

Fabiana Gugli, que já trabalha com o diretor há oito anos e defende o texto com vigor e carga dramática impressionantes, revelou que é sempre um prazer encenar um texto de
Gerald Thomas.

- É uma peça difícil, porque vai do drama ao humor de maneira rápida. Mas é, ao mesmo tempo, apaixonante.

O texto, segundo a atriz, foi escrito para ela pelo próprio Gerald Thomas, já tendo sido encenada em inglês e espanhol. Para isso, segundo Fabiana, muita coisa teve que ser modificada, para que fizesse sentido em outros países, como Argentina e Espanha.

- Por ser muito atual, a peça muda o tempo todo. E exige uma entrega completa do ator.

Já tendo atuado em 13 peças do diretor, Fabiana diz que se identifica muito com o trabalho de Gerald, que chega a dirigir seus atores em cena, modificando ou acertando algumas coisas no momento da apresentação.

Outro ponto positivo do espetáculo é a iluminação, do próprio Gerald Thomas, que realça os momentos mais dramáticos da peça, levando a platéia a vivenciar de forma mais intensa as reações despertadas pelo texto e pelas interpretações no palco.

Ao final, a sensação que fica é que durou pouco, tamanho o talento da dupla. Uma pena não poder conferi-la nos espetáculos que foram cancelados.

O Festival de Curitiba segue até o próximo dia 30.

 


do Vamp
O Vampiro de Curitiba]
Gerald, deixa de ser chato! Não gostar de tropicalistas não é racismo, é bom gosto, he, he... E, fora o detalhe do repórter não saber que "Quenn Liar" é o mesmo que "Rainha Mentira", a reportagem foi até bem favorável.
Vampiro de Curitiba

da Valeria
[Valéria] [RJ]
Enquanto o Gerald tava trancado em NY, sua peça falava de uma artista trancada no camarim; estas trancas e tranças da vida... E esta do título é tristerrível, mostra a quantas anda o investimento em arte q se faz nos jornais... Gente no mínimo mais perspicaz é quase certo q há por aí; claro q todos podem comer moscas, eu mesmo comi há pouco, mas não num título, neste diálogo! Caramba! O pouco q vi no youtube da Fabiana é de impressionar, e o foco do patê de fígado é de tirar o chapéu. Pensando nisso eu me sinto um ganso q é massacrado por tanto consumo q me é empurrado goela abaixo para q eu vire um produto, essa massa, esse patê cultural. Olha Gerald, ñ sei se vc pensa em publicar o texto q muda sempre, mas q eu gostaria muito de lê-lo, isso eu não posso negar. Sandra, a gente tem q repensar esta história de a parte de baixo ser uma coisa pra lá de baixa, né? he he he Vamos aos paradigmas do XXI, se existem, se não, a gente tenta reinventar Bjim
Val

do Ivam Cabral (Satyros)
Gerald, querido, tudo certo? Estamos em Curitiba, no Festival. É que andei ouvindo umas coisas por aqui que quis te contar. Primeiro, é unânime os elogios para "Terra em Trânsito". Segundo, ouvi um diálogo que me emocionou. Estava no Memorial de Curitiba, o QG do Festival, e ouvi uma senhora comentando com uma outra: "Ora, Festival de Teatro sem Gerald Thomas não é Festival de Teatro". Ao que a outra respndeu: "Mas ele não veio". "Veio a sua obra e isso já é o bastante", finalizou a primeira. Achei que você gostaria de saber dessa história. Amor,Ivam

PS: Um enorme beijo Ivam: obrigadissimo e sucesso ai meus queridos!!!



  Escrito por Gerald Thomas às 12h41 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


OBRIGADO CURITIBA !

Obrigado Festival, Publico, etc. O elenco agradece ate a receptiva, guia, etc. Muito legal tudo! Muitissimo obrigado em ome da cia de opera seca!

O VAMP VOLTOU, viu o espetaculo pela segunda vez, sentou na primeira fila e ainda fez elogios maiores! Morram de inveja
Isso tudo esta no post abaixo. Mas o Carlos nao se conforma! e provoca:

"Coelhinho de Curitiba: o Gerald só dá atenção pra você agora e ainda briga comigo. O pessoal da antiga está esquecido, ficamos no rodapé do blog, ali embaixo, onde a tela nem chega mais e começa a carcaça do computador. Mas estou feliz por você. Só lamento pela polaca que pelo jeito não teve a opinião dela considerada relevante por você. Você falou, falou, falou, mas poderia ter dito coisa do tipo:"a minha polaca adorou também". Mas não, pelo jeito ela teve que ir mais pra aplaudir a você do que a peça, né Coelhinho? Enfim, se as mulheres não perceberam nada disso no blog, não sou eu quem vai comentar, certo? Portanto não comentei, apaga o que eu escrevi...isso, pega a borracha...passa agora na tela...passa...passa...
Carlos (US)"

PS do GT: sou democratico aqui e republicar (republicar? de republica? pombas, coube democracia e republica nesse curto espaco de linhas...) um comment do Vamp: o que eu quero mesmo eh reunir todos os comentaristas desse blog num grande "feast" de confraternizacao. Um dia, Quem sabe? LOVE GT

do...
[O Vampiro de Curitiba]
Fiquei tão chocado com a beleza e o talento da Fabiana, atriz principal, que esquecí de comentar sobre o Pancho. Ele conseguiu o milagre de , mesmo sem aparecer, criar alguns dos momentos mais hilários da peça.


PS: quem tem um Vamp assim , dispensa qualquer tipo de "critico profissional" (porque quando ele quer ser, ele sabe ser!!!!) GT

do Mau Fonseca (lindo o blog dele)
Carlos eu sou da antiga...somos da antiga - e hj recebi uma visita surpresa no meu blog de Gerald, com elogios - fiquei super contente. Abraços a todos
Mau | http://maulsoleu.blogspot.com | SP |

_____________________________________________________________________________________
 
Da Folha de S Paulo de Segunda feira (ilustrada, obvio)

CURITIBANAS

SEM DIREÇÃO
Um problema de "logística", conforme divulgou a coordenação do festival, impediu que o diretor Gerald Thomas viajasse de Nova York a tempo de participar, na sexta-feira passada, de um encontro no segmento "Usina de Idéias". Pior: a dobradinha de espetáculos "Rainha Mentira" e "Terra em Trânsito", que seria apresentada no sábado e ontem, foi reduzida apenas à segunda. Sem Thomas na coxia, interagindo com os atores, "Rainha Mentira" não acontece. O diretor só chega na quarta-feira e, aí sim, conversa com o público.

_____________________________________________________________________________________
 
PS: nao sei quem redigiu esse texto, mas "logistica" entre aspas, provoca risos, ironia e desconfianca de que a versao apresentada pelo Festival nao seja a verdadeira!!O fato eh que ELES NAO COMPRARAM MINHA PASSAGEM, ENTENDEM,ISSO SRS REPÓRTERES????? ALÉM DO MAIS, NÃO HAVIA URDIMENTO SUFICIENTEMENTE ALTO (se eh que repórter sabe o que eh isso) pra comportar Rainha Mentira, apesar do que nos foi dito que havia altura sim!!!!! Escrevo na madrugada de domingo pra segunda e, ate agora, AINDA nao tenho passagem na mao.
Como REPÓRTERES, chequem melhor suas fontes!!! UFA!
Gerald


  Escrito por Gerald Thomas às 01h30 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


critica/comentario do Vampiro depois do espetaculo

Pessoal, acabei de chegar da peça "Terra em Trânsito". Ainda sem fôlego. Cabeça a mil! Difícil articular o pensamento. Muito caos. Sobre o texto da peça não sou eu quem irá tentar delimitar aquilo que não tem limites. Posso falar apenas das emoções. Não, também não posso. Sensações inefáveis. Sei lá: Êxtase? Sublime? Rebatamento? Tudo isso e algo a mais. Algo que me faz sentir uma pessoa melhor, maior. Faz lembrar que estou vivo, e é bom estar vivo, muito bom. Esse algo só pode ser ARTE. Pura arte. Ideologia não me emociona. Arte sim! Ufa! Por outro lado, me faz sentir pequeno. Sou muito pequeno diante de tanto talento, tanto brilho. Não sou nada! Mas o Gerald é o cara! Esquecemos, nós leitores do blog, que essa pessoa generosa, que lê o que escrevemos, que comenta nossos comentários, que essa pessoa é um gênio. Fabiana, belíssima, talentosíssima, maravilhosa. Impossível não se emocionar. A minha polaca ficou meio sem jeito, não é fácil estar ao lado de um alemão de 1,90m aos prantos.
O Vampiro de Curitiba

Obrigado querido
eh so o que tenho a dizer!
(detalhe: fiquei feito um louco no telefone com a minha produtora perguntando se ele, o Vamp, ja tinha pegado seus ingressos. A resposta dela era nao. Eu pedia pra ela segurar a plateia mais uns minutos. Eu aqui em NY aflito! Ele nao pegou os convites! Pagou! Ai ai ai, esse Vamp, alem de me emocionar tambem, ainda paga ingresso!!!!!
GT


Do Sergio Penteado
Vampirão, Quando a gente aqui em São Paulo teve a honra de receber Gerald e Gran Circus em agosto do ano passado, senti exatamente o mesmo que você descreve. Fazer a crítica literal do espetáculo pode parecer redundante, o que conta é o que sentimos quando assistimos. É pena que o teatro aí não tenha tido condições técnicas de comportar "Rainha Mentira", que aqui veio na segunda parte (consulte o histórico do blog para o mês de agosto de 2007, lá tem muita coisa escrita); aí sim é que você iria a nocaute ! Esses espetáculos são montados e levados na raça e na paixão, é muito importante dizer que, ao contrário do que pensam alguns, a Ópera Seca não vive de incentivos do governo, e batalha com muita dificuldade para tentar levar essas apresentações para nós. O Gerald é um batalhador, sua equipe é admirável...bom, não vou ser redundante. Muito obrigado pelo comentário !
Sérgio 

Thanks Sergio, mesmo! Foi uma temporada comovente aquela no Sesc Consolacao (ou Anchieta): pra quem nao quizer ir nos comentarios, va ao www.geraldthomas.com porque tem muita materia la!

Ar condicionado ao maximo
Lembro ano passado - o teatro do SESC tava um friooo danado, o ar tava germanico - qdo começou a peça Rainha Mentira, pensei - será que o diretor, Gerald, mandou por esse AR a toda, pra nos fazer pensar estarmos na Alemanha de Hitler...(eu tava sem agasalho) tremi mas assisti até o fim e saí meio que "despedaçado". Abs
Mau Fonseca



OBRIGADO CURITIBA; Eu + Elenco AGRADECEM !!!!!

O Vamp voltou e falou tambem (bem) do Panchito!
[O Vampiro de Curitiba]
Fiquei tão chocado com a beleza e o talento da Fabiana, atriz principal, que esquecí de comentar sobre o Pancho. Ele conseguiu o milagre de , mesmo sem aparecer, criar alguns dos momentos mais hilários da peça.
PS do Gerald: esse comentario eh de ontem. Mas nao pude registrar que o nosso Vamp voltou e sentou na 1 fila!



  Escrito por Gerald Thomas às 00h04 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Gerald em Curitiba, SIM!

Gerald Thomas volta a participar do Festival de Curitiba

21/03/2008 - 17h42

MIGUEL ARCANJO PRADO
enviado especial da Folha Online a Curitiba

Após ter sua participação cancelada no Festival de Curitiba no começo da tarde de hoje (21), o diretor Gerald Thomas voltará participar do evento. A assessoria do festival informou que foi conseguida uma passagem para que o artista vá à capital paranaense.

Marcio Pilot/Divulgação

A palestra diretor Gerald Thomas e remarcada para 26 de março

A palestra "Gerald Thomas e Seu Teatro", prevista para acontecer hoje (21), foi remarcada para 26 de março às 16h, no auditório pequeno da Universidade Positivo (R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300, Curitiba)

Continua cancelada a apresentação da peça "Rainha Mentira", de Gerald Thomas. Apenas está mantida para amanhã, domingo a apresentação de "Terra em Trânsito", também do diretor, às 20h30, no Unicenp, em Curitiba. No espetáculo, a atriz Fabiana Guigli interage com um cisne. Ainda há ingressos à venda. Durante a encenação, Guigli ouve um discurso do jornalista Paulo Francis (1930-1997), enquanto sua personagem enlouquece aos poucos. A grande surpresa do espetáculo é o que está guardado dentro do armário do quarto da personagem.

O repórter viajou a convite do Festival de Curitiba.



  Escrito por Ana às 22h51 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Fico com os Tablóides!



 


F de F*...

New York – Uri Caine é um dos muscisistas mais interessantes da nossa época. Não é compositor, é um recriador. Pega Wagner, Mahler e distorce, pinta e borda. Vai ao Rio e grava no Arpoador um samba pra valer e toca seu piano. A edição alema Winter&Winter publica suas extravagâncias geniais. Mas quem as compra? Eu... e quem mais?

Quem compra arte? Quem se interessa? Quem se interessa pelo conteúdo de alguma coisa de verdade? E em qual verdade devemos acreditar? Repito, time and time again, que meu conceito de direita e esquerda caiu com a queda do Muro de Berlim em 1989. Caiu de novo tantas vezes quantas foram as decepções em constatar que luxuosos ideais e ideologias se estilhaçaram como porcelana (não, não vou dizer chinesa no meio dessa crise do Tibet), quando Curt Cobain meteu uma bala na boca. Bandas “sonhos inacabados” foram “apressadamente acabadas por agentes de imprensa, digo, press agents”. Não, muito antes disso, com o Lennon na cama em Toronto. Não, antes disso, antes d’eu nascer quando Nietzsche emigrou pra Zaratustra. Não…antes disso.

Uri Caine agora toca – num ritmo lento e retorcido, como se fosse uma tela de Francis Bacon musicalizada, o prelúdio de Tanhauser de Wagner e me leva as lágrimas. Quem não vai às lágrimas com Wagner?

Gabeira foi brilhante ao dar o troco para alguém dizendo que “Nosso problema no momento é a relação do mosquito com seres humanos". Dengue no Rio. Lágrimas.

Quem não vai às lágrimas com o que acontece no mundo todos os dias? Como se abster? Como não se abster? É como uma droga, uma droga pesada. Tem que se saber de tudo, do impacto que o reverendo tal teve sobre a campanha do Obama. O que a Hillary está planejando para hoje em sua campanha. E o McCain? E o Tibet? E o Oriente Medio? E o Brasil? E não sei aonde?

Fico com os tablóides! Pronto. Encontrei a fórmula para a medicina sem receita. Vida simples. Afinal, viver de coisas pesadas, conceitos difíceis, ideologias e iconoclastias, desconstrutisvismos….chega! Ninguém precisa disso, não é mesmo?

Agora, é com os tablóides. Vejam só: “Oprah Winfrey chegou aos 123 kilos!!!”, ou na revista STAR “Triângulo amoroso entre Jen e Kate e Owen (não sei quem são, mas está otimo!). Ou na revista IN TOUCH:” É um menino..e uma menina! Finalmente Brad e Angelina vão falar sobre os gêmeos!” (puxa que alivio!!! Eu não aguentava mais esse silêncio).

Num outro tablóide: “Como fui esfaqueada pelas costas" (uma tal de Lauren Conrad conta com exclusividade). Não tenho idéia de quem seja a Lauren mas agora vou ler a coitada esfaqueda! Afinal, não é todo dia que se lê sobre um mutildado que fala!

“Novas fotos da Spitzer call girl”. Opa! Aqui em NY ainda não tivemos a dose suficiente dessa menina. Queremos mais. Mais e mais!!!!! E no tablóide “OK”, tem a “Jen” de “Friends” revelando sua “Dieta Mágica" com uma legenda fabulosa: “de volta ao corpo ao qual Brad não resistirá!”

E, finalmente, no TOUCH a corrosiva porém importantíssima Britney Spears com seus "segredos mais dark!!! Não, essa eu não posso perder. Todos esses assuntos e eu aqui embaixo na fila... pra comprar umas águas minerais!

Então, tchau mundo. Tchau economia, problemas de 5 anos de invasão ilegal do Iraque, tchau corrupção generalizada, tchau mortalidade de crianças e de adultos em tudo que é lugar e tchau para a pior crise econômica que nos avassala desde…..Esquece! Que Dalai Lama o quê! Já está na lama mesmo. Está no sobrenome! Que trilhão de dólares de dívida o quê! Que Bush o quê! Arbusto, a última vez que chequei com amigos brasileiros que ficaram de me mandar uma passagem.

Vou ficar aqui me deliciando com as fofocas dessa Britney e da Oprah, ó Oprah, que vive no meu coração obeso de saúde e saudade. Afinal, o que é mesmo o que eu dizia? Ah sim, escândalo por escândalo, prefiro a sátira de Orson Welles, o “F for Fake”, sobre forjadores, imitadores, em Ibiza, de... sei lá quando, décadas atrás. Cada cena é uma pérola e Welles já cantava a bola: Fake é eufemismo pra fuck ou funk ou, se preferirem, fun. Let’s have great fun! Afinal, a vida é um circo ou um ciclo ou não é?
Gerald Thomas
diretodaredacao.com


[Tales]
Tá difícil engolir sua última fase mais amarga, Gerald. A vida é um circo? A vida é uma mentira? Sim, do ponto de vista, existencial mesmo todos acabaremos no nada - q era o desejo q Artaud tinha de conhecer, mas os seres humanos tentam superar o devir ao darem Sentido com a arte, por exemplo.Pra mim, essa é a idéia do Sétimo Selo de Bergman, q no final só a Arte pode transcender e vencer a Morte, q infelizmente o cavaleiro medieval, preso a seus temores, mitos e sua vida prosaica, perde.

Eh Tales: ta foda! mas fazer o que? "Esse eh um espetaculo Rabelaisiano. Temos que rir" (Nowhere Man, meu mesmo, 1996) Ta foda! LOVE GT


da Lu
As vezes eu paro nesse sonho de arte eternidade, acho que muitos aqui compartilham desse sentimento... Tantos sao aqueles que prolongam suas existencias pos-morte atraves da arte, ou de alguma outra forma... E isso da realmente uma ideia de eternidade... Mas ai eu deparo com esse "quase ninguem" do G que eh tao comum e real, que todas as eternidades em que acredito ficam com os dias contados e eu acabo abracando a ideia de outro cineasta, o Gaspar Noe de Irreversible: "Le temps detruit tout!" E assim, qualquer vestigio, de alguem, algum dia e esquecido, desaparece.


do Sergio Penteado
Aaaaah, Gerry ! Não menosprezemos o valor dos tablóides, eles são uma forma de arte, menos na acepção culta do termo, mais no sentido jocoso do esforço bem sucedido que fazem de nos entreter. Tudo, absolutamente tudo que lemos em jornais, revistas, internet, ou assistimos nos noticiários de TV, é passível de desconfiança, de ser minuciosamente investigado, analisado, prospectado, reduzido, desmentido. No final de tudo o que fica mesmo é o nosso arremedo , ou o que supomos ser,de inteligência,de senso crítico e de capacidade de raciocínio. Você diz que NADA PROVA NADA,e não prova mesmo. Nós somos seres contemplativos diante de um monitor, dedilhando fragmentos de informação,previamente originados por outros milhões de fragmentos de informação elaborados por pessoas que beberam da mesma fonte...enfim, querer penetrar profundamente no âmago dos mistérios do mundo e da história e de todas as vertentes de filosofia do mundo é o equivalente a uma viagem de ácido sem volta.TABLOIDS SO !


sobre o maravilhoso Gabeira, do Marcelo
GABEIRA foi realmente brilhante na resposta ao senador Crivella! “Nosso problema no momento é a relação do mosquito com seres humanos". É de chorar. É de gritar. Lula apoiará Crivella na candidatura para prefeito do Rio de Janeiro. E isso também me faz chorar. O nascimento da tragédia ( do primeiro livro de nietzche ) ... Choramos com wagner. E choramos pela tragédia : "nada será como antes". Pessimismo e Helenismo. Lula apoia Crivella. Sem mais. Choro e chuva aqui no rio.
Marcelo Frankel


eh Valeria, depois do negocio la do Manhattan ConneX o Contrera me abandonou!


da Valéria
Maravilhoso, irônico e cruel o seu texto, G. É assim q muitos se sentem, eu tb, qdo vêem pessoas lendo estas notícias de umbigo. Tiro férias de mim e fico me perplexando c/ o mundo mas me pergunto pra q leio e me arraso c/ tudo isso q leio? É tão melhor ñ olhar, colocar debaixo do tapete onde todo o sofrimento humano realmente tá. Ia me fazer bem? Não, pq ia me dar + náusea ainda! E este papo de Arte ser eterna: só é se as pessoas amarem tal artista etc; um vai passando pro outro, se ñ vai pra debaixo do tapete tb! Morre tb! Qtos artistas ñ renasceram por conta dum olhar de alguém? Qtos ñ nasceram? E qtos ñ morreram? A gente é quem dá esta tal dona eternidade, amando-a, polemizando, dialogando com ela ou ñ, ora pipocas! O mesmo com China Lama, Iraque, escravos modernos e dengue por minuto aki no Rio: se a gente ñ olha, isso tb vai se eternizar debaixo de tapete! E o mínimo q faço é olhar e gritar pros surdos q estão ao meu lado! Mas me sinto (l)rouca. A tal escuta ativa é fundamental.
Valéria


Pois é LU: Irreversible de Gaspar Noe...(engole seco...)...talvez tenham sido as condições nas quais assisti ou tentei assistir ao filme: doente, num quartinho de hotel de quinta categoria lá na cidade que se passa o filme mesmo, ao lado de duas chaminés gigantescas soltando gases 24 horas por dia e o barulho dos carros sem parar a noite toda invadindo o quarto que fedia a cigarro. Daí as imagens claustrofóbicas do Noé...tonteira absoluta...as cenas no Rectum pesam...tudo pesa...Essa dialética do tempo não é novidade, mas a maneira como ele a trata é realmente individual e sem "perdão". E na mesma direção é "Seul contre tous" do mesmo Gaspar Noe...Que mergulho deprê...passado e futuro deteriorando-se no presente...eis o grande pessimismo. E como as mulheres apanham nesses dois filmes...ah como apanham...
Carlos, irreversible


do Fabio (nao gostou!)
É, Gerald, não rolou amigão! O BASTA/PASTA pra mim ACACHAPÔ!!!! É O MELHÓR ATÉ AGÓRA.Acho que o estresse de dirigir péça por TELEFONE, NÃO TE LIBEROU PRO TEXTO .
fabio

VERSAO FINAL SOBRE CURITIBA: POR FAVOR VAO AO SITE DO FESTIVAL:
www.festivaldecuritiba.com.br (la se explica que foi uma questao de logistica e nao escolha minha)



o comentario da gloriosa Maria Fernanda Sanchez esta na tripa dos comments

  Escrito por Gerald Thomas às 15h21 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Terra em Trânsito no Fest de Curitiba

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u384534.shtml

Esse eh o link certo pra materia mais ou menos "responsavel"
Gerald

Participação de Gerald Thomas é cancelada no Festival de Curitiba
MIGUEL ARCANJO PRADO
enviado especial da Folha Online a Curitiba 
Foi cancelada a participação do diretor Gerald Thomas no Festival de Curitiba. Ele daria a palestra "Gerald Thomas e seu Teatro", na tarde desta sexta-feira (21), dentro da programação Usina de Idéias do festival. O evento estava agendado para as 16h no Teatro do Positivo, no Unicenp (Universidade Positivo).
 
Marcio Pilot/Divulgação
 
Participação de Gerald Thomas é cancelada no Festival de Curitiba
 
O diretor não vai mais participar do festival, porque não conseguiu passagens aéreas a tempo, informou a assessoria do evento à Folha Online.
Quem comprou ingresso para o bate-papo com Gerald Thomas (R$ 10) pode trocá-lo por ingressos da palestra "Cena Contemporânea, Japão", com Mayumi Nagatoshi.
Gerald Thomas apresentaria no sábado (22) e no domingo (23) o espetáculo na "Rainha Mentira", que foi cancelado.
Outra peça dirigida por Thomas, "Terra em Trânsito" será apresentada normalmente, no sábado e no domingo agora, às 20h30, no Unicenp, em Curitiba. Ainda há ingressos à venda.
O repórter viajou a convite do Festival de Curitiba
 
Att: ao contrario do que diz o reporter da Folha Online: nao fui eu quem nao conseguiu a passagem: nao esta na funcao do artista conseguir ou nao a passagem: essa eh uma funcao do festival. Antes de desinformar o publico, informe-se!
Gerald (o irracional)

 
Sergio Penteado (o racional)
E você está vendo só, como te disse antes, como é importante manter um blog para poder explicar essas "verdades" que por vezes a imprensa divulga e nem sempre dão a oportunidade dos envolvidos em notícias fazer um esclarecimento ? A respeito do cancelamento da peça em si, deve ser um saco você organizar a equipe, ensaiar, gastar dinheiro, comprometer-se com prazos (não só os seus, como de todos os envolvidos), para no fim, dar com os burros n'água porque um detalhe como reserva de passagens foi esquecido por alguém. Lamento mesmo. E meu caro Vampiro, você vai ter que se contentar ou com a repercussão das apresentações do Gerald em outra cidade longe da sua, ou então terá que se contentar com uma viagenzinha de avião para assistí-la longe de Curitiba. Só porque você havia escrito aqui que era para morrermos de inveja..he he he..
Sérgio 

Vamp não se dá por vencido :
Bom, deixando de lado a completa incompetência dos organizadores do festival, resta lembrar que: "Outra peça dirigida por Thomas, "Terra em Trânsito" será apresentada normalmente, no sábado e no domingo agora, às 20h30, no Unicenp, em Curitiba. Ainda há ingressos à venda." O Vamp aqui, com sua polaca, estará presente hoje, na estréia.
O Vampiro de Curitiba

Novas e interessantes contribuições de leitores :
 
do Leopoldo Holtz
Em quem acreditar? Cada um diz uma coisa. Dizem por aqui que o diretor Gerald Thomaz resolveu que a cidade de Curitiba tinha alguma coisa contra ele e resolveu calcelar a sua vinda, Leopoldo
Leopoldo Holtz
 
da Dilma (que não é a Rousseff)
Gerald o seu blog é o blog mais democrático e agregador da net! O único que dá destaque aos comentários dos leitores! Parabéns! Também pelo seu trabalho e pela peça em Curitiba!
Dilma
 
da maravilhosa Ana Peluso 
Olha aí, olha aí!, o Leopoldo que não me desmente. Mon Dieu, que terror.
Ana
 
do Sergio Penteado (será verdade ou não?)
Agora eu fiquei numa dúvida danada, depois do que escreveram o Vamp e o Leopoldo. Afinal, haverá apresentação em Curitiba ou não ? E isso de o Gerald achar que a cidade de Curitiba tem algo contra ele obviamente não procede, muito pelo contrário, que absurdo ! Deve ser uma seqüela daquele episódio do hotel que foi parar na Justiça, não ?
Sérgio  


SERGIO: Terra em Transito ja esta no palco ensaiando: estou com o elenco por telefone. Tem hoje e amanha. Rainha Mentira nao tem. Nao tem condicoes tecnicas, esse teatro. Qto a mim e Ctba, tudo certo, acho. Nao vou mais comentar nada ate eu estiver com a passagem na mao! Quando isso acontecer, me manifesto. LOVE GT


  Escrito por Gerald Thomas às 09h27 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


do blog do reinaldo

Prévias no PSDB? Pensei em chamar Gerald Thomas. Mas desisti. Teatro é coisa séria!
(Sugiro que leiam antes o post abaixo deste)


Prévias no PSDB? Pensei em chamar Gerald Thomas. Mas desisti. Teatro é coisa séria!








(Sugiro que leiam antes o post abaixo deste)

Alckmin quer mesmo prévias para indicar candidato à Prefeitura no PSDB de São Paulo? Vou chamar meu amigo Gerald Thomas para melhorar esse teatro aí. Acho que ele não vai topar, hehe. Afinal, teatro é coisa séria, e essa proposta é uma brincadeira estúpida. Digamos que se realizassem. Os problemas estariam resolvidos ou só estariam se extremando? Não sei exatamente — e nem os tucanos sabem — qual seria o colégio eleitoral. Digamos que fossem todos os filiados do partido (com ou sem superdelegados?). Acho que Alckmin ganharia. E o PSDB, obviamente, sairia derrotado porque irremediavelmente dividido. Um candidato deve procurar unir, não fracionar.

Raramente, aliás, ouvi coisa tão esdrúxula, idiota mesmo. Nos EUA, para ficar no exemplo mais evidente, as prévias fazem parte do processo político. Aqui, ainda não. Elas não usadas como remendo ou como instrumento para soldar fraturas.

Alckmin será o candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo. Ponto final. O que mais ele quer agora? Entusiasmo? Vibração? Beijo na boca?

Quem tem, agora, de ganhar a confiança do partido é ele. Foi-lhe oferecida uma estratégia que vislumbrava a manutenção do poder na Prefeitura e a forte possibilidade de o partido manter o Palácio dos Bandeirantes em 2010. Ele preferiu outro caminho, que passa, é óbvio, por Belo Horizonte — lá onde o seu partido está se juntando com o PT — e pela precoce hostilização da pré-candidatura de José Serra à Presidência. Hora de chamar as coisas pelos nome.

O corolário é este: na trilha escolhida pelo ex-governador, o seu aliado da hora, Aécio, está se juntando com o adversário histórico (o PT), e o aliado histórico em São Paulo, o DEM, está levando um pé no traseiro. Foi Alckmin que fez essa opção, e ela tem conseqüências.

O ex-governador precisa saber que ganhar uma prévia — ou mesmo um "caucus" de cardeais, como em 2006 — é bem mais fácil do que ganhar uma eleição. Ele é favorito? Claro que sim. Mas sabe que precisa do partido. Não será se impondo candidato por força da vontade, como fez no passado, ou por meio de prévias que vai inspirar o ânimo militante na turma.

Ao prefeito Gilberto Kassab, do DEM, dados os números e a dinâmica do processo político, não resta outro caminho: terá de ser candidato. Seu discurso é fácil, tranqüilo mesmo: deve prometer a manutenção do que é bom e a correção dos problemas, como de hábito nas tentativas de segundo mandato. E não terá como negar que trabalhou em parceria com o governador de São Paulo e com... o PSDB, que detém 70% dos cargos! Qual será o de Alckmin?


A história de que é candidato porque as bases querem, ele sabe, tem alcance limitado entre as lideranças. Ninguém é ingênuo. As tais “bases” querem porque ele se ofereceu, não é mesmo? Tivesse respeitado a fila — aquela de que falava Sérgio Motta —, a realidade seria outra. É claro que não haverá prévias coisa nenhuma. Isso é só um tour de force para se impor. É uma desnecessidade. E só evidencia, diga-se, que a Prefeitura de São Paulo, nessa história toda, não passa de pretexto.

PS: A reportagem da Folha, abaixo, informa que os “líderes” do partido também influirão. Entre eles, Aécio Neves. Terei de perguntar: Aécio consultou Serra sobre a sua união com o PT, ou Belo Horizonte reivindica a interferência em São Paulo ainda por conta da Revolução de 1932? Aceito boas respostas.


Leiam mais: http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/


do Sergio Penteado
[Sérgio] [São Paulo, SP, Brasil]
Gerald e amigos, Há dias, debatíamos sobre o teatro(com "p" minúsculo mesmo)na política,que é uma arte menor e mais mal feita do que o Teatro tomado como arte e eu acho que o fator de crença das pessoas nessa arte,implica a adesão daqueles que votam e crêem na postura de seus atores sem qualquer senso crítico. Isso acontece quando o eleitor se convence de que deve votar em governos que supostamente protegem os interesses de eleitores pela bazófia de que uma intervenção militar estrangeira defende o princípio de "levar a democracia" ao Iraque,mesmo que ao exorbitante custo de vidas humanas e a multiplicação do terrorismo em escala mundial. Isso também acontece quando incautos crêem que temos no Brasil um "presidente do povo" que não mede esforços eleitoreiros de se perpetuar no poder,ao custo da ingenuidade alheia. E sobre retratação e o Reinaldo,esse post está em sintonia com a afirmação,mas acho que ele em seu blog foi freqüentemente injusto com você antes de vcs se reconciliarem.

Mas Sergio
Ele pode sim ter sido injusto num rapido (e curto) surto depois que eu o ataquei primeiro: mas aquilo ficou la pra tras! Muitissimo la pra tras! Hoje ele faz parte da minha vida e me tornei leitor do blog, morro de rir com ele. Obvio que nao concordo com TUDO, mas quem concordaria? Aprendo muito, ja que nem sei tanto sobre politica brasileira. GT



Carlos Bucaneiro: que pena que vc mandou um email (nao, nao estava errado - foi so da primeira vez- depois conseguimos nos communicar em varias linguas! Eu te respondi e te expliquei que entro SIM no blog do Reinaldo que Adoro o cara SIM e que nao existe armadilha alguma: sei me cuidar, tenho 53 anos! O Reinaldo deixa bel CLARO a que veio. E nao tem MEDO disso. E os outros? Que se escondem? Hem??? Pena! Era uma bela resposta, com carinho e delicadetessen, LOVE GT

  Escrito por Gerald Thomas às 08h54 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


por John Hemingway

FIM DA LINHA

Montréal (Canadá)  - No dia de hoje, há exatos cinco anos, o Presidente Bush anunciava à nação que a invasão do Iraque tinha começado e que 1000 quilos de bombas tinham matado Saddam Hussein. Hussein, claro, sobreviveu à invasão e só foi capturado em 13 de dezembro de 2003, sete meses depois que Bush declarou seu famoso “Missão Cumprida”, no discurso a bordo do USS Lincoln na costa de San Diego. Para aqueles que não se lembram, isso aconteceu quando ele desembarcou de um jato da marinha no porta-aviões e saiu do avião com o macacão especial de piloto militar.

Esse foi o primeiro de uma série de propaganda, que não acaba nunca, que a administração usou para enganar os americanos e manter a popularidade. Em 2003, os neocons estavam altamente radiantes e o que se pregava na época (como ainda é entre os homens de Bush) era a invasão do Irã, uma vez que agora a democracia estava assegurada no Iraque.

A invasão foi uma “moleza” (como prometido) e logo o petróleo iraquiano pagaria todas as despesas e os chineses e europeus (leia-se franceses e alemães) estariam cortados da festa do petróleo. A paz americana estava assegurada por, pelo menos, mais um século e ninguém seria capaz de se atravessar em nosso caminho. Exceto, claro, os próprios iraquianos.

Com tantos discursos sobre levar a democracia e a liberdade ao Oriente Médio, poucos se incomodaram em pensar que a população local poderia não gostar de ser dopminada por uma potência estrangeira. Mesmo agora, quando uma pesquisa recente mostrou que mais de 70 por cento dos iraquianos querem que os americanos saiam do país, a mídia nos Estados Unidos preferiu omitir esse trecho da informação. A elite dominante na América não quer ser incomodada com a realidade da nossa posição no Iraque, mas a verdade e os desejos dos iraquianos não serão negados para sempre. Historicamente falando, ocupações não duram muito tempo. Os ingleses dominaram a India por quase cem anos, mas tiveram que sair. Os russos dominaram o leste europeu por mais de 50 anos, mas eles também foram expulsos. Na verdade, todo invasor é derrotado e os Estados Unidos não serão uma exceção a essa regra.

A America já está vendo seu poder real declinar, a ponto de num futuro próximo nos tornarmos incapazes de trazer de volta os nossos soldados do desastre iraquiano. Não teremos dinheiro para fazer isso e, se tiverem sorte suficiente, os soldados americanos acharão o caminho de volta aos EUA em vôos comerciais pagos pelo próprio bolso. Wall Street está à beira do desastre que alguns já estão comparando à queda do mercado de ações de 1929. A questão para o assustado FED, na verdade, não é de liquidez e de baixar taxar de juros, mas de solvência. Nós não temos dinheiro e estamos vivendo e lutando com dinheiro emprestado. Quanto tempo levará até que chineses, japoneses, sauditas e o resto do mundo se recusem a comprar os papéis do tesouro americano que mantêm a economia e a máquina de guerra funcionando?

Nós acabaremos nosso reinado como o Imperio Britânico no começo da Segunda Guerra Mundial: quebrado e dependente da generosidade de outros. E vendo que nada é de graça nesse mundo duríssimo, a América será forçada a aceitar uma diminuição no seu papel. O dólar americano não mais será mais usado como moeda de referência do planeta e a perderemos a habilidade de apoiar nossos débitos nas costas dos outros. Não teremos mais produtos baratos da China e não teremos mais Abu Ghraibs, Guantanamos ou Fallujahs. Os horrores do plano dos neoscons de dominação do mundo estão felizmente perto do fim.
John Hemingway
diretodaredacao.com
 


da Sandra
Gerald, eles não querem os americanos. Os xiitas querem um xiita, os sunitas querem um sunita, e os curdos querem um curdo, que dê poder a sua etnia e massacre as demais. E os americanos querem sair dessa fria em que se meteram.
Sandra

opiniao de Luciana (uptstate NY)
Os americanos nao querem sair do OM, pelo contrario, daqui (por ex: Montgomery) ainda saem jovens, velhos... Meu dad foi tb, sabe-se la investigar o q, ficou 3 semanas no Yemen e so voltou pq comecaram a bombardear a area. Que bom q ele pode voltar neh, isso nao deve ser uma opcao pra maioria, com ou sem bombardeios... Fico lendo esses registros de voces, dos outros, oq ouco do dad, tudo confuso, quase surreal, pq percebo q mesmo vivendo nesse periodo sou tao espectador, como quem le so mais uma pagina de um livro de historia, que com certeza sera reescrita muitas vezes. essas discussoes sao tao bizarras quanto ver criancas americanas com menos de dois anos deitarem-se ao chao automaticamente qndo escutam tatatatatata, nao, eles nao ensinam elas se a protegerem contra os tiros, elas ja estao nascendo assim com esse instinto, deve ser coisa do inconsciente coletivo, ou memoria genetica, vai saber... tb pudera, guerra e uma palavra q se repete em toda historia. e o oposto? cade? existe?
Lu

Carlos e Vampiro: vou ter que apartar essa briga entre vcs pessoalmente caramba! Eta! Nao, eta eh um grupo terrorista basco. Fora! Serio: PAZ !!!!! Vamp e El Padre: o que eu preciso fazer pra que vcs se comnuquem de novo???? GT

do Carlos pra Sandra
[Carlos] [US ]
Sandra: eu não disse que opinião não é pessoal. O problema nos blogs é esse, a gente lê tudo tão rapidamente. Eu disse que essa questão não é uma questão de opinião. Não é torcida, não é a minha nem sua vontade. Sem examinar os fatos não dá pra comentar, quanto mais opinar. Vamos aos fatos, não há nada a temer. Você disse que os americanos querem sair dessa fria. É só isso? Você não entende que George Bush deveria ser julgado um criminoso internacional? Você não viu que alguns americanos pediram a prisão de George Bush?? é que do jeito que você colocou, toda a responsabilidade é dos iraquianos. Fica parecendo que os EUA tinham a melhor das intenções, só que de repente viram-se numa fria...Não é assim, não foi assim.

do Vamp
[O Vampiro de Curitiba]
Pessoal, calma! O fim do mundo ainda não chegou! O Iraque será democratizado e governado por iraquianos. Depois da saída dos americanos, óbvio. O Mundo livre e o estilo americano de viver triunfará mais uma vez! Viva o Império!

Mau fonseca
Carlos e Vamp, parem, o inferno é de todos vocês e nós. Ninguem é santo. Nem EUA e o Iraque, nem os iraquianos e arabes que se matam desde a epoca de Maomé e depois invadiram a Europa por seculos, sejam Otomanos, sejam maomeistas, enfim - sempre guerra. E olha q tenho uns 10% de sangue arabe, mas sinceramente, ja desisti de falar sobre a paz do Oriente Medio - querem viver na guerra, na religiosidade imbecil e na hipocrisia dessas sociedades patriarcais, arabes, americanos, chineses, que vivam.
Mau

da Ana Peluso (parceira do Blog)
Ana]
Não dá pra entender esse domínio estúpido dos EUA sobre outros países, principalmente no que tange a questão da "habilidade de apoiar débitos nas costas dos outros". Excelente frase! Já o que leva a mídia a fazer o próprio povo norte-americano de idiota, não deve estar muito distante dessa excelente frase. Povo que não vê é mais fácil de ser conduzido. Mas o que eu não compreendo, é onde vai parar todo aquele orgulho norte-americano na hora em que esses soldados morrem POR NADA. Por uma mentira cara-de-pau, para se manter "on the top 4ever", enquanto o mundo clama por igualdade e apoio mútuo. Não vou falar do império Chinês, pq. não vai caber no espaço, e eu estou com sono, mas tenho cá pra mim que impérios vão desabar. Pra tudo que é lado. E nem isso consola, pq. a quebradeira tende a ser geral. Vai ter neguinho pagando pelo que não fez, o que, aliás, é muito comum nesse planeta.

por Sergio Penteado (colaborador do Blog)
[Sérgio] [São Paulo, SP, Brasil]
Sobre o excelente artigo de Hemingway, comento : 1)Existe uma imensa maioria hoje que se opõe à presença militar americana no Iraque, tanto local como dentro da opinião pública americana. 2) Tal fato tem sido omitido pela imprensa americana, aceitando docilmente, como de resto ocorre, desde o início dessa aventura, as inverdades propagadas pelo governo. 3) A imprensa americana têm, exceto algumas vozes dissonantes desde o início da empreitada, aceitado historias da carochinha para justificar a invasão, tais como a existência de armas de destruição de massa de Saddam e a não separação entre Al Qaeda e o antigo regime do Iraque. 4) Não houve retratação formal por esses erros, e o uso da diplomacia foi sempre, e desde o início, ignorado. 5) Houve confisco de petróleo iraquiano, e a celebração de contratos milionários para empresas americanas, principalmente do setor de construção civil. 6) Não por acaso, a rede de interesses econômicos leva a Bush e patota. São fatos. Liguem-nos.

Sandra esta na tripa dos comments: nao cabe tudo aqui: sorry



  Escrito por Gerald Thomas às 16h52 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Violaram o passado, presente do passaporte de Obama: tres Xpuslos do Dept de Estado

State Dept. Punishes Aides for Obama Passport Breach- The State Department has fired two employees and reprimanded a third for improperly opening electronic information from the passport file of Senator Barack Obama, State Department officials said Thursday night. On three separate occasions in January, February and March, three employees looked through Mr. Obama’s file in the department’s consular affairs section, violating the department’s privacy rules.
Agora, no Anderson Cooper 360 o numero passou pra 3.....ah esse State dept has been in such a state.....e sua conduta etica

Obama deu um SHOW no Larry King Live.
quem viu nao viu e quem nao viu nao viu.

GT (o irracional)


do Vamp
[O Vampiro de Curitiba]
Pois é pessoal, Sexta-feira chegando... Aqui na Banânia é sempre aquele desespero: "Qual dos companheiros vai sair na capa da Veja metendo a mão no dinheiro público?" Para nós do blog, sexta-feira é dia da "Frase da Semana". E o premiado da semana, apesar de um estilo um tanto "rústico", por assim dizer, é um ex-zelador do zoológico de São Bernardo e hoje milhonário Fábio "Lulinha" da Silva: Vejam que preciosidade: "NADA como sê internétional,né!Mããããns fãnzê o quê..."quem mandô num estudá, "!....vai pá praça da SÉ!e fica vendo os testemunha de GEOVÁ!" Parabéns, Fábio!


Ana: como fazer um resumo de um programa de UMA HORA????? Larry King passa ai no Brasil na CNN International: sei la, deve ter pela internet, ou talvez seja repercutido pelos jornais; Ao contrario do que todos afirmam aqui nesse blog, ele diz que TIRA as tropas sim, elogia seus oponentes, o McCain e a propria Hillary (que esta jogando sujo) e esclareceu (sem trocadilhos) a questao do reverendo e falou como uma pesssoa que entende PROFUNDAMENTE da questao ETNICA entre shiitas e sunis e a forca entre eles (forca com e sem cedilha) e a coalisao deles que REPUGMA uma possivel vollta de Al Qaeda: como O Iran SIM manda dinheiro Pro Hesbollah mas nunca o Al Qaeda e como ele conhece a fundo a econmia desse pais: falou do subprime, dos jobs que estao se indo, da Chrystler que esta fechando um dos plants em julho, de pequenas cidades aqui e ali nesse pais, enfim, dos lobistas, dos special interest groups, etc....E da questao RACIAL por ele ter sido criado numa famila de brancos no Hawaii etc etc etc e mesmo assim ter ouvido atrocidades racias da avo branca dele sobre negros: sim, a questao racial existe e pronto! e mesmo assim ele eh um AGREGADOR!!!!!
O homem eh COMOVENTE e PONTO. Quem nao viu, dormiu.


ou tera reprise nesse final de semana: fiquem acordados aqueles que nao EMBURACAREM no chocolate!
GT (o irracional)


mais do Vamp
Para os leitores curitibanos: "Terra em Trânsito", do mestre Gerald, dias 22 e 23, às 20:30hs, no Teatro Positivo. Para os não curitibanos: Morram de inveja, gente chulé! He, he...
O Vampiro de Curitiba


do fabio
brigadu, vampiro,ou melhor..., papagaio do GOOBELS!Valeu pela homenagem!!Por falar em GOOBELS, eu assisti ontem a noite o filme .."A QUEDA"! QUEM JÁ VIU ESSE FILME? São os últimos dias de Adolf Hitler vivo em Berlim e dentro do BÃNKER. É algo INOMINÁVEL, esses NAZISTAS...! Se os caras CISMASSEM com você(digo você sendo POVO ALEMÃO) que você tivesse "olhado", conversado, qualquer coisa com algum russo,pois BERLIM estava tomada por eles, eles TE ENFORCAVAM NA HÓRA!É algo FÓRA DE QUALQUER COMPREÊNSÃO..! Você fica estarrecido com A LOUCURA NAZISTA. Bom, desculpe abordar um ASSUNTO TÃO HORROROSO pra um dia TÃO BONITO e ensolarado.Mas, já que o papagaio do Goobels me "elogiou", PRECISAVA retribuir o "carinho"! Ânh, e tem um negócinho com seu méstre lá no portal da "veja". Ele fez um comentário sobre o discurso do pres. LULA em Fóz do Iguaçu.Por coincidência eu assisti o discurso inteiro. Mas dá até dó do seu mestre R.A.,ele faz uma ginástica pra detoná o LULA, coitado!é falta de férias!!!!!
fabio


  Escrito por Gerald Thomas às 02h11 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Ate o Senador Chuck Hagel, Republicano acha a Invasao do Iraque um erro

          
Tropas americanas estacionadas em Basra            Tropas SS alemãs em ação na 2a. Guerra
 

Senator Chuck Hagel, the Nebraska Republican and one of the very few class acts in Washington, has a new book out, “America: Our Next Chapter.” Hagel writes, “In the current impasse, an independent candidate for the presidency, or a bipartisan unity ticket… could be appealing to Americans.”
Hagel, who is a Vietnam veteran, also suggests that the war in Iraq might be remembered as one of the five biggest blunders in all of history. He says that the invasion 5 years ago was “the triumph of the so-called neoconservative ideology, as well as Bush administration arrogance and incompetence.”
Hagel says he held one of the Senate’s strongest records of support for President Bush, but his standing as a Republican was still doubted because of his opposition to the administration’s foreign policy – one he sees as “reckless” and “divorced from a strategic context.”
Hagel announced last year that he wouldn’t run for a third Senate term or seek the Republican nomination for president. His name was often mentioned as a potential running mate for New York Mayor Michael Bloomberg on an independent presidential ticket. But last month, Bloomberg said he wouldn’t run.

Traduzo so uma passagem rapida pois estou sem saco e deprimido: "Hagel, que eh veterano da guerra do Vietnam, tambem sugere que a guerra do Iraque talvez seja lembrada como uma dos cinco maiores gafes/erros (merdalias) de toda a nossa historia. Ele diz que a invasao 5 anos atras foi um "triunfo da assim dita ideologia neoconservativa e da arrogancia e incompetencia da administracao de Bush"

O resto eh com vcs
estou cansado de tentar repetir a mesma ladainha que so nos, aqui nos EUA conhecemos
GT

Ah, esqueci: aqui estao as estatisticas

Just 31 percent of Americans approve of the job President Bush is doing, a new low in CNN polling. The rating came on Wednesday, the fifth anniversary of the Iraq war. Bush's rating was 40 points higher when the war began. In a speech Wednesday, Bush called the debate over Iraq "understandable" but said a continued U.S. presence there was crucial. (CNN)
Ou seja, An all time LOW significa uma tremenda BAIXA de todos os tempos: quando a invasao completa cinco anos.

GT


O Vampiro de Curitiba escreve :
Gerald, a opinião desse Senador saiu nos jornais exatamente por ser de uma pequena minoria, ao menos entre os Republicanos, certo? Se fosse uma opinião comum, não teria merecido a reportagem. Escreva o que vou lhe dizer: Os Republicanos irão vencer as eleições graças ao Iraque! Parece paradoxal, mas é a realidade. O fato é: Se foi bom ou não, não vem mais ao caso. O que importa é que existe a ocupação e é impossível, a curto prazo, a retirada dos soldados americanos. Tanto é assim que Obama e Hillary afirmam que não pretendem retirar as tropas do Iraque.
uma sexta-feira santa com serenidade e muita paz. Para os não cristãos, como eu, desejo uma sexta-feira cheia de pecados e excessos!

Carlos, el Padre, diz :
"Os EUA representam a ordem naquele país, não a barbárie". Vampiro, tenho que te contar uma coisa...prepare-se: o Coelhinho da Páscoa não existe. Mas falando sério: você acha que teria como você se informar um pouco sobre a guerra no Iraque, sobre a política norte-americana, sobre Obama e Hillary, antes de colocar essas suas barbaridades aqui?? Tá foda...
Carlos, El Padre

e o Sergio Penteado, sempre racional :
Vamp, Obrigado pelos votos de Feliz Páscoa, sou cristão como você. Uma emenda às informações que fiz no post de baixo, em que procurei apresentar factualmente algumas seqüelas dos cinco anos da intervenção americana no Iraque. Notei que alguns disseram lá que o demoníaco Saddam fervia adversários e inimigos compatriotas seus em óleo quente (creio que mais você e a Sandra frisaram isso). Não que eu ache Saddam flor que se cheire, e muito menos que eu defenda terrorismo. Mas o esforço americano foi absolutamente mal direcionado. Começou com o desprezo ao Direito Internacional e a um total desrespeito pela jurisdição legal. Bush resolveu invadir e pronto. Tem que agüentar as consequências da cagada e ser, sim, responsabilizado por tantas mortes, sem efeito prático algum. Gostaria também de, pelo fato de me colocar em posição contrária à estratégia utilizada pelo governo americano, não ser tachado de esquerdopata. A questão agora é muito complicada, uma retirada rápida é o caos...
Sérgio

[Sandra]
Acho que, nesse feriado, que representa um tempo de mudança, pensarei no que significa a paz.

do...
Ruim com Sadam pior sem ele. Depois que invadiram e derrubaram a mao de ferro do ditador, foi merda pra todo lado, resultado, agora todos la se matam democraticamente ;-) Nao há jeito pra aquilo, o Oriente Medio é guerra, guerra, guerra, etc.
Mau Fonseca

 



  Escrito por Gerald Thomas às 18h36 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


5 anos desde a invasao

.....mais de 5 anos desde que marchavamos , em Londres, na "1 million march" contra a Invasao do Iraq que foi desde a Bush House (olha que ironia: nada tem a ver com os presidentes: eh a sede da BBC World Service) (so notei agora, horas mais tarde na revisao)ate Hyde Park Corner....nao, foi ate o Marble Arch.....nao, foi ate o meio do parque onde Jesse Jackson falou e ........dias depois, na janela de todos os carros, papeis com "gas masks": BUY for your OWN PROTECTION.
GT

"War can be an economic machine" (A Guerra pode ser uma maquina de gerar economia), "but this war has brought us (the US) nothing but weakness"

source: Republican Party

nao eh incrivel??????

GT


o humor do Fabio eh...(estou rolando de rir)
[fabio] [são paulo]
NÒSSA...! quem me déra marchar em LONDON!!!! O máximo que eu "marchei" foi em passeata dos bancários na rua Boa VISTA e tomei PORRADA DE PM, e ainda PERDI MEU ÓCULOS NOVINHO, que nem tinha acabado de PAGAR! É géraldo....!Até pá POTRÉSTO, você é CHIQUE!Apósto que você tem um PEDAÇO DO MURO DE BERLIN na mesinha da sala, aí em nóva yorqui! acertei?!..pois é genten ele tá em todas...tenho certeza que aquele chineisinho que botô os tanque de GUÉRRA pra corrê, LEMBRA..?! na PRAÇA DA "PAZ" celestial, TINHA O dedinho do GÉRALDO alí! quem qué BATÊ UMA APOSTA?!.......NADA como sê internétional,né!Mããããns fãnzê o quê..."quem mandô num estudá, "!....vai pá praça da SÉ!e fica vendo os testemunha de GEOVÁ!


Fabio: vou contratar vc como personagem: ou entao vou te imitar: eh muito engracado!

do Vamp
[O Vampiro de Curitiba]
O Fábio não é bobo, não! Ele esconde o jogo. Se finge de morto pra comer o cu do coveiro. Ou dar pro coveiro, sei lá... Depois que soubemos que ele usa peruca do Nelson Rubens, tudo é possível, he, he...


resposta do Fabio
Pronto!! Lá vem o "papagaio do GOOBELS", mais conhecido como "vampiro".Esconde o jogo por que??exprica meió, que eu não entendi!? E éssa história de peruca do Nélson rubens??ã, meu que que isso, foi o TAL DE MAU que falou isso e até agóra não explicou.SÔ ESPADA, MEU.
fabio


do Vamp
O Vampiro de Curitiba]
Olha, sobre o assunto em questão, acho que a maioria já sabe minha opinião, né? Com a interferência dos EUA, quem sai ganhando é a população do Iraque. Eles têm a possibilidade de viverem em uma democracia, mais para frente. É óbvio que ninguém é doente para ficar feliz com crianças sem braços, etc... Mas, quem sabe, seus filhos não mais serão exterminados por um tirano qualquer. E é bom lembrar: São os próprios Iraquianos que estão se matando: Curdos contra xiítas, contra sunitas, contra...sei lá eu quem. Os EUA representam a ordem naquele país, não a barbárie.


  Escrito por Gerald Thomas às 21h31 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Tibetan Cry for Help - Obrigado Gustavo Ariani

I just signed an urgent petition calling on the Chinese government to respect human rights in Tibet and engage in meaningful dialogue with the Dalai Lama. This is really important, and I thought you might want  to take action:
 
http://www.avaaz.org/en/tibet_end_the_violence/98.php/?CLICK_TF_TRACK
 
After nearly 50 years of Chinese rule, the Tibetans are sending out a global cry for change. But violence is spreading across Tibet and neighbouring regions, and the Chinese regime is right now considering a choice between increasing brutality or dialogue, that could determine the future of Tibet and China. 
 
We can affect this historic choice. China does care about its international reputation. Its economy is totally dependent on "Made in China" exports that we all buy, and it is keen to make the Olympics in Beijing this summer a celebration of a new China that is a respected world power.
 
President Hu needs to hear that 'Brand China' and the Olympics can succeed only if he makes the right choice. But it will take an avalanche of global people power to get his attention. Click below to join me and sign a petition to President Hu calling for restraint in Tibet and dialogue with the Dalai Lama -- and tell absolutely everyone you can right away. The petition is organized by Avaaz, and they are urgently aiming to reach 1 million signatures to deliver directly to Chinese officials:
 
http://www.avaaz.org/en/tibet_end_the_violence/98.php/?CLICK_TF_TRACK
 
> Thank you so much for your help!
 

de....
Olá Gerald, conheci melhor seu trabalho através do workshop que participei no ano passado no SESC consolação, achei muito interessante sua maneira de formar o artista, através de informações que gera um conhecimento que vai além do teatro. Atualmente estou buscando meu mestrado na UNICAMP, e gostaria de dissertar sobre a formação do artista, seria possivel além de consultar seu blog, batermos um papo para eu usá-lo como material de pesquisa? Adoraria contar contigo para este processo! Grato, Abraço! Jean Carlo Cunha
Jean Carlo Cunha

 


  Escrito por Gerald Thomas às 19h36 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Morte de Arthur C Clarke

do Carlos

2001: Uma Odisséia no Espaço é uma dessas obras que me parecem fazer parte do ar que respiramos. Pelo menos pro pessoal da minha geração (que por óbvias razões só viu o filme mais de uma década depois do lançamento). Dois são os filmes de ficção sérios, eternos e absolutamente maravilhosos que conheço: 2001 do Kubrick e Solaris do Tarkovsky (pelo amor de Deus não a versão recente de Hollywood, mas a burguesada não vai diferenciar nada mesmo). Arthur C Clarke juntou-se aos ETs hoje. Fica sua obra e sua aventura. Sempre que possível esse blog refere-se a ele...e alguns de nós ao monolito...aos macacos de 2001...ao Hal...Arthur C Clarke juntou-se hoje a Kubrick, a Ligeti...e a tantos outros grandes...Saudações e minha admiração a esses grandes homens...
Carlos

do Sergio Penteado

Quando "2001" foi exibido no Brasil, nos idos de 1969, eu creio, eu fui assistir, no Cine Astor, aqui em São Paulo, se não me engano. Como era muito pequeno, naturalmente esperava um filme de ficção científica, algo tão em voga no gênero naquela época. Apagadas as luzes, acesos os projetores, teve início uma das mais marcantes experiências visuais e auditivas por que passei. Do início do filme naquele deserto e a legenda anunciando "a aurora do homem", passando pela briga dos macacos e aquele fragmento de osso lançado ao espaço e se tornando a espaçonave "Discovery", com a sequência seguinte de "Danúbio Azul" em sincronia com o movimento das estações espaciais ao mistério do monolito e a rebelião do ensandecido HAL 2000, antes da viagem à Jupiter, é tudo muito impressionante e um prenúncio de nosso caos. Hoje, nem tanto, porque se passaram quarenta anos, mas na época, absolutamente inovador. Foi o casamento perfeito, como disse o Carlos, de Arthur Clarke com Stanley Kubrick.
Sérgio



  Escrito por Gerald Thomas às 23h42 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


o dia a dia...

Every day I get a little better and the better I get, the worse I feel.

Na volta pela cidade, a dispersao da St Patrick's Day parade. Aquele "mundo de gente verde" bebada......Mas na frente do Ed Sullivan Theater a fila imensa de gente feliz pra vez a gravacao do show do David Letterman. Engracado ver gente feliz. Tentei a todo custo apagar a televisao OBRIGATORIA do taxi (ai que inferno) que nao desliga nem no botao OFF (ela re-liga sozinha e fica la o Al Rokerweatherman falando do tempo de ontem).....vim lendo o texto do Robert Novak sobre a Geraldine Ferraro no N Y Post. Olha so que loucura. Eu lendo o New York Post! A capa eh o motorista do ex governador de New Jersey dizendo que a mulher do Gov adorava ver os dois (homens) fazendo sexo. A que ponto eu cheguei lendo o Post. Ah, nao falei do guindaste que caiu! Nao se pode falar de tudo.
Gerald


do Gustavo (US - FL)
É Gerald. O ano tá chato, só faz morrer uma porção de gente bacana e só sobrou o Obama de assunto. Credo! Pior que aqui já começou a esquentar e água agora só de garrafa pra refrescar. Pelo menos é o que o povão do sul pensa e comenta. Não sobrou nem água... o jeito é beber sangue igual o Vampiro.
Gustavo


do Vamp
[O Vampiro de Curitiba]
Gustavo, o gostoso é matar a sede na saliva. O sangue é só uma conseqüência.

PS: de um dia complicado!
problemas de cama vaga no Veterans Hospital (eh o minimo, simplesmente o minimo)

"When we send our children to fight a WAR of CHOICE, don't we have the MORAL OBLIGATION (or duty!!!) to give them all the care they need when and if they're wounded by the enemy?"
GT


from Rosebud
Hehe, "não se pode falar de tudo" mesmo. É muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. Estava pensando alto lá no blog sobre as Olimpíadas da China. Como puderam escolher aquele lugar como sede??? Beijo.
Andréa N.http//rosebud-nyc.blogspot.com

Vamp: O negocio do aquecimento global nao eh bem assim nao: depois escrevo mais sobre isso: nossos invernos tem sido springtimes! E as capsulas polares estao.....(more later)

do Peter sobre Global Warming (a warning!)
Achar que o aquecimento global é uma ficçaõ eh muita teoria da conspiração.Os polos babau.Que industria de efeitos criou estes ciclones no sul ?O derretimento dos polos eh dos computadores da pixar com ursos fofos afogados. Pelo que sinto aqui no forno carioca o mundo pega fogo a qualquer momento.Autocombustão.To no ar condicionado contribuindo para o bafo. Este eh o preço que pagaremos pelo conforto . As madeiras aqui de casa de onde vieram? Carros , chuveiros .. Temos que inventar um modo do combate ao aquecimento gerar lucro pras industrias tbm. Me incomoda quem só quer ganhar com isso e mais ainda quem ve cinicamente tudo como frescura dos verdes. Que frescura? A chapa tá quente pra caralho!
Peter Punk


Da Sandra
Eu me preocupo com o planeta. O que faço é não disperdiçar água, papel,... e NUNCA jogar lixo nas ruas, mesmo que elas já estejam sujas. Acho que TODAS as pessoas e TODOS os países são responsáveis pelo planeta, os do bem e os do mal. Eu não critico quem seja contra nem a favor à teoria do aquecimento global, pois ciência não é uma questão de fé. Em ciência, temos total liberdade para expor todo o tipo de opinião, com todo o tipo de argumento e contra-argumento. Agora, se no pacote anti-aquecimento quiserem me enfiar goela abaixo toda uma doutrina e um código de valores sem maiores explicações, aí vou mandar essas pessoas à m*, mesmo que elas digam a todo mundo que é o planeta que eu estou mandando à m*.
Sandra


  Escrito por Gerald Thomas às 15h53 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


BASTA !

New York – “Basta Pasta” é um restaurante na rua 17 entre a quinta e a sexta avenidas, cujo dono é um japones (o Suzuki) altíssimo que começou a vida jogando no Santos Futebol Clube. Hoje, esse restaurante “bomba” (sempre lotado) de japoneses do mundo artístico. Mas o detalhe é que ele não serve sashimi ou sushi. A especialização é a comida italiana. A pasta deles cozida dentro de um enorme parmeggiano reggiano é uma das especialidades. O staff não fala uma palavra de inglês. Todos os japoneses e os não japoneses entram pela cozinha. Aquilo está lá faz mais de uma década.

Por que falo dele? Porque não agüento mais. “Basta” serve como um grito de terror, um grito de “chega”, uma espécie de “berro final”, aquele silencioso do Munch só que com muito barulho, digo, barulho sim, mas que alguém num iPod da vida castrou, reduziu e transformou em pink noise. Não sabe o que é pink noise? Informe-se! E por que? Simples. Estou esgotado, estou estressado, estou meio assim como o Próspero de Shakepeare na sua fabulosa “Tempestade” (futurista, sem sangue, uma tragédia engraçada que olha pro futuro, e absolve todos os seus detratores). Próspero, no fim de sua jornada em sua ilha ou palco diz algo assustador: “Meu fim é meu desespero”.

Pois é. Os dias de hoje são chatos. Boring. Todo mundo é “alguém”. Tem site pra tudo que é lado, muita gente importante! Uns falando dos outros. Incesto perde! Ataque depois de ataque. Só que nada vira nada, tudo em nome de alguns minutos de fama e da auto promoção. Ninguém mais presta atenção em nada. Tudo vira uma coluna ou um email e nada sobrevive à História. Ou, pelo menos, poucos.

Já foi época. São poucos os heróis.

Bernard Levin, por exemplo. Eu devorava suas crônicas no Times de Londres. Irreverente ao extremo, se metia em confusões, era atacado mas não havia a internet que confunde tudo, pasteuriza tudo, faz o que o Suzuki faz em seu restaurante: comida italiana servida por japoneses que não falam uma palavra de inglês. Mas tentam. O Basta está no próprio nome do restaurante e o homem jogava futebol no time do Pelé!

Me perdoe o leitor mas o stress me pegou. Pegou meu esôfago, meu estômago, uma úlcera talvez. A coluna da semana passada teve uma otima repercussão entre as pessoas que importam, mas o que importa isso?

Não vivemos mais em época interessante e, ainda hoje, quando olho pra cima, meu universo só se acende quando acende um refletor. Não pretendo ser nenhum Johannes Kepler ou Galileo e me aprofundar no vazio do universo. Deus me livre. Fico mesmo com o teatro vazio ou cheio. Mas – juro – ficar discutindo o dia a dia da política manipulada (existe outra?) e conjecturando o “who is who”de amanhã quando até hoje não sabemos de onde surgiu a bala que matou John Kennedy em novembro de 1963 e que calou o mundo (ah sim, claro, ela veio do “livre” atirador Lee Harvey Oswald, pai do cineasta Oliver Stone e sobrinho do seu proprio assassino, Jack Ruby!!!!). Basta!

Ficamos nós, pobres imbecis, dia após dia, tecendo um tapete persa (perdão, iraniano) de possibilidades dentro de algo que chamamos de realidade quando isso tudo não passa de uma tremenda ficção delirante, alucinógena que nem Jung colocaria no prato de seu mestre Freud junto com uma fileira de vocês sabem o quê! (E bota delírio nisso!Tim Leary é fichinha!).

Meu outro herói da adolescência foi o Arthur Koestler, dado como louco (óbvio) já que, além de defensor da euthanasia acabou se suicidando mesmo com a mulher mais o gato – tremendo suicidio esse, em Londres. O homem veio da sua Hungria via Viena e seu livro “Arrow in the Blue”…enfim, berrou até o fim contra as atrocidades de Hitler, mas e dai?

E daí? Me pergunto todos os dias. E daí? Somos tantas vozes e tantos sons que, no fim, parecemos algo atonal, algo de “Erwartung” e Schönberg, algo que se espera, assim como em Godot de Sam Beckett e que nunca vem. E fica lá aquela árvore enervante como se fosse um posto do tempo vazio vigilante.

Temos que mudar de página. Um dia, a “página terá que mudar de página” porque “falta cultura a essa falta de cultura” (frase da minha peca “Um Bloco de Gelo em Chamas” que falava, entre outras coisas, da Guerra Fria).

Ah…tempos gloriosos! Nikita Krushshev batendo com o sapato na bancada da ONU (eta orgãozinho de merda essa ONU!), crise dos mísseis da baia dos porcos, e depois o ucraniano Brezhnev naquele Kremlin nas ranhuras da loucura com perseguições de todos os tipos! E tudo continua igual, digo, de certa forma, é claro!

Próspero, no solilóquio final, pede aplausos, porque somente através deles poderá ser libertado dessa sina.

Nossa sina? Falta de poesia, falta de humor. Falta um pouco de compreensão histórica: nos atacamos por nada, ou por pouco, muito pouco.

Apesar da úlcera, vou no Suzuki mais tarde pedir um daqueles pratos que ele inventou, aquela macarronada globalizada, que ele deve ter pensado durante um gol do Santos. Ele vai fingir que se lembra de mim, vai apertar minha mão e vou sentar no meio daquilo tudo e comer com o resto da rapaziada para esquecer que temos “etnias” e que viemos de lugares diferentes mas que vamos todos pro mesmo! Sim, pombas. Escuro? Claro? Quem saberá? Ah sim, ia esquecendo. Pirandello, não. A Warren Commission, não, ela não. O Elton John não, que nada! O pai do Dode Al Fayed, não, a Harrods continua cheia. O Bush, não, ele tambem não. Quem era mesmo? Não tem importância. Amanhã estará tudo deletado.
Gerald Thomas
diretodaredacao.com


PS: que bom, o Peter Punk voltou!

do Carlos sobre um musicista brilhante (ai se os leitores soubessem...ai se eles soubessem o que eu sei....)
Marcelo Moraes Caetano: não entendi o texto, mas você me veio como uma revelação: falta um Mínimo Múltiplo Comum!!!! Achem o MMC e estaremos resolvidos. Achem o MMC, não o MMC. O MMC está no Rio de Janeiro, mas e o MMC do tudo? Sem o MMC, o MMC pode escrever o quanto quiser que nada levará a nada. Ou seja, NLN. MMC, você tem idéia se NLN é a resposta final do MMC que procuramos? Porque se NLN é a resposta, não adianta MMC, concordas MMC? BN (Boa noite)
Carlos


...eis ao que o Carlos (US) se refere:
[Marcelo Moraes Caetano] [Rio de Janeiro/RJ/Brasil]
É, os ícones de hoje são todos iconoclastas. Esse paradoxo ocorreu em outras eras, talvez de modo até mais intenso. No entanto... não havia como MOSTRAR todos os sortilégios e dodecafonias mundiais históricos e extemporâneos, porque simplesmente não havia TANTOS VEÍCULOS... Lembra-me uma frase do Paulinho (Paulo de Tarso, sabe?) "Não foi o crime que inventou a lei, foi a lei que inventou o crime". Dada a vênia devida à paráfrase mal-ajambrada (que lembra Saussure versus Lacan) a "culpa" do mundo de hoje não é do mundo de hoje, é - será? - da "lei" do mundo de hoje - espalhar informação. "Não há nada oculto que não venha a ser revelado" -disse outro ícone, Jesus, the popstar. A pasteurização do GLOBO (OPS) nos deixa ainda nauseabundos e perplexos, diante do conhecimento tão complexo e vasto que, da noite para o dia, revelou-se-nos. É difícil ser antropofágico ante a nova lei: saber tudo. E a causa-conseqüência de tudo está na lei... que nós mesmos quisemos escrever outrora. Agüentemos!



do Vamp
A época em que vivemos é a melhor da história. Ainda temos algumas estátuas a derrubar? "Não há estulticie maior do que atirar sal no mar e estátuas no chão"... "Não em torno de novos barulhos: em torno dos inventores de novos valores, gira o mundo, gira inaudível."(Nietzsche). TALES, não vem ao caso, neste momento, afirmar que foi exatamente o desejo de implantar uma utopia, um paraíso na Terra, que acabou gerando um verdadeiro inferno, do qual bem lembrou a SANDRA. Não vem ao caso questionar a Utopia que alguns esperam. Quero questionar o fato de se esperar, de ter esperança, esse o maior defeito que o ser humano pode ter. Não existirá, TALES, revolução que trará valor às nossas vidas. Ninguém quer ser salvo por nós. Devemos parar de tentar salvar o mundo e começar a viver. Ou seremos sempre "saudosos do passado, inúteis no presente e ardentemente adversários do futuro."(Bakunim). No mais, o que 68 trouxe de melhor foi o nascimento de um tal de Vampiro, lá em Curitiba. Abraço!
O Vampiro de Curitiba


Vamp: te respondi a questao do desenho dos tapetes atraves dos dois emails que tenho! espero que tenhas recebido e que o encanto nao tenha se quebrado!

  Escrito por Gerald Thomas às 16h24 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Frei Betto critica a Bolsa Familia

15/03/2008 - 08h39
"Frei Betto critica assistencialismo e pede reformas por "democracia econômica"

Leia mais clicando no link acima.



  Escrito por Gerald Thomas às 13h43 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


por Felipe Fortuna

QUANDO QUEIMAM AS BIBLIOTECAS
Felipe Fortuna

Tudo é possível quando a política se une à barbárie – incluindo-se a publicação de um livro e a queima de uma biblioteca. Cada um de nós reagirá de modo previsível diante do lançamento editorial e do ato de vandalismo: respeito e admiração por um, horror e repulsa pelo outro. Num poema ainda ensinado nas escolas francesas como lição de humanismo, “De Quem é o Erro?”, Victor Hugo castiga com dureza uma pessoa que acaba de confessar haver incendiado uma biblioteca. E começa a exclamar colericamente: “Crime cometido por você contra você mesmo, infame! / Você acaba de matar o raio de luz de sua alma! / É a sua própria chama que você acaba de assoprar! / (...) Uma biblioteca é um ato de fé (...) / Então você esqueceu que o seu libertador / É o livro? (...)” Terminada a longa descompostura, em tom de sermão, o poeta que falou sobre a verdade, a virtude e o progresso permite que o delinqüente possa pronunciar uma única frase: “Eu não sei ler.” Subitamente, todo o poema se transforma numa composição irônica na qual a força moral do poeta torna-se oca diante do descaso da sociedade em relação a um analfabeto, que reagiu e se vingou a seu modo.
Por associação, lembrei-me do poema enquanto lia um ensaio perturbador, “Por Que Queimamos as Bibliotecas?”, que trata das violências sociais contra a cultura escrita. Seus autores são dois sociólogos franceses, Denis Merklen e Numa Murard, estudiosos dos recentes episódios de revolta popular que atingiram os subúrbios de Paris – e, especialmente, as bibliotecas de bairro. Eles explicam que, desde 2005, dezenas de bibliotecas foram atacadas e destruídas por moradores do lugar, e se perguntam qual seria o alvo nos casos em questão: uma instituição pública? um prédio que representa o poder ou a República? Essas questões conduzem os sociólogos, por fim, à interrogação decisiva: o que significa, para os vândalos, uma biblioteca?
Imaginei que, tal como aconteceu no poema de Victor Hugo, os responsáveis pelo incêndio seriam chamados a falar, para que pudéssemos conhecer sua motivação. Seriam eles “analfabetos” ou cidadãos “que não sabem ler” e protestam, então, contra os poderosos “iletrados” que se encontram do lado oposto? Não escapa aos sociólogos a quantidade de contradições acumulada no ato de destruir: pois, embora trazida pela municipalidade, a biblioteca oferece algum prestígio ao local. No caso de um país como a França, a biblioteca também se ocupa de abrigar a cultura de diversas etnias, e assim há livros em árabe, em línguas asiáticas e em espanhol nas prateleiras. Trata-se, pois, de um espaço de afirmação individual – a servir até mesmo às mulheres, que encontram na biblioteca, muitas vezes, um modo de escapar ao controle patriarcal.
Aparentemente, contudo, “as bibliotecas são percebidas às vezes como uma força social vinda do exterior”. Ou seja: o espaço de leitura atuaria como a imposição de uma ordem sobre a outra, pela qual até mesmo a disciplina, o isolamento e a interiorização que caracterizam a relação do corpo com o livro se opõem à cultura da rua – que se manifesta pelos protestos do rap, do hip-hop e por agitações e movimentos ruidosos. Nesse sentido, o Estado promoveria um “espaço de virtude” contrário aos desarranjos sociais. Pior ainda: como se fossem a repercussão do poema de Victor Hugo, os ataques recentes às bibliotecas são executados pelos excluídos dos empregos e das escolas, que se sentem ameaçados pelo poder estabelecido a partir do domínio da palavra escrita. Ou como exclamou um cidadão entrevistado para a pesquisa sociológica: “Me dê trabalho no lugar de bibliotecas!”.
Infelizmente para os que se horrorizam diante da queima dos livros, os protestos nos subúrbios de Paris demonstrariam que uma biblioteca pode ser apenas um presente estatal com vistas a serenar os conflitos da sociedade.
Termino a leitura do ensaio em estado de perplexidade: sou de um país onde as bibliotecas são historicamente atacadas não por incendiários populares, mas pelo contínuo abandono e pela escassez de recursos financeiros e humanos. Em vez de fogo, há mofo, poeira, descaso e obsolescência. Na minha infância, por mais que insistisse, não havia biblioteca pública habilitada a estimular a leitura ou alguma vocação. Estudei numa faculdade federal cuja biblioteca, segundo me relatam, foi indignamente surrupiada: pilharam-lhe, por exemplo, edições raríssimas de Luís de Camões e primeiras edições de Machado de Assis, em meio a goteiras e infiltrações. Portanto, se houvesse necessidade de uma agitação social, no caso em questão, creio que teria caráter paradoxalmente construtivo: as pessoas exigiriam locais adequados de leitura, em vez de incendiá-los. E existem iniciativas assim, freqüentemente focadas pela mídia como excentricidades: o pedreiro que mora num subúrbio carioca decidiu transformar a sua casa em biblioteca, pois considera que “o livro transmite a vida”; em Brasília, um comerciante estabeleceu um sistema bem-sucedido de empréstimos grátis de livros em pontos de ônibus.
Mas algo ainda me inquieta nessas histórias de vândalos e bibliotecas. Trata-se, em poucas palavras, de uma advertência que encontrei num ensaio justamente intitulado “Alfabetização Humanista”, incluído por George Steiner em seu livro Linguagem e Silêncio (1967). O autor indica que estudará “linguagem, literatura e o inumano”, e se mostra pessimista quanto ao valor de uma cultura literária e humanística: “O grau máximo de barbárie política desenvolveu-se no cerne da Europa. (...) Sabemos que alguns dos homens que conceberam e administraram Auschwitz foram educados lendo Shakespeare ou Goethe, e continuavam a lê-los. Isso tem uma óbvia e assustadora relevância para o estudo ou ensinamento da literatura.” Para o crítico, haveria “uma contradição entre o teor de inteligência moral desenvolvido no estudo da literatura e aquele necessário ao discernimento social e político.”
O que fazer? Estaríamos sob o ataque dos que não sabem ler, dos que não querem ou não podem ler, e dos que sabem ler e não se importam com os valores humanistas essenciais. E é por isso que as bibliotecas queimam – e, em casos extremos, as pessoas também.
Felipe Fortuna


comentario do Carlos
[Carlos] [US ]
Oh...dois dias fora do mundo cibernético e parece que séculos e séculos já foram discutidos. Pois bem, recentemente andei visitando alguns blogs situados em revistas bem populares. Baseado nesses blogs, chego a uma conclusão bem simples no que se refere aos "incêndios" em bibliotecas: TODAS as bibliotecas do mundo e TODOS os livros podem ser queimados, DESDE que não queimem a BÍBLIA e os exemplares da revista VEJA.



da Valeria
Achar q a leitura vai ensinar/incentivar/promover/apururar o espírito de alguém, q só só há um caminho/objetivo p quem desfruta disso é tolice; talvez possa estimular a capacidade de pensar e argumentar, de transformar;mas pode manipular tb,pode ser violência tb. Há um horizonte de caminhos possíveis, pensáveis e impensáveis. O q vai se fazer c/ isso, como será consumido ou estruturado ñ se sabe. Sem falar no fato q a gente cola arte com função, gosto, moral, beleza... Vc pode enriquecer urânio com objetivos diversos; vc pode escolher o q fazer com tudo, a História taí como exemplo. Consumir, receber, usar, pensar, mudar?Lembro duma frase q mexeu comigo: "nunca houve um monumento da cultura q ñ fosse tb um monumento da barbárie ...uma cultura ñ é isenta de barbárie, ñ o é tampouco, o processo de transmissão da cultura", Benjamin. Felipe pergunta: o q fazer? Uso Tchehov em seus incontáveis contos p responder: ñ sei. As bibliotecas somos nós; nós estamos queimando outros e nos queimando.
Valéria

Mau: diminua o Rivotril: a longo prazo eh peeeeeesssssimo! Eu que o diga! LOVE G

do Vampiro Inao vivo mais sem vc e vc sabe disso!!!!)
Sandra, o Gerald "tá di mal" com a gente, he, he...Só destaca comentários dos "progressistas". Não perceberam ainda que hoje eles são "o velho" e nós o "novo". Que eles são os "reaça", com suas crenças, ideologias que cheiram a mofo..
O Vampiro de Curitiba


  Escrito por Gerald Thomas às 13h24 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


sobre o Manhattan Connection, do Blog do Reinaldo

Gerald Thomas, Arnaldo Jabor, Nelson Motta...
Leitores estão lembrando que Diogo Mainardi não substituiu Paulo Francis no Manhattan Connection logo de cara. Sim, mas ele não está afirmando isso. Refere-se a algo que seus críticos dizem por aí: “Pensa que é Paulo Francis?” E a resposta vem com uma auto-ironia, exercício em que Diogo é imbatível: “Eu o substituí no programa exatamente da mesma maneira que Gilson Beija-Flor substituiu Pelé no Santos.” Sim, é claro, Manhattan teve antes outros participantes na, vamos dizer assim, “vaga” de Francis: o primeiro foi Gerald Thomas; depois, Arnaldo Jabor. A exemplo de Diogo, compunham uma bancada que fazia o elogio da diversidade, cada um segundo o seu estilo, a sua experiência, a sua formação. Na equipe original, estava também Nelson Motta. Todos eles, cada no seu estilo, contribuíram para garantir o que deve ser o mais longevo programa da TV por assinatura no Brasil. Se houver algum mais antigo, me digam. Boa parte das virtudes do Manhattan se deve à condução sempre amistosa e segura de Lucas Mendes e à pauta do meu amigo Caio Blinder (ih, Caio, contei: vire-se, hehe), que escrevia no Primeira Leitura.
Reinaldo Azevedo

A respeito do Tibet e a CHINA (o constante MASSACRE que os Chineses impoe sobre os Tibetanos: aqui um comentario de um amigo e colaborador Chines, Dani Hu)
Olá amigo ! E além desta loucura toda de não deixar entrar, no Tibet e população e os MOnges Budistas são presos e apanham da policia sem que as imagens possa sair de lá. Pois é, ano de Olimpiada... "Mens sano corpore sano" ?... Abraço
Dani Hu


Otimo comentario do Contrera sobre o Manhattan ConeX
pois é: sempre se defende que os polêmicos são sempre apenas a azeitona do pastel. bobagem. mas sempre vao dizer isso. paciência. não vejo nada demais no lucas mendes, muito menos no caio blinder. nem assisto manhattan connection. até porque: conectar o quê com o quê? a grandiosidade do dinheiro com a pequenês dos sem-dinheiro? sorry, mas é o que penso. carinhos contrera
Contrera


  Escrito por Gerald Thomas às 01h21 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Contardo e Reinaldo sobre Brasil e Espanha na luta da entrada

Sobre a questao dos brasileiros barrados na Espanha, e os espanhois barrados no Brasil (ai, deus, me de paciencia!) aqui, dois brilhantes pontos de vista. So que pra ler o Contardo ate o fim, acesse o folha online e….

CONTARDO CALLIGARIS

É proibido viajar

A modernidade, que começou com a livre circulação, acaba proibindo a viagem
NO EPISÓDIO dos jovens pesquisadores brasileiros barrados em Madri, as autoridades espanholas agiram como se o cônsul-geral do Brasil contasse lorotas para facilitar o trânsito de imigrantes ilegais. O desrespeito justifica a "retaliação" brasileira. No mais, a cada dia, as fronteiras do mundo (não só do primeiro) barram alguém que tenta viajar, sobretudo se for jovem, solteiro e sem as aparências de uma "vida feita". Ao atravessar uma fronteira, o passaporte prova que estamos em paz com a Justiça de nosso país. As outras nações devem decidir se somos hóspedes desejáveis. Nas últimas décadas, as "condições" para ser desejável se multiplicaram. Hoje, no caso da Espanha: 1) 70 por dia de permanência planejada; 2) passagem de volta marcada; 3) reserva de hotel, já pago; 4) para quem se hospedar com parentes, formulário preenchido....
(pra ler o resto vá até a coluna ) (para assinantes Folha ou Uol)


DO BLOG DO REINALDO AZEVEDO

Pra ler o artigo do Reinaldo por inteiro,
va pro blog do Reinaldo.

Amadores! Prepotentes! Recalcados!
O que temos aí é uma soma de incompetência, amadorismo e complexo de inferioridade. É o triunfo do recalcado. Sim, o Itamaraty é incompetente. Não fosse a imprensa botar a boca no trombone, nada teria acontecido. Os brasileiros vinham reclamando havia tempos das dificuldades, e nada acontecia. Quando alguns casos vieram à luz, então decidimos, com a inteligência de um brontossauro, “reagir” e mostrar “presses ispanhóu quiquem mandáqui é nóis”.

Antes de tentar resolver qualquer problema, Celso Amorim subiu nas tamancas, fez cara de bravo, e eis que, de súbito, havia um ministro de dois metros de altura falando em nome da honra dos brasileiros.

Quando boliviano passa a mão no traseiro do Brasil e lhe rouba a Petrobras, o governo fica de bico fechado, não é? E Lula ainda chama o índio de araque de “meu querido Evo”. Como somos altaneiros, só aceitamos ser humilhados por países pobres.

Que espanhol em situação irregular não entre. Mas que não entre nenhum estrangeiro em situação irregular, ora essa.

E finalmente: é claro que há responsabilidades coletivas etc etal. Um governo age em nome do seu povo, de todos os cidadãos etc. Mas daí a tiranete de aeroporto ficar falando em “meu país” vai uma grande diferença. O que devem fazer, então, os espanhóis como reciprocidade? “Não, não vai entrar. Há muito brasileiro ilegal no meu país”

Amadores!
Prepotentes!
Recalcados!

Por Reinaldo Azevedo



VAMPIRO: eu estou tao "por fora" das noticias que nem sabia da candidatura do Gabeira (que amo de paixao) (sou amigo dele desde 1724)!!!! Viva ele!!!!! Viva o Partido Verde! Amarelo! Azul!



  Escrito por Gerald Thomas às 20h18 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


um MEGA comentario

Amado Gerald, essa neura, mais estadunidense do que de qualquer outro país do mundo, de achar que há tanto mérito em se viver uma vida "pública" (ou melhor, exposta) de cunho calvinista, puritano, luterano etc-ano... já desmoronou, ela sim, há muito tempo. Não foi "mais um" homem ou "mais uma" mulher que ruíram, carcomidos por ratos e vermes de hi-po-cri-si-a. Foi todo o antigo e obsoleto "edifício" da própria hipocrisia que carcomeu cada uma dessas pobres "almas desalmadas", que crêem que é realmente importante mostrar ao mundo uma perfeição moral de fundo religioso que - puta que pariu! - não apenas é chata pra c..., como, sobretudo, inalcançável, impossível. Por que o ser humano tem vergonha de ser humano? Por que não admite prazeres e desprazeres, erros e acertos com NATURALIDADE, e não com máscaras "ISTAS" que, cedo ou tarde, CAEM COMO FANTOCHES BÊBADOS... Todo fantoche é bêbado. É só questão de esperar o álcool fazer efeito para tornar-se ébrio... e cair. E VIVA GOTHAM CITY! MMC
Marcelo Moraes Caetano

Mas o problema nem foi o fato dele ter transado com alguem fora do casamento (vai que a mulher dele ja sabia de tudo e levava numa boa?). O problema foi o fato de ser com uma prostituta, e prostituicao aqui eh ilegal. Ele era (ainda eh um advogado) o governador e acreditava-se que ele lutava pra que a lei fosse cumprida. Eh isso. Eh sobre um ato ilegal vindo de alguem que se dizia super correto. Nao eh sobre sexo. Isso eh problema dele com a mulher dele. Ou eu to viajando na maionese? E viva Gotham, claro.
da Andrea

Homessa ! Eu sabia que tinha que ter um dedo brasileiro nessa história do Governador putanheiro ! A cafetina brasileira Andréia Schwartz contribuiu decisivamente para montarem a arapuca no Spitzer, revelando que ele era um cliente VIP assíduo da agência. É O BRASIL-IL-IL-IL ! Sobre a tal fachada moralista que procura ocultar o óbvio desses caras, dado que são tão humanos como qualquer um, o que me intrigou mais foi a mulher dele com aquela cara de humilhação mal deglutida diante dos holofotes e da "retratação" do maridão pula-cerca! E, independentemente do caráter auto-imposto de penitência implícito no ritual de retratação e auto-imolação, expõe a nu a hipocrisia de quem constrói a imagem pública de "incorruptível","moralizador",etc., na verdade jogando na cara de vasto eleitorado que o elegeu um espelho que deveria refletir bem, mas que se despedaçou. Política via de regra parece-me ser"acting"puro, e compra o produto quem quiser. Leitores desinformados, messianismo a granel..
do Sergio Penteado



Sergio: essa coisa de ACTING vai render: mas somente um adendo: acting, apesar de incluir o "necessario fingimento" nao eh de todo FINGIMENTO FALSARIO
GT - mas no momento, apesar da minha terrivei asia (nao, nao eh China, Japao, Filipinas, eh heartburn mesmo) e gastrite) estou gostando do debate!



  Escrito por Gerald Thomas às 11h48 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Renuncia de Spitzer, Hillary tem um superdelegado a menos

Tanto super delegado pra la, superdelegado pra ca, daria pra fazer um comic strip com o pobre coitado do Christopher Reeve. Superhomem de cadeira de rodas! Governador puritano pego em flagra em prostibulo e asim vai. Vamos parar com essa HI-po-cri-sia.

Todos esses District Attorneys, ou Attorney Generals ou Governadores ou Senadores ou Presidentes que vao "too hard" "crushing down too hard" num so issue, como prostituicao ou drogas: (eses cleaner uppers) pode ver, pode anotar: eh porque estao hiding in the closet! Mais cedo ou mais tarde sao pegos com um pe na lama, outro na merda

No New York Times de quinta:
"O Gov Eliot Spitzer, cuja ascencao ao poder politico se deve a sua forte defesa da etica na vida publica, foi desfeita (desmoronou) atraves de revelacoes do seu proprio envolvimento com prostitutas; ele renunciou na quarta feira sendo assim o primeiro Governador de NY a renunciar ao cargo em quase 1 seculo. A renucia sera efetuada na segunda feira proxima ao meio dia e seu vice, David A Paterson, um legislador estatal por mais de 22 anos eh herdeiro de uma disnastia politica do Harlem (Paterson eh negro e cego). Paterson sera o 55 Governador de NY e o primeiro negro no cargo.

Eu , Gerald, fico feliz: a mentira politica, nos consome. Viramos consome (acento no ultimo "e") (sim, aquela sopa mesmo, o caldo do bicho morto!)

Comentários:
 
Por falar em lados direito e esquerdo do cérebro, comparando seu post Eu SOMOS Tantos com o do Reinaldo, Eu sou UM, vemos como vocês são gigantes nesses mundos complementares. Ele é lógico, claro, um mestre da argumentação. Você é sensação, emoção, a alma que sangra. São como ying e yang , a estátua do Cristo Redentor e a do Borba Gato (fica a critério de vocês decidir quem é quem). Mas, voltando à política,... acho que os americanos têm obsessão por sexo. Lembro-me do julgamento de Clinton. Os juízes com aquelas caras sérias descrevendo uma relação repleta de detalhes íntimos e discutindo se ele tragou ou não... Seria até cômico, se não fosse cruel. Que temos com isso?
Da Sandra

Pra "MANTER NÍVER" o melhor seria nem tocar nesse assunto de política, CERTO? Pelo menos não aqui, onde se permite o contraditório. Falar de Política só dá certo onde há unanimidade, ou seja, quando todos ou são da Oposição ou são da Situação. Como não é este o caso, seria como discutir Religião ou Futebol: não chegaríamos a lugar nenhum. É uma pena, porque a Política é importante, mas falar dela só é bom se jamais mentíssemos e se aceitássemos rever nossas posições diante de evidências irrefutáveis. Já pensaram? “Ih, desculpe, você tem razão: vou mudar de partido, nunca mais vou votar no fulano, vou passar a votar no ciclano...”. Quem dera... A propósito, se há alguma arte na Política, é a arte de mentir. Todo santo dia temos aula disso na televisão e nos jornais. Aliás, não sei se é aula, não: parece mais programa humorístico. Ou o contrário: NÓS, os eleitores, é que somos os palhaços.Por que, então, não falarmos somente sobre algo em que a mentira não tem vez - as Artes,por exemplo?
Do Paulo



  Escrito por Gerald Thomas às 19h49 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


agradeco a todos

Pelos votos de melhora! Muito legal, mesmo!
Mais tarde estarei de volta
muito a dizer: muito
LOVE
Gerald (NY nao para, e eu tambem nao!)



  Escrito por Gerald Thomas às 10h06 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


os comentarios estao maravilhosos

So um editor muito burro nao publica partes desse blog em forma de livro. Nao eh nem por mim, mas eh pelos comentaristas mesmo! Fico orgulhoso, sinceramente!

Agora, por outro lado, vindo do terminal 4 do Kennedy Airport, ja acho que o mundo tem que acabar mesmo. Essa Babel esta ficando insuportavel. Terminal 3 de Heathrow tambem. Ja deu. Ellis Island ja foi assim. Deu-se um jeito. Nao sei mais o que esta virando isso. Nao sei nem o que tomou conta de mim: mas a mixordia.......a porcaria......Sorry. Calo-me.
Parabens a todos por elevarem o nivel da conversa. Esse pretende ser um Blog onde se dicute arte, principalmente e nao politica: a politica esta em jornais, esta na TV e esta no blog do Reinaldo e no do Sergio Davila ou la no DR e com pessoas que comentam melhor que eu.Viva a pouca arte que ainda resta! Se eh que resta!
LOVE
Gerald


 

do Fábio
Sabe, Géraldo..! Você é um cara muito chique, né...!?Está sempre sofrendo drãmas no primeiro mundo. Aeroporto de nóva york, LOTADO, daqui a pouco em london tb, ESTRESSE TOTAL, já já em frânqui-furte,ÃÃRGH..!!..Nunca ví você reclamar do terminal TIÊTE numa SEXTA FEIRA, VINDO PRO INTERIOORRRRR..!aquele POVÃO ACUMULADO E SUADO, aquele monte de saco de algodão, mala, salgadinho caindo, latinha de cóca,...ããrnnn....e ÓLHA QUE EU SOU DE ESQUERDA, HEIN!...você NÃO....!sempre ACIMA DO EQUADOR! sempre por cima da CARNE SECA!! pÓSSO PERGUNTAR UMA COISA MEIO INDISCRÉTA/??!!Não precisa responder,ok? Você VIVE DE QUE? Esse VIDÃO é tudo com GRANA DE TEATRO????? Se for...!!MEU....!!!eu tiro o chapéu.!!Todo mundo que eu conheço que vive de TCHIATRU, tá numa M.!Mãããns....fazer o que né, um dia ainda PISO na big apple!!!!Bom..se você ainda estiver no aeroporto só pósso desejar BOA VIAGEM, ok?!abraço.
fabio

do Tales
"Sabe, Géraldo..! Você é um cara muito chique, né...!?Está sempre sofrendo drãmas no primeiro mundo. Aeroporto de nóva york, LOTADO, daqui a pouco em london tb, ESTRESSE TOTAL, já já em frânqui-furte,ÃÃRGH..!!..Nunca ví você reclamar do terminal TIÊTE numa SEXTA FEIRA, VINDO PRO INTERIOORRRRR.." Ri muito, Fábio!!! Hahaha. É impossível não sentir um pontinha de inveja lendo os dramas chics do Gerald. Como disse um amigo meu sobre um outro amigo dele: "É, tem gente que vai à NY e tem gente que vai à Campina Grande."
Tales


do Jorge: em movimento no Rio
Meu nobre Gerald, "...a politica esta em jornais, esta na TV e esta no blog do Reinaldo e no do Sergio Davila ou la no DR e..." Você esqueceu... Está no www.táxiemmovimento.com.br... JS
Jorge Schweitzer

e do Carlos aqui na PQP
FÁBIO, respondo aqui nesse post mesmo, mas é de lá de baixo: caracas, eu falo da Adjani e você rebatou com a Lippi? Tá certo, até entendo as semelhanças, mas só mencionei a Isabelle porque ela fez um filme de vampiro que gosto muito (a versão dos anos 70 de Nosferatu). Fora isso ela fez Camille Claudel, um filme talvez romântico demais, mas bonito e ela está simplesmente maravilhosa. As mulheres do blog que me perdoem por eu falar da beleza feminina apenas. Podem falar da beleza do Gerard Depardieu que trabalha nesse filme também (Rodin). Vão ter que se esforçar muito pra me convencer que o cara é bonito...Pois é, TALES: utilitarismo e beleza, eis os pilares da sociedade atual. E SANDRA: gostaria de acreditar que o público quer alcançar a luz e que o artista carrega a luz divina. O pública quer alcançar a luz pra desligá-la de vez e o artista carrega é uma vela nas mãos ou porque está de luto ou porque cortaram a energia da casa por falta de pagamento.

e do Vampiro, da Sandra e outros na tripa.....
LOVE
GT

Eh sobre o nosso Governador, o Spitzer, agora um Spritzer
do Carlos (US)
VAMPIRO:você me decepcionou muito com seu comentário. Qual a relação do cara ser democrata com o escândalo da prostituição? Será que todos esses livros de filosofia ginasial que você leu não lhe capacitaram pra separar as coisas? Primeiro lugar: qual o problema do cara estar ligado com a prostituição? Se há um problema, é da sociedade que trata a prostituição como crime, até hoje não consegui ver o que há de errado nisso.Segundo: se o cara usou dinheiro público pra pagar pelos seus prazeres ou controlar uma rede de prostituição, aí tem que responder pelo crime, seja democrata ou o escambal. Se for dinheiro dele apenas, o problema deveria ser dele e da mulher dele. Pouco me importa se o cara gasta a grana dele contratando prostitutas (maravilhosas por sinal). O que é agora, uma lição moralista? Já não bastou a covardia dos republicanos no caso do Bill Clinton? Mas a sociedade estúpida conservadora disse a que veio: sexo oral com secretária não pode, só pode matar milhares de inocentes.
Carlos

O Vampiro contra-ataca
Eu lhe decepcionei, Carlos? Com uma simples pergunta? Você deveria estar decepcionado com os moralistas do seu partido Democrata, não comigo. Covardia dos Republicanos, Carlos? Que eu saiba o Bill Clinton mentiu para o Congresso e povo americano, assim como mente Spiltzer. Ahh, entendo, é a sociedade estúpida conservadora que não presta, né? Além de você eleger como metas para uma sociedade a futilidade e a feiura, agora elege também a mentira. Você também me decepciona, Carlos.
O Vampiro de Curitiba 

Mais Vampiro
Pessoal, não que eu deva satisfação a ninguém, sou dono do meu nariz (que a polaca não nos ouça). Mas quero deixar claro que não sou moralista nem nada parecido. Só quis desmontar o maniqueísmo do nosso amigo Carlos. Aqui na Banânia vocês lembram, né? Tinha um partido que era o dono da ética, da verdade. Os "outros" eram todos do "Mal". Deu no que deu... Essa madrugada presenciei uma das cenas mais tristes do nosso Legislativo com a aprovação de uma medida provisória que cria a "TV Chaves", ou "LulaNews" se preferirem. Nem vou entrar no mérito da qustão. Mas a forma como foi criada e os discursinhos da base aliada, depois que a oposição se retirou foi patética. Deprimente!
Neste mesmo sentido, de demonstrar o maniqueísmo dos "progressistas" e de afirmar que as palavras têm sentido, é que coloquei a questão dos 15 minutos de fama. Um dos motivos que me afastam do teatro é que tem mais pessoas no palco do que na platéia. Todo mundo quer ser "modelo e atriz". Mas o fato de pessoas expressarem suas privacidades em blogs e afins, o que tem demais? Deveriam se recolher em suas cavernas? Visita o blog quem quiser, oras. Não consigo entender esse "progressismo" de vocês.
Carlos, seja sincero: Eu lhe causei decepção ou surpresa? Nem tudo é o que parece, né? Talvez eu seja mais bem informado do que você imaginava. Da próxima vez, pense antes de julgar alguém. "Intelectualizado" não é quem compartilha as mesmas abobrinhas com você. Não sei o que você entende por "livros de filosofia ginasial", mas pode ter certeza absoluta, digo isso sem nenhum medo de errar, leio muitos mais livros em um ano do que você em toda sua miserável vida. Em quantidade como, e principalmente, qualidade.

PS: se eu ficar um pouco ausente do Blog, me perdoem, mas realmente eh por problemas de saude. So um dia ou dois no maximo
LOVE
G



  Escrito por Gerald Thomas às 23h18 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


AOL EH UMA MERDA, PIECE OF SHIT e sobre o Carlos e o Vampiro

Sunday UPDATE: service somewhat back to normal: aol rep tells me that I may have "lost" close to 500 or up to 700 emails: wow!

FRIENDS
AOL IS A PIECE OF SHIT
I'M UNABLE TO SEND OR RECEIVE EMAILS!!!!
TRYING TO SPEAK TO THEIR TECH SUPPORT IS WORSE THAN HITTING ONE'S HEAD AGAINST A HARD WALL.
FUCK THEM. THEIR AUTOMATED VOICE SERVICE IS A BAD JOKE!
OUTSOURCING!!!!! INDIA!

HAVE A GOOD CURRY IN MUMBAI AOL PEOPLE!
IN THE MEANTIME I'LL TRY TO GET ANOTHER SERVER
FUCK YOU!!!!!!!
GERALD

After listening to MUZAK of the worst kind........ and trying to hold the phone away from my ears..... for 15 minutes!!!! a voice says:
"our main server is down and our technical support is trying to solve this problem as soon as possible, sir"
BULLSHIT!!!!!

By the time they fix it, my box will be FULL (since AOL only allows 1000 emails to be displayed on the screen), those emails will be returned! FUCKERS!!!!!!



eh isso Tales
E todos nós estamos à mercê desses esquemas cretinos! Campeões de reclamações: empresas aéreas e telefônicas. O pior é que eles parecem ter tomado anestesia geral e ficam incólumes ao bombardeio de reportagens de relatos de reclamações.
Tales


Carlos e Vampiro: isso nao vai terminar na Transilvania ou em Bagdad ou nos contos do Trevisan. Isso vai terminar numa opera serialista de.....Salvatore Sciarrino em Padova na Italia (aquilo la, apesar de lindo, tem milhares de morcegos sobrevoando os ares la pelas 6 da tarde!) Vcs se amam! E eu tambem. GT

Gustavo (Florida, finalmente!)
Entrevista fantástica do Jon Winokur com Frank Zappa: http://home.online.no/~corneliu/curmudge.htm A pergunta: JON WINOKUR - You once said, "The United States is a nation of laws, badly written and randomly enforced," and within the past few years you've battled censorship and have been active in national politics. How do you assess the health of American democracy in the late twentieth century? (resposta no outro post).
Gustavo (continua na tripa de comments)


  Escrito por Gerald Thomas às 16h41 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Eu SOMOS Tantos

New York - Interpretar e representar na arte do palco são duas coisas inteiramente diferentes. Entenda a primeira como sendo a sua própria voz já adulta de ver o mundo e, através dela, você empresta o seu talento e se empresta para dar o seu depoimento, seja ele qual for. Digo, seja o “personagem” que for, em que peça for, seja qual for o conceito em questão. Não importa: quem esta lá é o ator e sua maneira de ver as coisas numa camada fina, ambígua e forte de ser e estar em cena sem estar 'moldado' pela mentirinha do teatrinho que quer fazer crer.

Já o ato de “representar” (haja saco, ensino isso há anos!), serve mais ou menos como “ser o embaixador” de uma técnica ou uma filosofia. “Sou um ator biomecânico” de Meyerhold, ou Brechtiano, ou Beckettiano, ou seja la de quem for, Artaud, Jean Jacques Lebel, Laban ou Grotowski, mesmo que fazendo uma peça de, digamos, Shakespeare…..cairemos nessa falsa e boba fórmula do fracasso, mas que o público compra, pois todo mundo ama uma bela enganação! Estão aí as novelas que não me deixam mentir.

Não é à toa que o teatro não está na lista das primeiras necessidades. Tem se entendido cada vez menos o que é esse tal de “acting” nesse mundo onde predomina o “método” que Lee Strasberg transcreveu para America, com o qual fundou o Actor's Studio na época do Group Theater. Funciona bem. Sim, pra alguns, funciona. Mas com microfone e câmera pertinho. Se tiver que projetar a voz, portar o corpo, ah, e usar diafragma, acabou. Pifou! O “method acting” foi bom pro Brando, Rod Steiger e De Niro, Pacino e milhares que ate hoje filmam em alta definição, Panavision, Televisão.

Mas não pro palco, onde a coisa é no gogó! É nisso que o Autran, Fernandona, Guilgud, Jackie McGowran e a Redgrave são indisputavelmente os e as melhores. Ah, e tem a Judy Dench, a Hellen Mirren e o Nanini. Teatro não é rock and roll, but I like it. Levei muita porrada na adolescência em Londres por não gostar dos Beatles e amar os Stones: Mick Jagger interpreta Mick Jagger! Não cria tipo. Ele é ele mesmo e não deita na cama por um ano fazendo campanha pela paz. Não raspa a cabeça ou segue guru na India. Não veste roupagem nova pra cada disco que saia.

Os Beatles? Representavam uma imagem e, justamente por isso, se perderam, des-bandaram.

Foi com enorme prazer que fui surpreendido, na quinta à noite - convidado pelo TheaterLab a ir ver, num simpaticissimo loft na rua 14, o trabalho do veterano Carlo Altomare. Ele, o Carlo, era ex-colaborador do Julian Beck, do Living Theater, aquele que eu dirigi em seu último trabalho em vida. Mais que isso. É formado em biomecânica, trabalhou com o Erwin Piscator (colaborador de Brecht) e fundou o Alchemical Theater Company na década de 80, aqui nessa metropolis. Foi um encontro maravilhoso.

Não sou companhia agradável em teatro. Os poucos que estavam lá estavam tensos com a minha presença. Confesso que nos primeiros minutos pensei em pular da janela, se houvesse alguma. Mas, de repente, como sempre acontece, a coisa muda. Nada é como parece (ou assim é se lhe parece!). Uma vírgula, uma frase, um movimento e….a interpretação (vivida e não representada) me trouxe pra junto do (não) “plot” do que estaria acontecendo no palco, se estivesse acontecendo algo nesse “work in progress”.

As magnificas atrizes do ensemble deliram em algo que só posso chamar uma mistura de Alexander Moissi (do Burgtheater de Viena, que acabou “inventando” um teatro cantado e, dessa forma seu Fausto de Goethe ficou na História. Moissi também se envolveu com Stephan Zweig, que morreu no Brasil), tudo isso misturado com Jim Carey. Sim, o Carey, o mascarento. Frases cortadas ao meio caricaturando a “nossa carência pós-moderna” sempre mais e mais do que queremos nessa sociedade insaciável.

Ah, sim, o nome do espetáculo do Carlo: “Appearance- a Suspence in Being”, num loft, numa galeria branca perto de onde Duchamp morava. Muito o que pensar depois de tanto Grotowski e de tanta farsa e sitcom misturado com nossos desejos sempre “não pronunciados”. Toda a questão do espetáculo gira em torno da frase que não se fala, mas quase. Bravo, Carlo!

Corta: 1972 lanca-se o filme Sleuth, com Laurence Olivier e Michael Caine (também mais conhecido como my cocaine). Original de Anthony Shatter, ele foi refilmado numa readaptacao de Harold Pinter e dirigido por Keneth Branagh, o brega. Fracasso, óbvio . O original é um masterpiece porque é um tipico mindfuck assim nos moldes de Heráclito, sim ele mesmo, “Se você não esperar o inesperado, não o descobrira de tão improvável e quão evasivo ele é” (algo assim). Sleuth é um duelo entre dois que viram três.

Eu sou um que viram dois ou quatro como nas melhores cidades: New York tem Uptown e Downtown, tem East Side e West Side, Paris é cortado e vira Gauche e Droite e moedas tem dois lados, todos os jogos tem dois lados, temos dois olhos, duas pernas, duas mãos e duas nádegas. O teatro e seu duplo (de Artaud) tem mais que dois. Mas quem está do lado de cá, vê o que a platéia está vendo, mas também enxerga os pregos e as alcaparras (inventei agora) que seguram o sarrafo que segura a incerteza do cenário. E ainda tem que olhar pro colega lixando as unhas na coxia.

No entanto, cobramos da vida uma certeza. Uma certeza do “sim e do não” como se isso existisse”. Como? Vou repetir a pergunta? Como? E por isso, nos filiamos a partidos politicos que, aparentemente, nos dão respostas prontas. Absurdo? Maniqueismo??? Sim, total.

Como Hamlet, estou cada vez mais impregnado de perguntas e posso , de fato, acabar enfiado na espada envenenada de Laertes. Sim, pode ser. Mas o ponto de questionamento é fundamental. Meu deus como é fundamental meu tio Claudius! Não, tio não, Claudius matou seu irmao e pegou o poder. Trata-se de um politico típico. Não, não te quero como tio.

Nessa companhia do Carlo Altomare, que amei, senti um certo guruismo. Assim como sinto com certos que andam por ai porque jogam com as cartas politicas xenofobicas e ganham rios de grana porque jogam as cartas certas. Em Sleuth, o negócio é quebrar a cabeça para se desvendar o mistério. Desvenda-se? Nunca.

O labirinto de Edgar Poe/Borges/Max Benze/Escher e suas escadas kitch que espelham a si próprias e começam em si mesmas nunca dão em nada , a não ser no lugar onde comecaram. Parece uma boa metáfora para a raça humana. A nossa referência é sempre o “eu”, sempre como “eu” posso ser melhor que “eu mesmo”. Melhor ainda: “melhor que o outro”, mas a troco de quê?

No meu sleuth particular, se não partirmos para a próxima e tivermos a generosidade de pararmos com os ranços disso daquilo e daquilo outro não teremos aprendido nada com ninguém, muito menos com a História, estaremos fadados a um time loop que nem o delegado Horacio de CSI Miami, o David Caruso (outro Caine, Horatio Caine), no auge da sua canastrice maravilhosa com ternos pretos nas praias de South Beach, consegue resolver com sua pistola.

Ou mesmo o Jack Malone do “Without a Trace”, um deprimido, solitario (Malone: anagrama de “I'm alone”, assim como “Malone Dies”, de Beckett), nos conduzirão ao fundo do buraco achando que a solução mesmo é o “racial profiling”, a matança com grandes explosões e nenhuma expressão (interpretação: ali eles nao representam: políticos representam), interpretam o vazio dos nossos tempos, o não dito, o des-dito, coisa que é tão simplemente feita e tão simplesmente, belamente, abordada na performance de Carlo Altomare.

Quanto a William Saphire, Ben Stein ou Henry Kissinger, escrevo na próxima. Mas que está tudo ligado, fiquem atentos. “Nem tudo é o que parece” - um quase Pirandello. Ou Abraham Lincoln: “ O melhor do futuro é que ele chega um dia de cada vez”. Boa frase de Lincoln . Frases são sempre boas. Nós tentamos nos provar através delas. A arte, não. Quando ela bate fundo , ela bate e cala. E nesse silêncio, vem o som do universo. E nesse som, somos um, dois , três, quatro…não temos mais que ter o compromisso partidário. Sinceramente?

A arte ainda faz sentido, sim. E como! E nessas horas deveríamos refletir sobre a baboseira, a enorme baboseira diária. O vazio diario. Como é doloroso esse vazio diario. Talvez por isso nós o preenchemos com baboseiras políticas.
Gerald Thomas
diretodaredacao.com


do Tales
Que os Beatles estivessem representando ao participarem dos Movimentos pacifistas e correlatos eu discordo. Acho que eles expressavam desejos autênticos, embora utilizassem de um meio privilegiado pra autopromoção e o massageamento "egal".
Tales


comentario do Carlos (US)
Tales: Adorno defendia uma arte pura, autônoma, que transcenderia o que ele considerava limitações ou vícios culturais. Só que aí começam os problemas e os tropeços que poderíamos discutir na sequência. Hoje é nostálgico pensar em Adorno defendendo a experimentação, que ele considerava a única forma de validar a arte, justamente pra garantir essa "não significação" da linguagem. Muitos artistas, na minha opinião, cumpriram esse papel corajoso. Por exemplo, Adorno era o maior defensor de Schoenberg. Só que a música continuou explorando outros caminhos depois disso, o que segue essa linha experimental e necessária, segundo Adorno. Só que sejamos realistas: tudo o que se busca na arte HOJE é o conforto. Saia da zona de conforto e sentirá na pele o apedrejamento, o fogo que chega pra queimar como sua heresia. Não acredito em absolutamente mais qualquer "frase" sobre arte. Foram todas pulverizadas por nós mesmos. O PERIGO acabou ou, na melhor das hipóteses, é controlado, dosado.
Carlos


  Escrito por Gerald Thomas às 14h46 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


sobre Marcelo Moraes Caetano e tem a Sandra

oucam e vibrem
esse eh o link
http://recantodasletras.uol.com.br/audios/cancoes/9943.


Parabéns a todas as mulheres pelo dia internacional da mulher, e também a todos os homens, pela porção mulher que todos guardam dentro de si
Sandra



  Escrito por Gerald Thomas às 12h12 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Esse Blog ja tem o botao RSS

Ou RRS ou SSR ou SSRI (anti depressivo - seretonina etc etc) ou sei la o que: Harumi mandou dizer que isso eh bom.
Pedro Cirne: obrigado
Gerald


  Escrito por Gerald Thomas às 19h01 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


pra ler o texto in full vá pro blog do...

O verdadeiro, o verossímil e o terror



Vou ligar para o meu amigo Gerald Thomas para conversar sobre a representação. Desde Aristóteles, vocês sabem, estão devidamente categorizados, para o drama, o verdadeiro e o verossímil. Não são a mesma coisa. Às vezes, são até contraditórios e excludentes.

Em arte, o que é o verossímil? Em última instância, é uma narrativa convincente, que acreditamos possível, ainda que seja essencialmente mentirosa. Mas é mais complexo do que isso, conforme ficará claro. Já o verdadeiro... Bem, por mais que se possa argumentar que a verdade é sempre relativa, é evidente que há dados da experiência que não podem ser contestados. Fiquemos no absolutamente óbvio: duas laranjas mais duas laranjas somam sempre quatro laranjas. A partir de uma certa dose, mínima, o arsênico mata. Isso não comporta controvérsia.

De maneira geral, a arte trabalha com o verossímil, com a impressão da verdade — mesmo que seja uma verdade não-realista —ou não-naturalista, como queiram. Há um filme de que gosto muito que leva essa questão para o centro do “palco”: Dogville, de Lars von Trier, estrelado Nicole Kidman, num desempenho formidável. Todas as verdades ali são demasiadamente humanas, mas tudo é feito para evidenciar a “mentira”: está claro, desde sempre, que aquilo tudo é “só” cinema (o correto, vejam o filme, seria dizer é “só” teatro). Nesse caso, a mentira serve gloriosamente à verdade.

PRA LER O TEXTO COMPLETO vá pro: http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo.



comentario do Carlos
Vampiro, minha tentativa é de pedir que AO MENOS você tenha um discurso coerente, ainda que cego. Em primeiro lugar: você ataca os blogueiros chamando de rebanho e depois diz que os outros é que baixam o nível. Cara, vai ser hipócrita assim em Curitiba. Eu disse: xingue e critique à vontade, mas ASSUMA que xingou. Não precisa se fazer de santinho. Segundo: não tem essa de ficar "espiando", meu caro. Entro no blog e escrevo quando quiser. Terceiro: cuidado com o discurso que beiro o racismo. Você parece sugerir que todo e qualquer muçulmano é terrorista. À propósito, NENHUM dos terroristas de 9/11 eram do Iraque. Você tentou ao menos se informar a respeito dos fatos antes de opinar a respeito. O teu herói Bush é um criminoso sim. Não é uma opinião minha, não é censo comum. NO MAIS, não vou mais criticar isso sozinho nesse blog. Se você acha o Bush "legalzinho" e os demais não dizem nada, então que seja. Minha crítica já foi feita. Passar bem.
Carlos (US)


do Vampiro (equal chance, nao precisa ficar chateado)

He, he, he... Que coisa! O Carlos estava este tempo todo em silêncio, só espiando, em protesto contra o fato de Gerald dar espaço para "o outro lado", mas não se conteve, teve que vir me atacar. Não sejamos tão infantís, Carlos! Podemos muito bem expressar nossas opiniões sem ter que atacar um ao outro, não acha? Só quero dizer que eu não choramingo, não me cabe o papel de vítima, muito pelo contrário. Quanto ao Bush, os americanos que decidam. Votaram nele em duas oportunidades e seu candidato será eleito com uma votação significativa. Eu sei! Os americanos não sabem votar, né? Aquele povo atrasado.. Os brasileiros, como os cubanos ou palestinos é que sabem. O Bush é um criminoso, né? Onde já se viu brigar com os coitadinhos dos "militantes" muçulmanos. Deve ser coisa do sionismo, né? Quanto a eu ser ou agir como velhinho, foi frustrada a sua tentativa de me rotular como representante do senso comum (pos abaixo). Superficialidade? "Tranformar em superfície o que parece profundo."


Carlos usa crucifixo e água benta contra o Vampiro


Calma Vampire, a diferença monumental, gigantesca, colossal entre esse fórum e o do seu 'rei', é que aqui as mensagens recebem o mesmo tratamento. Take it easy, não precise choramingar, tá vendo, tua mensagem está lá pra ser lida pela humanidade. Em tempo, eu não sabia da existência do 'rei' até outro dia, mas ao confrontá-lo com idéias, fui calado. Mas no blog ele faz questão de justificar que quem manda é ele. Grande justificativa pra quem agora quer escrever sobre o que é "verdade"! Sugiro que você evite distorções: ser contra o criminoso Bush não significa ser favorável aos terroristas. Agora, apoiar George Bush é endossar uma política de violência covarde como a aplicada no Iraque. Você insiste na sua ironia sobre as eleições. Quem votou em Bush é diretamente responsável pela morte de milhares de inocentes. Mas veja (não Veja), aqui você pode elogiar o Bush o quanto quiser. Na pior das hipóteses vai ter alguém como eu te criticando. Não vão te calar não.


O Vampiro pega na jugular do Carlos


Carlos, já havia encerrado esse assunto, mas já que insiste: Você pode expressar sua opinião da maneira que você achar melhor. Sabe por quê? Porque você vive num mundo livre. Você não será apedrejado por chamar Bush de criminoso. Você não será acorrentado numa selva por pensar diferente de quem quer que seja. E esse mundo livre tem um preço. A liberdade nunca foi, nem será, algo gratuito. Há que alguém lute por ela. Os americanos, comandados por Bush, estão pagando um preço alto pela liberdade não apenas para eles, mas para todo o mundo. O preço alto inclui, além de vidas de soldados americanos que estão morrendo nesse momento, enquanto você está criticando-os, sentado confortavelmente em sua poltrona, também o valor do petróleo, que tornou-se muito mais caro depois da invasão do Iraque. Foi um grande prejuízo para os EUA. O "Rei" (não sei porque tanto medo em escrever o nome dele), apenas não aceita que usem a democracia para solapá-la. Mesmo que por ignorância, como no seu caso.Me desculpem os demais leitores, não quero importuná-los com um monte de comentários. Mas não consigo ficar calado com tanta hipocrisia. Carlos, você é um baita de um fanfarrão: Em que país você ganha sua vida? Me diga em que momento eu me coloquei numa posição de vítima ou choraminguei, como você fala. Me diga um insulto que eu tenha feito aos demais leitores ou a quem quer que seja (eu cito vários palavrões que você usou). Em que momento eu disse que todos os muçulmanos são terroristas? Você, sim!, diz que todos os conservadores ou eleitores do Bush são assassinos, "fdp", etc. Quem aqui está sendo superficial? Quem age como "velhinhos" comentando tudo o que vêem na TV? Quem faz papel de santinho? Veja todos os meus comentários anteriores e me diga em que momento eu sequer citei outro comentarista. Você é quem chegou chamando todos de hipócritas, dando aula de moral... É minha culpa se os demais leitores acham você maniqueísta e não querem fazer coro com as suas sandices? Me poupe!





do Carlos (US) (a primeira parte e a terceira estao na tripa dos comments)
[Carlos ] [US]
...o porque dos EUA terem invadido o Iraque. Meu caro, as letras WMD significam alguma coisa pra você? Pra mim sim: mentira. Eu não estou aqui pra dar aula de moral, estou colocando os fatos e gostaria que você apresentasse o outro lado, só que seus argumentos ruíram juntamente com a reputação do Bush. Você sabe quem treinou os Talebans pra combater a ex-URSS? O buraco é fundo, meu caro, muito mais fundo que a cripta do Drakul. E volto a perguntar: você realmente acha que Bush matou Saddam pra nos dar liberdade?? Meu, até no lugar mais remoto da Transilvânia eles sabem que essa não é a verdade dos FATOS.



do Mau
Nunca fui esquerdista. Faz tempo que pra mim isso deixou de existir, qdo a esquerda se tornou direita (soa estranho). E acho que o Bush é um merda e tomara que Obama vença, pq ninguem aguenta mais republicanos. Não acho que o terror será vencido por ninguem - terror é igual a ódio. Odio sempre haverá, enqto houver religião. Já fui mais ativista (ambiental), mas cansei pq vi que essa bola de neve era interminável. Concordo com tudo que o Carlos fala, ele tá certo sobre Bush, Iraque, e tbm com o vampirão, sobre os esquerdistas falsários e principalmente tiranos. Enfim, estamos na merda, por todos os lados.
Mau


  Escrito por Gerald Thomas às 12h30 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Nanini em Londres com a estatua de Eros em Piccadilly Circus


     Foto tirada por GT (nos estávamos confabulando....o que mesmo? esqueci.)


Ah sim, ele tinha acabado de entrar numa loja em frente a Fortnum and Masons pra comprar algo e eu quase rolava de rir na calcada. Passavamos os dias assim. Mostrei Hampstead (meu bairro) pra ele (na verdade, Belsize Park) e iamos pra cima e pra baixo planejando....planejando......(

  Escrito por Gerald Thomas às 23h02 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


no Blog da Leila um OTIMO artigo

DE BLOGS E OUTRAS COISAS sobre como a gente se ofende, depois se elogia, depois so fala porcaria, depois retira tudo, depois cospe e devolve tudo....e tudo porque? Porque NADA Prova NADA.
Ta la no Diretodaredacao.com
Gerald


LINDO, LINDO comentario
Jomar Martins] [Porto Alegre-RS]
Gerald: A vida é assim mesmo. Às vezes, é preciso acontecer um stress pra gente acordar e tentar entender o outro. Houve apenas ''um choque de dois mundos''. Mas vi que a honestidade intelectual e a humildade foram as pontes para que ambos se percebessem diferentes e passassem a dialogar como ''pessoas de bem''. Eu fiquei muito feliz que selastes a paz com o Reinaldo Azevedo. Sou leitor de RA e posso identificar nele muitos defeitos. Entretanto, creio que duas virtudes ofuscam seus defeitos: HONESTIDADE e BONDADE. O mútuo perdão os engrandeceu, acredite.Tenha um bom dia, meu velho!!


  Escrito por Gerald Thomas às 19h54 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


pequena explosao aqui em Times Square

e chove telefonemas aqui em casa: alguns sacanas: "deve ter sido o Hugo Chavez". Em se tratando de uma cabinezinha de recrutamento da US Army, mais provavel que seja um lunatico desses "WACOs" mesmo. Mas - com a paranoia local, todos os telefones estao....(ooops_) "ligados". Leiam o artigo do Mario A Jackobskind no diretodaredacao.com
NADA PROVA NADA!!!!!
GT


Resposta pro Vampiro de Curitiba (engracado escrever isso!) A graca da "coisa" eh justamente a de ter a generosidade para aceitar o dialogo. E....a de poder ver os dois ou mais lados. Temos dois olhos, dois bracos, duas pernas, os EUA duas costas, Manhattan tem East and West, somos bipolares, enfim......chega de radicalismos! Chega. Durante a guerra fria, o tel vermelho, aquela tensao maluca entre o Kremlin e a Casa Branca ou os filmes de James Bond ate que poderia se contar o mundo dessa maneira: a cortina de ferro; um do lado de ca, outro do lado de la. HOJE nao ! Por favor, sr Vampiro. Adoro seus emails e , mesmo que goste de sangue em Curitiba, entenda meu lado. Adoro versoes (versos longos). Tipo os do Leminski (natural dai) Mentira. Nunca li nada dele. Eh tudo teatro.

resposta do Vampiro:
Concordo contigo, Leminski é mesmo um saco, he, he... E esquerdista, ainda por cima!, he, he, he... É exatamente por querer ver os dois lados que escreví aquele sincero comentário. Só ví um lado (o mais burro) naquele texto do tal Mário. Não, na verdade, escreví por pura provocação. Só para atazanar seus leitores. É tudo teatro, sim! Somos todos personagens á procura de um autor, como escreví no post abaixo. Essa coisa de dois lados me deu uma idéia. Vou procurar minha polaca e ver se ela está afim. Love
O Vampiro de Curitiba



  Escrito por Gerald Thomas às 15h44 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Ohio e Texas eh de Hillary

Vermont é de
Obama

Texas eh de Hillary tambem e eu não estou aguentando.

Rhode
Island é de Hillary.

Sei lá.

deprimi.
GT

Como se
diz : vai ser um showdown de agora em
diante!




TUDO EH TEATRO! A tatica dela funcionou. Dias antes, ela havia estado, ao  vivo, aqui em NY nos estudios da NBC no 30 Rock, aqui em Midtown pra ser a host do SNL (Saturday Night Live) (programa que sobrevive ha decadas bolado por Lorne Michaels) e que lancou nao sei quantos icones: eh "O" programa que intercala humor com bandas de rock poderosas.e eh realmente feito ao vivo.

E havia rido de si propria no programa do John Stewart - no Comedy Channel (mas que eh levado pela CNN international) onde ele dizia "And the night before these primaries YOU chose to appear on MY show: as a host! I'm delighted,,, as a citizen? I'm frightened"...(da um tempo e ela olha pra camera e responde: "I know, it's pathetic". Traducao: No dia antes das eleicoes primarias voce escolheu aparecer aqui no MEU programa. Como host do programa estou felicissimo, mas como cidadao estou apavorado" ela responde "eh verdade, eh patetico!"

ATRIZ. Atriz formada pelo Oval Office Drama School e com pos graduacao da "International School of Cynical Course for Sudden Change of Strategy", ela sera capaz de tudo. Que merda a politica. Viva o teatro de Artaud.

e um pouquinho de info sobre Mc Cain

Here's the background on the situation.

A few months ago, John McCain applied for and was approved to receive federal matching funds. Because he couldn't find enough people to fund his campaign, he was also forced to apply for a $4 million line of credit, which he secured by using the federal matching funds as collateral.

By taking the federal funding, he agreed to spend no more than $57 million until the Republican convention. But so far, his campaign has spent at least $49 million -- leaving him with less than $10 million to campaign with through September.

Now that he's won the nomination and has the support of the Republican lobbyist and special interest machine, he's trying to ignore that the whole thing ever happened. He recently wrote a letter to the FEC telling them that he was backing out, even though the FEC is very clear that any request to withdraw from the agreement must be approved; you can't just change your mind and take it back -- legally, you have to be given permission.


Sandra: No caso de POLITICA, fazer "stunts" teatrais eh uma merda! Como sou de teatro, odeio ver o 'teatro" sendo utilizado como "meio" pra conseguir OBTER resultados politicos!

- - -

Link para o texto do Sérgio Dávila citado nos comentários: http://sergiodavila
.blog.uol.com.br/arch2008-03-01_2008-03-15.html#2008_03-03_02_46_07-2217909-0
.



  Escrito por Gerald Thomas às 00h56 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Back in the USSA

Hoje tem OBAMA X Hillary (mais interessante do que Nietzsche X Wagner). Será?
GT

Na verdade, o que acontece.....voltei, E voltou aquele nervosismo ABSURDO que acompanham as primaries. A imagem da CNN acaba de congelar. "Scare Tacticts" and STAR POWER" ! Como isso é chato, ridículo. Político sempre vira Celebridade. "I'm Jack Nicholson and I approve this message!!!!" E DAÍ?????
E DAÍ?????

Show businesssss!
Vamos lá, voltando à realidade: o sofrimento mesmo será mais tarde na contagem dos ballots!
GT
poucas palavras bastam: o que está em jogo hoje é TEXAS e OHIO! (não farei comentários, porque seriam sinistros)

Os Clintons podem ter sido o maior desastre – visto em retrospecto. Alguns analistas dizem que o “escândalo de Monica Lewinsky” foi o que acabou elegendo Bush e o “hunger for power” da Hillary (odiada pelas mulheres do mid-west, mas que votam em Obama), nao deixará que ela se “sinta derrotada”, mesmo se as primaries de hoje tiverem resultados negativos pra ela.

Num comentário de um amigo agora do interior daqui (que vem a ser a melhor forma de medir as coisas) ele me disse “Nos que amávamos o Bill, talvez venhamos a odiá-lo por combater tanto a popularidade do Obama e, com isso, acabar dando seus votos pro McCain”

Respirei fundo. Não acreditei. “Voce está falando sério?” “Mark my words, Gerald!” Ou seja, ela pode conseguir “lock” o partido democrático de tal forma até junho, alterar o sistema de campanha, tentar SUJAR a imagem de Obama de tal forma que, aqueles que iriam votar nele, Obama , acabariam não votando nele e nem nela mas sim nessa “coisa”, o McCain.

Bem entao so resta mesmo uma opção: um McAbel/

Era uma vez dois irmãos: CaiN e Abel.
Gerald



Vampiro de Curitiba: "paraiso do Chavez?" vc enlouqueceu???? Eu ODEIO esse palhaco! ODEIO! Quero que esso fdp se estrepe!!!!!! Nao passa de um MARGINAL DOMINADOR IDIOTA!

Porque nao menciono Rhode Island ou Vermont? Porque o primeiro eh triste e cinza e nao importa: o segundo eh lindo e overflows com Maple Syrup mas tambem nao importa: "essa CORRIDA ainda nos levara ate a Covencao em Denver, provavelmente", acaba de declarar o Howard Dean - lider do Partido Democratico.

Sobre MacCain...alguem quis abrasileirar e ai em cima virou CAIM e ABEL mas nao colocou o til. Enfim, o Ex- POW (BOOM, SLASH, SPLASH) do Ali-Zona.....com aquele bracinho atrofiado!!!!! Needn't say no more, bro! E desculpem aqueles que vem aqui pra entender o que se passa no "TRIANGULO Farc" daquele imbecil Chavez. Nao sei nada sobre isso. E nem quero saber!

P.S. do "esquecido" : olha o seu til aí, Gerald. E corrigi o trocadilho do McCain...rs


 



  Escrito por Gerald Thomas às 09h04 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


do diretodaredacao.com

DEUS CRIOU O MUNDO EM SETE HORAS
.
São Paulo - Foi exatamente nessa hora, domingo passado, por volta de uma da tarde. Só que em Nova York e não em São Paulo. Eu estava em casa e não nesse quarto de hotel. Nesses sete dias, meu mundo virou de cabeça pra baixo, pelo avesso, ao contrário. Sei lá, inventem ai uma expressão que explique a “quebra do ser ou nao ser, hamletiano”.

Seja como for, domingo passado eu lancei aqui no DR a coluna “Idiotas”. Mal sabia eu que, atacando Reinaldo Azevedo (através de todas as vias tortas e tolas) quem era o “idiota” era eu.

Todo mundo já sabe - e até demais - como se desenrolou essa semana. Tiros, chacotas, carroças, cavalos, Walkirias, Siegfrieds, e Walhallas. E o rio Rheno transbordou, mas o anel de ouro não foi roubado. Reinaldo e eu nos encontramos e o que aconteceu foi o mais lindo encontro possível.

Nao vou entrar mais nos detalhes privados, porque essa saga tem que terminar e, tanto ele quanto eu, temos uma vida a levar. Tenho uma troupe de teatro e projetos pra tocar. Ele, um dos homens mais esclarecidos e lúcidos que já encontrei (obrigado Contardo por ter cantado a bola), tem seu trabalho, o que não é fácil.

Somos, em principio, dois “rotulados”. Duas pessoas expostas as opinioes de pessoas anônimas ou antonimas ou psico-patomimas (sei lá o que é isso), que gostam de sugar o sangue ou espalhar o sangue dos outros a qualquer momento por pura covardia. Já que a covardia não lhes permite sair as ruas e mudar o sistema (podre e nojento, em vigência). Então, xingam! Dependem de um ou de outro, atraves de emails anônimos ou comentários no blog de baixíssimo escalão para pegar carona numa ideologia emprestada. O que vem a ser isso? Entendam como quiser. Ideologia não se pega emprestado e nem se compra ou vende: se “desenvolve” através de muito estudo, vivência e cultura.

E eis o Reinaldo sentado ontem na minha frente enquanto lágrimas escorriam dos meu olhos: eu pensava “viva o pensamento livre”, “viva a liberdade do homem”…..Isso não se constrange, esse cara não tem medo de nada. Eu tenho. Tenho medo de muita coisa ainda. E como!

Falamos horas. Mas ainda faltam mundos, universos pra que a gente (in) complete o que temos em comum.

Fiz uma viagem rápida ao Brasil. Deus fez o mundo em sete dias. Eu passei algumas horas olhando e ouvindo o Reinaldo ontem e ainda hoje, domingo, não estou completamente refeito do impacto de ontem. Só vou falar de quem não falamos: Walter Benjamin e Susan Sontag.

O resto, por favor, vocês imaginem. O território é vasto. Nos prometemos uma vida inteira. E eu agradeço. E muito. De novo, lágrimas. Paixão não tem jeito mesmo!
Gerald Thomas


da Rose

É muito bonito ver que, em meio a tantos conflitos e desentendimentos, duas pessoas (como vocês)dão total chance à PAZ! E sobretudo aprendem muito um com o outro! Um bom exemplo a ser seguido...

 

do Laion

GT E RA Primeiro vocês trazem a público sua picuinha, insuflam os leitores a se digladiarem, depois fazem as pazes num jantar.Parabéns! O que não dá para aceitar é que vocês se associem e queiram espancar os comentaristas que reprovaram o comportamento ginasiano de V.Sas. Já que o encontro foi tão "encantador e emocionante",sugiro que o Thomas faça um vídeo mostrando o início e final feliz dessa história.Desejo opinar quanto à trilha sonora: Para a 1ª parte - a do arranca -rabo -, que tal Glória Gaynor (I Will Survive). Para a parte da reconciliação, que tal "What A Wonderful World", na voz de Armstrong, e para encerrar, uma batida forte celebrando a fraternidade:"Y.M.C.A" (V.People) cuja letra fala da fraternidade de uma asssociação cristã. E não me venha, Reinaldo, com "por que vocês não desaparecem do meu blog".O blog é um produto cultural aberto ao públ.Assim como uma livraria aberta não pode impedir as pessoas de entrar, um blog tb não pode enxotá-los por motivo ideológico.

 

do Jorge Schweitzer

"...... Somos, em principio, dois “rotulados”. Duas pessoas expostas as opinioes de pessoas anônimas ou antonimas ou psico-patomimas (sei lá o que é isso), que gostam de sugar o sangue ou espalhar o sangue dos outros a qualquer momento por pura covardia. Já que a covardia não lhes permite sair as ruas e mudar o sistema (podre e nojento, em vigência). ......" Discordo, meu amigo Gerald... Pelo menos as pessoas que se colocaram ao seu lado não transpareceram pegar "carona" em suas céleres carruagens célebres... Como pessoa anônima ou antônima ou psico-patômimas odeio exposição e só faço até o ponto onde é inevitável para deixar registrado meu protesto ou indignação, daí vou até o inferno... E postei comentários sobre o episódio fazendo ironia depois que vários baixaram o nível, e não me arrependo já que recebi respostas mandando eu botar a "bunda na pista para tomar chumbo" ou algo equivalente... Pena que este valentão de merda só usa pseudônimo... Abração, Jorge Schweitzer

LINDO COMENTÁRIO de ALBERTO GUZIK (ator, autor e critico teatral)
"Aula"
Transformou-se em uma aula de civilidade a briga furiosa travada entre Gerald Thomas e Reinaldo Azevedo. Leiam nos blogues de ambos. Muitos argumentos furiosos foram esgrimidos, muitas linhas agressivas foram disparadas. E por fim a inteligência provou que pode e deve levar a melhor, quando os inteligentes substituem a íra pelo diálogo. Não se trata de saber quem tem "razão" nem de declarar um ou outro o vencedor do confronto. Ambos defenderam seus pontos de vista com muito vigor e ambos encontraram pontos de convergência mais que de discordância. Perdem os leitores inúmeros dos dois blogues que estavam torcendo para que o duelo verbal se transformasse num confronto armado. Ponto para a inteligência. Venceu o entendimento. AG

 

Altivo Moreno apóia :

Parabéns! Sou leitor do RA e sei o quanto honestas são suas colocações. Também conheco [um pouco] o trabalho do GT tão elogiado no meio teatral. Gostaria de ter presenciado a conversa para tirar proveito do que ambos tem em comum: honestidade intelectual e apego às idéias livres. Viva!

 

Carlos discorda :

Sim, "viva o pensamento livre", "viva a liberdade do homem". E que blogueiros tão populares como Reinaldo Azevedo passem a aplicar tais conceitos na prática, e não apenas quando lhes convém. A censura de mensagens praticada por ele, várias delas simplesmente protestando contra a violência do que estava vindo daquele blog, NADA tem a ver com "viva o pensamento livre".


Felipe também :

Gerald, Fiquei estarrecido! Imaginei que vc não achasse o Chico um porco fedorento, ou a ONU uma ong idiota ou o Arnaldo Antunes um drogado vulgar. Lamento que de visibilidade a quem tem partido, a quem não faz jornalismo mais acaba com pessoas. O reinaldo é doente e não é do corpo é da alma, nem precisa ser pisicologo para perceber suas neoroses e sua patética insegurança... aposto que na sua frente virou um gatinho... isso é a falta de segurança... enfim...lamento que trocou Chico por Reinaldo... acredito que não tenho mas nada a procurar em sua biografia. Abraços


ATENCAO: aqui quem escreve eh o Gerald (suposto "dono" desse blog") Seguinte: entrando online agora, depois de uma ressonancia magnetica no Fleury, leio esses comentarios colocados em destaque aqui no corpo do BLOG: CHEGA!!!! Imploro pra quem esteja fazendo isso que pare! Felipe: o Chico Buarque esta LONGE de ser um porco fedorento: eh um dos maiores compositores da musica de todos os tempos. A ONU - sim, acho um orgao falido assim como falei com O RA. Nao tenho nenhuma relacao pessoal ou profissional com o Arnaldo Antunes: parece que existe uma ma vontade reciproca entre ambos e pouco me importa. Ou seja, nao endosso TUDO aquilo que RA escreve, ele nao endossa o que eu escrevo. Como ele mesmo escreveu: ele eh McCain e eu OBAMA. Por favor Entendam as diferencas. E mesmo assim existe um imenso amor e ENORME campo pra dialogo, caramba!
GT

Att: Jorge: (ja de Cumbica te escrevo) Encare a palavra "camundongo" com um certo humor. Alias, a interner inteira deve ser encarada com humor. Coisa seria mesmo (pra ser investogada pelo FBI) eh site de pedofilo, terrorista, extremista de qualquer especie: de resto, sao somente opinioes divergentes. Sim, houveram "insultos feios" como me disse a Harumi ha pouco num cafe. Procuro ver que isso eh uma coisa no passado que o encontro zerou.


comentario
Gerald, não sei se você vai ler esse comentário, mormente porque já postou muitas outras coisas depois disso, mas preciso falar algumas (poucas) coisas. Em primeiro lugar, fico feliz q vc tenha se entendido com seu ex-desafeto (um dos, pelo menos), mas, para que eu continue a ler seu blog (e eu aprecio muito isso), preciso saber de que forma vc se refere ao "viva o pensamento livre" e "viva a liberdade do homem" (já que isso possui mil facetas). O que quero dizer, isto é, o que espero de você, é q esse encontro de vocês não sirva para engessar seus comentários. Ora, vc já deixou claro q naum concorda com muitas idéias do outro blogueiro, e penso que deve continuar manifestando sua opinião, quando o caso. É isso, aliás, o maior sinal de respeito e admiraçaõ que você pode dar a ele (e a seus leitores também). Assim, fico feliz com o fim das ofensas pessoais, mas espero que você mantenha sempre o conflito de idéias, de pontos de vista (que são tão diferentes em muitas coisas).
Carlos Navarro

Carlos querido: a melhor maneira de demonstrar que ainda existe DEMOCRACIA eh que existe a divergencia e que ela pode ser manifestada sem ser reprimida! LOVE GT

  Escrito por Gerald Thomas às 15h53 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


Finalmente: o encontro!

 

Cartaz de divulgação do filme "Freddy vs. Jason"

Caramba! Eu ja estava mesmo com essa impressão. Ele veio. Conversamos. Conversamos e ...conversamos. Foram horas, mas pareceram minutos. O Reinaldo tem uma energia linda. Já encontrei muita gente maravilhosa nessa vida. Muita. E em todos os lugares desse planeta. Mas esse encontro foi ÚNICO. Estou emocionado até agora. E isso prova algo: prova que VIVA o pensador LIVRE!!!! Viva o homem LIVRE!!!! Me emocionei a tal ponto que nao consigo escrever nesse momento. A coluna de amanhã será sobre isso: agora, prefiro refletir sobre tudo que falamos e sobre o que ouvi de uma das pessoas mais íntegras que já conheci.
Por ora, é isso.
agitado pela sua iluminação e ainda emocionado pela sua lucidez, I remain
LOVE
Gerald

do Reinaldo em seu blog hoje :

O encontro

Em seu blog, Gerald Thomas escreve um post chamado “Finalmente: o encontro”:

Caramba! Eu já estava mesmo com essa impressão. Ele veio. Conversamos. Conversamos e... conversamos. Foram horas, mas pareceram minutos. O Reinaldo tem uma energia linda. Já encontrei muita gente maravilhosa nessa vida. Muita. E em todos os lugares desse planeta. Mas esse encontro fui ÚNICO. Estou emocionado até agora. E isso prova algo: prova que VIVA o pensador LIVRE!!! Viva o homem LIVRE!!! Me emocionei a tal ponto que não consigo escrever nesse momento. A coluna de amanhã será sobre isso: agora, prefiro refletir sobre tudo que falamos e sobre o que ouvi de uma das pessoas mais íntegras que já conheci.Por ora, é isso.Agitado pela sua iluminação e ainda emocionado pela sua lucidez, I remain
LOVE
Gerald

Voltei
É isso. Estivemos juntos ontem por quase quatro horas. Estou orgulhoso do que conseguimos fazer do que fizeram de nós. Foi um encontro fraterno, encantador, marcado por muitas identidades, algumas realmente impressionantes, e também diferenças. Ah, não! Não viramos duas normalistas decididas a sair por aí pregando que o bom mesmo é ser feliz. Até porque, convenhamos, ninguém precisa de normalistas pra isso; afinal, o bom mesmo é ser feliz.

Muita gente também ficou contente com o encontro. Aqui e ali, deve haver um pouco de frustração: “Ah, então esse Reinaldo (ou esse Gerald, tanto faz nesse caso) não é só um babaca vaidoso, que se diverte atacando, fazendo a mímica do estripador de adversários?” Pois é...


Falamos de política, de Brasil, de Bush, muito de nós mesmos (como vocês devem supor, hehe...), de Júlio César (o de Shakespeare), de Edward Gibbon, da ascensão, declínio e queda dos impérios, de Kant, de por que eu sou McCain, e ele, Obama, de café, de coca-cola. E nos divertimos com a nossa hipocondria.

Já tive amigos que romperam unilateralmente comigo porque, sei lá eu, começaram a achar que agora eu quero o mal da humanidade, enquanto eles continuam a querer o bem. Compreendo: afinal, se pretendo, por exemplo, destruir o planeta na frigideira do aquecimento global, é evidente que não sou de confiança...

E há amizades que se fazem assim: em meio a uma chuva de balas.

Como disse Gerald em seu primeiro post, relatando a nossa conversa, telefônica então, lamento ter (ou termos) decepcionado muita gente: o Torquemada de si mesmo, o suposto braço sanguinário da VEJA (como essa gente adora teorias conspiratórias!!!) gosta é de civilização.

Falei sobre Mário Faustino. Mandei a Gerald, por e-mail, trecho da orelha que o grande Paulo Francis escreveu para a edição de 1966. Referindo-se ao poeta que havia morrido em 1962, escreveu Francis:

“Conversamos muito sobre isso, sobre a vulgaridade, a mesquinharia, a torpeza e a estreiteza implícitas em qualquer atividade política no país (e em toda parte), e sobre como nos seria fácil a alienação de toda essa mixórdia em benefício de nosso gosto e aptidão. Perguntávamo-nos se não seria o gosto de aparecer que nos levava a tamanha autoviolentação. Nunca chegamos a um acordo total sobre motivações, mas acredito que o nosso envolvimento fosse algo mais do que pessoal, resultante de uma necessidade íntima e imperiosa de resistir à pulhice dominante em nossa volta. (...) Ele se definiria talvez como o Becket de Anouilh (...) quando diz que continuamos absurdamente fazendo aquilo que temos de fazer”.

É isso aí.

Falei de Faustino? Então fiquem com o último dos “Sete Sonetos de Amor e Morte”

ESTAVA LÁ AQUILES, QUE ABRAÇAVA

Estava lá Aquiles, que abraçava
Enfim Heitor, secreto personagem
Do sonho que na tenda o torturava;
Estava lá Saul, tendo por pajem
Davi, que ao som da cítara cantava;
E estavam lá seteiros que pensavam
Sebastião e as chagas que o mataram.
Nesse jardim, quantos as mãos deixavam
Levar aos lábios que os atraiçoaram!
Era a cidade exata, aberta, clara:
Estava lá o arcanjo incendiado
Sentado aos pés de quem desafiara;
E estava lá um deus crucificado
Beijando uma vez mais o enforcado.

Por Reinaldo Azevedo

 

do Sergio Penteado
That´s funny! Agora que esses dois se encontraram, tomaram café juntos, estenderam a conversa por quatro horas e, aparentemente, ratificaram a paz e sangue não rolou, continuo a observar certas reações de decepção de alguns "partidários" de ambos os lados, se bem que em minoria. Elas expressam um sentimento de desamparo, de traição. Para quem não conhece muito o Gerald, ele faz bem mais a linha "clown" do que de articulista erudito que desenvolve teses aristotélicas e construtivistas. Lá no blog do Reinaldo li comentários irados sustentando que GT defendeu a felação masculina em atroz agressão aos princípios católicos, à gênese bíblica do amor heterossexual, etc. Para mim, a leitura do que tanto GT como RA escrevem não define, por si mesma, um axioma de postulados morais, e nem a discordância disso ou daquilo que se defende estende-se ao conjunto da obra. Sim, leio os dois e também acho que muito do que produzem é besteira (esse artigo do GT sobre felação para mim é uma e das grandes bobagens que por vezes ele produz), mas isso não desqüalifica as pessoas e nem o "conjunto da obra".

do Fernando Silva
Bem vindo, Gerald, ao agradável mundo dos não-esquerdistas-progressistas-vanguardistas./ Venha conhecer o livre mundo dos que não lêem por cartilha e dão uma banana para ideologias furadas e ultrapassadas./Se você soubesse como é bom ser "reaça"...e saber que na maioria das vezes estamos do lado certo do mundo. Abs!

do André
Uma criança mimada esquizofrênica e um jornalista sendo comprado pela vaidade... a hora que o Reinaldo passar de "o ser mais lindo do mundo" para "homenzinho que não é nada", ai, ai.. e sabemos que a criança esquizofrênica é campeã em mudanças de idéia abruptas... aproveite sua admiração pelo esquizofrênico enquanto é tempo Reinaldo, porque depois... vira novela mexicana do pior nível.
André

do Tarrais
Ê, seu Gerald: o que arrumou agora de mariposas fanáticas direitistas a rodear sua varanda não tá na conta! Verá que está em companhia de uma verdadeira seita, e daquelas não muito agradáveis, sabe? Enfim, durma-se com um barulho desses.
Tarrais 

do Mau
E ainda tem leitor que acredita em esquerda e direita. Somos caolhos...gente



  Escrito por Gerald Thomas às 20h59 [ Comente  ]
[ envie esta mensagem para um amigo ]


 
  





Página principal


Para assistir às entrevistas feitas por Gerald para a TV Uol, clique no ícone acima.

Creative Commons License

01/06/2008 a 30/06/2008
01/05/2008 a 31/05/2008
01/04/2008 a 30/04/2008
01/03/2008 a 31/03/2008
01/02/2008 a 29/02/2008
01/01/2008 a 31/01/2008
01/12/2007 a 31/12/2007
01/11/2007 a 30/11/2007
01/10/2007 a 31/10/2007
01/09/2007 a 30/09/2007
01/08/2007 a 31/08/2007
01/07/2007 a 31/07/2007
01/06/2007 a 30/06/2007
01/05/2007 a 31/05/2007
01/04/2007 a 30/04/2007
01/03/2007 a 31/03/2007
01/02/2007 a 28/02/2007
01/01/2007 a 31/01/2007
01/12/2006 a 31/12/2006
01/11/2006 a 30/11/2006
01/10/2006 a 31/10/2006
01/09/2006 a 30/09/2006
01/08/2006 a 31/08/2006
01/07/2006 a 31/07/2006
01/06/2006 a 30/06/2006
01/05/2006 a 31/05/2006
01/04/2006 a 30/04/2006
01/03/2006 a 31/03/2006
01/02/2006 a 28/02/2006
01/01/2006 a 31/01/2006
01/12/2005 a 31/12/2005
01/11/2005 a 30/11/2005
01/10/2005 a 31/10/2005
01/09/2005 a 30/09/2005
01/08/2005 a 31/08/2005
01/06/2005 a 30/06/2005
01/05/2005 a 31/05/2005
01/04/2005 a 30/04/2005
01/03/2005 a 31/03/2005
01/02/2005 a 28/02/2005
01/01/2005 a 31/01/2005
01/12/2004 a 31/12/2004
01/11/2004 a 30/11/2004
01/10/2004 a 31/10/2004
01/09/2004 a 30/09/2004
01/08/2004 a 31/08/2004
01/07/2004 a 31/07/2004
01/06/2004 a 30/06/2004
01/05/2004 a 31/05/2004
01/04/2004 a 30/04/2004
01/03/2004 a 31/03/2004
01/02/2004 a 29/02/2004




Dê uma nota para meu blog

  • UOL
  • Gerald Thomas
  • Gerald Thomas (US)
  • Gerald.UOL
  • Alberto Guzik



     

  • visitantes desde 01 de fevereiro de 2004